Cientistas criam seu filho bebê com um chimpanzé

Foto: (reprodução internet)

O Dr. Winthrop Niles Kellogg colocou seu filho Donald e sua filha adotiva, Gua, na frente de uma câmera de cinema. O psicólogo queria capturar a memória dos dois bebês, Donald em um macacão branco e sapatos de couro, Gua em uma fralda e sapatos semelhantes. A vinheta na ensolarada Flórida pode ter sido fofa, exceto que Donald era um humano e Gua um chimpanzé, e os dois eram objetos do experimento de Kellogg.

Kellogg e sua esposa, Luella, adotaram Gua de Cuba aos 7 meses e meio para ver se um chimpanzé agiria como um humano se fosse criado com seu filho de 10 meses e cercado por outras pessoas, uma tese bizarra em qualquer época, mas especialmente em 1931, quando os chimpanzés raramente eram usados ​​para pesquisas comportamentais.

Por nove meses, Kellogg, sua esposa e outros pesquisadores observaram meticulosamente os dois bebês, um experimento que hoje alarmaria cientistas, ativistas dos direitos dos animais e serviços de proteção à criança.

Dois anos antes do procedimento com o chimpanzé criança, Kellogg recebeu seu doutorado em psicologia pela Universidade de Columbia e voltou para sua alma mater, a Universidade de Indiana, para começar a lecionar.

No início de sua carreira, ele era fascinado por crianças selvagens.

Qual seria a natureza do indivíduo resultante que amadureceu … sem roupas, sem linguagem humana e sem associação com outros de sua espécie?” ele perguntou em seu livro de 1933, The Ape and the Child.

Criação versus heranças genéticas 

Houve alguns casos de crianças selvagens supostamente aparecendo da floresta, mas esses casos não foram cientificamente suficientes para responder a uma questão importante na psicologia na época: a natureza ou a criação são mais importantes na formação da vida de um indivíduo?

O experimento de Kellogg foi conduzido durante o apogeu do movimento eugênico, que sustentava que as deficiências mentais e intelectuais sempre foram naturais, sempre genéticas.

Essa controvérsia foi reforçada em 1927, quando a Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu em Buck v. Bell que os deficientes intelectuais poderiam ser esterilizados à força. O experimento do macaco e da criança se propôs a refutar essa teoria, mostrando que o ambiente era mais importante do que os genes, que a criação era a chave.

Embora os Kelloggs afirmassem que tratavam Donald e Gua da mesma forma, a criação dos filhos nem sempre foi amorosa.

O preço da ciência 

Eles bateram nas cabeças de Donald e Gua com colheres para ouvir a diferença no som de seus crânios; faziam barulho para ver quem reagiria mais rápido; eles tentaram convencer Gua a não comer bolhas de sabão empurrando uma barra de sabão em sua boca; e eles giraram Donald em uma cadeira alta até que ele começou a chorar, tudo em nome da ciência.

Hoje, o experimento nunca seria aprovado no conselho de ética.

Fazer experiências com seus próprios filhos é altamente problemático”, diz Jeffrey Kahn, do Johns Hopkins Berman Institute of Bioethics. “Sempre que você faz um experimento com sua própria família e sua própria vida, não é científico da mesma forma que um estudo de laboratório.”

Esse era apenas um dos problemas com a premissa. “N = 1 [um teste com um participante] pode fornecer um limite de informações”, diz Kahn. “Quanto você pode generalizar a partir de um caso? E como você faz esse experimento? Você não pode criar o mesmo chimpanzé em dois cenários diferentes.

Kellogg elogiou o quanto Gua aprendeu e quantas qualidades humanas ela parecia desenvolver ao longo dos nove meses: ela caminhava ereta, usava um garfo e tinha expressões faciais humanas.

Mas a tentativa de Kellogg de incutir o poder da fala no grunhido Gua foi um fracasso.

“Essa foi uma última tentativa para ver se você poderia ensinar um chimpanzé a falar”, disse Andrew R. Halloran, autor de A Canção do Macaco: Compreendendo a Língua dos Chimpanzés.

A fisiologia da espécie e o desenvolvimento do cérebro simplesmente não permitem a comunicação humana.

Poderia ter sido um estudo psicológico interessante sobre como crianças e chimpanzés anseiam por companhia”, diz Halloran.

Se houver uma maneira de não ficar isolado, os chimpanzés vão encontrar, e é isso que eles compartilham com os humanos. Os chimpanzés precisam de companheiros, assim como os humanos precisam de companheiros. ”

Mais chimpanzé ou mais humano?

Mas Luella Kellogg tinha outras preocupações que encerraram o experimento: a saber, que Donald estava se tornando mais chimpanzé do que Gua estava se tornando humano.

Gua e Donald lutaram de uma forma que mais parecia uma brincadeira de chimpanzé do que como os bebês interagem. Gua ensinou Donald a espionar as pessoas sob as portas.

Leia também: As fêmeas de chimpanzés têm um papel muito mais importante do que era imaginado

Donald começou a morder pessoas. Donald rastejou como Gua mesmo depois que ele podia andar, e começou a grunhir e latir como sua “irmã” quando ele queria comida.

Isso pode ter sido algo que os Kelloggs deveriam ter esperado. “Se você cria um bebê com um filhote, não espera que o filhote aprenda traços humanos”, diz Kahn, mas quem nunca viu crianças engatinhando no chão e latindo como cachorros?

Depois que Luella puxou o plugue, Gua foi levado embora, enjaulado para ser objeto de outro experimento e morreu de pneumonia meses depois. Donald atingiu a idade adulta, tornou-se médico e se matou aos 42 anos.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Ozy