Como está o clima em Proxima Centauri?

ANÚNCIO

O clima selvagem pode significar que a maioria dos exoplanetas da Via Láctea são inabitáveis, de acordo com novas pesquisas.

Na última década, os astrônomos descobriram mais de 4300 planetas orbitando estrelas distantes e a lista está crescendo a cada semana. 

ANÚNCIO

Mas este estudo, publicado no The Astrophysical Journal, sugere que os planetas orbitando estrelas anãs vermelhas do tipo M terão de enfrentar violentas condições climáticas.

A equipe australiana e norte-americana usou telescópios ópticos e de rádio para observar nossa estrela mais próxima – Proxima Centauri, a apenas 4,2 anos-luz de distância – enquanto ela emitia poderosas chamas estelares e rajadas de rádio simultaneamente, fornecendo a primeira ligação definitiva entre esses dois eventos em uma outra estrela do que o nosso sol. 

Percepções

Mas aqui em nosso Sistema Solar, esses eventos estão ligados a ejeções de massa coronal – explosões massivamente energéticas de plasma ionizado e radiação

ANÚNCIO

O pesquisador principal Andrew Zic, da Universidade de Sydney, diz que é altamente provável que eventos intensos semelhantes ocorram em anãs vermelhas do tipo M.

Esta é provavelmente uma má notícia em relação ao clima espacial”, diz Zic. “Parece provável que as estrelas mais comuns da galáxia – anãs vermelhas – não serão ótimos lugares para encontrar a vida como a conhecemos.”

Os astrônomos já sabiam que Proxima Centauri é o lar de dois planetas rochosos. 

Como está o clima em Proxima Centauri?
Foto: (reprodução/ internet)

Um é particularmente excitante porque existe na zona habitável em torno da estrela, onde recebe calor suficiente para que água líquida hipoteticamente exista. 

No entanto, as zonas habitáveis ​​de anãs vermelhas pequenas e frias estão aninhadas perto da estrela – muito mais perto do que Mercúrio está do nosso Sol – o que pode colocar planetas no caminho do clima feroz da estrela.

Descobertas

“O que nossa pesquisa mostra é que isso torna os planetas muito vulneráveis ​​à perigosa radiação ionizante que poderia esterilizar efetivamente os planetas”, explica Zic.

Esta radiação corroeria severamente a atmosfera de um planeta, deixando-o exposto a outros perigos, como raios X intensos ou luz ultravioleta.

Estrelas como o nosso Sol também emitem essa radiação, mas como o Sol é muito mais quente, a Terra fica na zona habitável muito mais distante.

Leia Também: Este truque brilhante vai devolver uma garrafa de champanhe à sua glória borbulhante

“Além disso, a Terra tem um campo magnético planetário muito poderoso que nos protege dessas intensas explosões de plasma solar”, diz Zic.

Se os exoplanetas têm ou não campos magnéticos ainda é uma questão em aberto para os astrônomos.

Mas mesmo que houvesse campos magnéticos, dada a proximidade estelar de planetas com zonas habitáveis ​​em torno de estrelas anãs M, isso pode não ser suficiente para protegê-los.

Como as anãs vermelhas do tipo M, como Proxima Centauri, compreendem 70% das estrelas da Via Láctea, a descoberta pode limitar nossa busca por planetas habitáveis ​​e vida extraterrestre.

Como foi realizada a pesquisa

As observações foram feitas usando telescópios em todo o mundo, incluindo o Australian Square Kilometer Array Pathfinder (ASKAP) na Austrália Ocidental, o Telescópio Zadko na University of Western Australia e o Transiting Exoplanet Survey Satellite (TESS) da NASA. 

A observação com múltiplos telescópios em vários comprimentos de onda permitiu que a equipe fizesse a ligação crucial entre os flares ópticos e de rádio.

“A probabilidade de que a explosão solar observada e o sinal de rádio recebido de nosso vizinho não estivessem conectados é muito menos do que uma chance em 128.000”, diz Zic.

O co-autor Bruce Gendre, da University of Western Australia, afirma que a pesquisa é um passo significativo em direção ao uso de sinais de rádio de estrelas próximas para produzir relatórios meteorológicos espaciais além de nosso próprio Sistema Solar.

Compreender o clima espacial é fundamental para entender como a biosfera de nosso próprio planeta evoluiu – mas também para saber o que é o futuro”, conclui.

Traduzido e editado por equipe: Isto é Interessante 

Fonte: Cosmos Magazine 

ANÚNCIO