Robôs autônomos são usados para ajudar idosos a lidar com o estado de solidão

ANÚNCIO

Quando falamos sobre robôs e o futuro, eles geralmente recebem uma má reputação. Estamos preocupados com eles substituindo a força de trabalho humana e contribuindo para o desemprego.

Na outra extremidade, tivemos a rebelião completa dos robôs. Pensa-se no Exterminador ou no Matrix. Esse tipo de coisa.

ANÚNCIO

Mas e se contássemos a você sobre um robô que entra em lares de idosos e fala com os residentes idosos para que eles se sintam menos solitários e deprimidos? Isso soa menos como Exterminador, e mais como um filme da Pixar, certo?

Bem, é realmente realidade. Um grupo de pesquisa coordenado pela Universidade de Genova, na Itália, desenvolveu um robô que faz exatamente isso, cuida de idosos.

Chamado de Pepper, o bot de atendimento totalmente autônomo foi introduzido para cuidar de pacientes domiciliares no Japão e no Reino Unido como parte do projeto CARESSES. Por um período de duas semanas, Pepper interagiu com eles tocando música e realmente mantendo conversas reais.

ANÚNCIO

Os resultados do estudo foram bastante positivos. De acordo com a Universidade de  Bedfordshire, parceira do estudo,  os idosos que interagiram com Pepper viram “uma melhora significativa em sua saúde mental”.

Mais precisamente, o robô teve um “impacto positivo na severidade da solidão” que os residentes estavam relatando. Além disso, os pesquisadores relataram que os idosos desenvolveram uma atitude melhor em relação aos robôs.

Muito bem, Pepper. Quebrando as barreiras nas relações humano-bot.

Uma solução extremamente necessária

O estudo CARESSES é financiado pela União Europeia e pelo governo japonês. Ambos estão enfrentando um problema semelhante, um número cada vez menor de pessoas disponíveis para cuidar de suas populações que envelhecem rapidamente.

Na UE, a proporção de pessoas com mais de 65 anos aumentou de 17,4% em 2009 para 20,3% em 2019. As estatísticas japonesas de 2018 mostram que 28,4% da população do país tinha mais de 65 anos.

“Só no Reino Unido, 15.000 pessoas têm mais de 100 anos e esse número só vai aumentar. Robôs inteligentes e socialmente assistentes para idosos podem aliviar algumas pressões em hospitais e lares de idosos “, diz Irena Papadopoulos, Professora de Saúde Transcultural e Enfermagem da Universidade de Middlesex, que ajudou a desenvolver conceitos culturais para a IA de Pepper.

Embora os pesquisadores não pudessem ter previsto isso quando iniciaram o estudo em 2016, a pandemia de COVID-19 colocou ainda mais pressão sobre os centros globais de saúde para idosos. Pepper está entrando em cena em um momento oportuno.

Mas espere, não é isso que dissemos que as pessoas temem antes? Os enxames de Peppers vão substituir a equipe de cuidados humanos?

De acordo com Papadopoulus, esse não é o objetivo.

Ninguém está falando em substituir humanos, a avaliação demonstra que estamos muito longe de fazer isso, mas também revela que os robôs poderiam apoiar os sistemas de cuidados existentes”, diz ela.

Papadopoulos observa que, embora Pepper tenha executado bem suas funções, há muito espaço para melhorias. Alguns participantes relataram interações menos que ótimas com o robô, mas provavelmente devido a limitações no reconhecimento de fala.

Embora a casca de plástico de Pepper não tenha capacidade para substituir o toque humano, ela pode fornecer uma ajuda muito necessária.

Único

Como já dissemos de passagem, Pepper é totalmente autônomo. Isso significa uma inteligência artificial sofisticada controla todas as suas ações.

O Dr. Sanjeev Kanoria, fundador e presidente da maior rede de tratamento de demência do Reino Unido, Advinia Health Care, diz que a IA de Pepper é única em seu tipo.

Esta é a única IA que pode permitir uma comunicação aberta com um robô e um residente vulnerável. Estamos trabalhando para implementar isso no atendimento de rotina de pessoas vulneráveis ​​para reduzir a ansiedade e a solidão e fornecer a continuidade dos cuidados ”, diz Kanoria.

Uma parte importante da inteligência de Pepper é que o robô é, como os pesquisadores colocaram, culturalmente competente. Isso significa que ele é capaz de responder às necessidades dos idosos com base em um contexto cultural específico.

Pepper, por exemplo, usou diferentes frases e modos de comportamento ao interagir com os idosos japoneses e britânicos. Os países têm padrões diferentes sobre como você deve se comportar com os idosos, e Pepper consegue levar isso em consideração, pelo menos até certo ponto.

O professor Antonio Sgorbissa, da Universidade de Genova, liderou o desenvolvimento da IA ​​de Pepper. Ele diz que, apesar das limitações atuais, o estudo CARESSES mostrou que robôs culturalmente competentes melhoram a vida dos idosos.

Nosso teste foi um dos mais rigorosos, complexos e maiores de seu tipo até o momento e as limitações precisam ser vistas neste cenário”, disse Sgorbissa.

É essencial continuar esta pesquisa para maximizar o potencial da IA ​​e usá-la para o bem social.

Vai demorar um bom tempo até que Pepper se torne regular em asilos. Mas quando isso acontecer, tornará a vida mais agradável para os idosos.

Leia também: Empresa Alemã desenvolve caixão biodegradável composto de fungos

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Oddee

ANÚNCIO