Cinco homens concordam em ficar diretamente sob uma bomba nuclear explosiva

ANÚNCIO

Em 19 de julho de 1957, cinco oficiais da Força Aérea e um fotógrafo estavam juntos em um pedaço de terra a cerca de 65 milhas a noroeste de Las Vegas. Eles marcaram o local como “Marco Zero. População 5” em uma placa escrita à mão martelada no solo macio ao lado deles.

Enquanto observamos, diretamente no alto, dois jatos F-89 rugem à vista, e um deles dispara um míssil nuclear carregando uma ogiva atômica.

ANÚNCIO

Eles esperam. Há uma contagem regressiva; 18.500 pés acima deles, o míssil é detonado e explode. O que significa que esses homens intencionalmente ficaram embaixo de uma bomba nuclear explosiva de 2 quilotons. Um deles, no momento chave (está de óculos escuros), ergue os olhos. Você tem que ver isto para acreditar.

Quem são esses caras? E por que o narrador grita alegremente: “Aconteceu! Os montes estão vibrando. É tremendo! Diretamente acima de nossas cabeças! Aaah!

Esta filmagem vem dos arquivos do nosso governo. Foi filmado pela Força Aérea dos Estados Unidos (a pedido do coronel Arthur B. “Barney” Oldfield, oficial de informação pública do Comando de Defesa Aérea Continental em Colorado Springs) para demonstrar a relativa segurança de uma central nuclear de baixo grau no atmosfera. 

ANÚNCIO

O país estava apenas começando a se preocupar com a precipitação nuclear, e a Força Aérea queria tranquilizar as pessoas de que não havia problema em usar armas atômicas para conter armas semelhantes em desenvolvimento na Rússia. (Eles não ganharam essa discussão.)

Se você for atingido por duas bombas atômicas, você deve ter filhos?

O silêncio

Assistindo a este filme, há muitas coisas para se perguntar (e se preocupar), mas um dos momentos mais estranhos é como a bomba explodiu em completo silêncio. Vemos um súbito clarão branco.

 Isso faz os soldados se encolherem. Então há uma pausa, uma quietude grávida que dura uma batida, depois outra e então – há um rugido. (“Aí está! A onda terrestre!“), Após o que o céu acima parece escurecer e o ar se transforma em fogo.

A física básica explica a pausa. Como a luz viaja mais rápido que o som, você vê a luz primeiro e ouve o som depois. Na maioria dos filmes (mesmo em filmes de explosão de bomba atômica lançados pelo governo), o som é artificialmente deslocado no tempo para fazer o flash e o som parecerem simultâneos.

‘Um rosnado longo e trovejante’

Mas não é assim se você realmente estiver lá. O historiador da ciência Alex Wellerstein encontrou uma gravação não editada e profundamente assustadora – que ele acabou de postar em Restricted Data; O Blog do Sigilo Nuclear.

Ele conseguiu, diz ele, de “um correspondente russo” que estava pesquisando os Arquivos Nacionais dos EUA. Por que não? Nosso passado está aberto a todos. 

O russo encontrou uma gravação de um teste atômico americano em 1953, que mostra um enorme lampejo de branco, tão branco que apaga todo o céu, depois espessas nuvens de cinzas (ou talvez sujeira?) despencar, uma bola de fogo aparece – tudo isso em silêncio total. Passam-se trinta segundos. E então, diz Wellerstein,

Coloque alguns fones de ouvido e ouça o tempo todo – é muito mais íntimo do que qualquer outro filme de teste que já vi. Você tem uma noção muito melhor de como essas coisas devem ter sido, no solo, como um observador, do que em sua montagem padrão de explosões. 

Murmúrios em antecipação; a lenta contagem regressiva em um megafone; a reação ao clarão da bomba; e finalmente – um estrondo agudo, seguido por um rosnado longo e trovejante. Esse é o som da bomba.

É um som que você nunca gostaria de ouvir na vida real, mas é uma maneira segura de escutar. Apenas um aviso: nos primeiros dois minutos deste vídeo, nada acontece, nada que eu pudesse ouvir, de qualquer maneira. Em seguida, há uma contagem regressiva e, às 2:24 do início … a bomba explode; às 2:54 a explosão atinge.

Leia Também: Veja por que a Apple diz que está deixando iPhones mais lentos

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: NPR

ANÚNCIO