Cor e movimento nos céus

ANÚNCIO

Você não pode perder o espaço para grandes instantâneos, e aqui apresentamos não um, mas quatro novos.

Acima está o que poderia ser chamado de ametista cósmica. Usando o Observatório de raios-X Chandra da NASA, os astrônomos capturaram uma bolha de gás ultraquente no centro de uma estrela em extinção: uma nebulosa planetária a cerca de 7.800 anos-luz de distância em nossa galáxia chamada IC 4593.

ANÚNCIO

Esta imagem composta tem raios X de Chandra em roxo. A bolha vem de um gás que foi aquecido a mais de um milhão de graus. Essas altas temperaturas provavelmente foram geradas por material que explodiu do núcleo encolhido da estrela e se chocou com o gás que havia sido ejetado anteriormente pela estrela.

Esta imagem também contém dados de luz visível do Telescópio Espacial Hubble (rosa e verde). As regiões rosa na imagem do Hubble são a sobreposição da emissão do gás mais frio composto por uma combinação de nitrogênio, oxigênio e hidrogênio, enquanto a emissão verde é principalmente do nitrogênio.

Você pode ler a história na íntegra em um artigo nos Avisos Mensais da Royal Astronomical Society.

ANÚNCIO

Abaixo está um tratamento triplo, graças aos astrônomos que usam o Very Large Array (VLA) Karl G Jansky para aprender como um ambiente lotado afeta as galáxias no aglomerado de Perseus, uma coleção de milhares de galáxias a cerca de 240 milhões de anos-luz da Terra.

Cor e movimento nos céus
Foto: (reprodução/ internet)

Esquerda: A galáxia gigante NGC 1275, no centro do aglomerado, é vista em novos detalhes, incluindo uma riqueza recém-revelada de estrutura filamentar complexa em seus lóbulos de rádio.

Centro: Galaxy NGC 1265 mostra os efeitos de seu movimento através do material entre as galáxias. Seus jatos de rádio são dobrados para trás por essa interação e, em seguida, se fundem em uma única “cauda” ampla. A cauda então é dobrada ainda mais, possivelmente por movimentos dentro do material intergaláctico.

Direita: Os jatos da galáxia IC 310 também estão inclinados para trás, mas parecem mais próximos devido ao ângulo de visão da Terra. Esse ângulo também permite que os astrônomos observem diretamente os raios gama energéticos gerados perto do buraco negro supermassivo no centro da galáxia.

Leia Também:Injeções de proteínas nos testículos podem tratar a infertilidade masculina

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Cosmos Magazine 

ANÚNCIO