Megafauna lutou na floresta tropical

ANÚNCIO

No mundo dominado pela humanidade de hoje, o desmatamento desenfreado está levando muitas espécies do Sudeste Asiático à extinção. 

Mas, de acordo com uma pesquisa publicada na revista Nature, o oposto já ocorreu – conforme as florestas tropicais substituíram as pastagens há milhares de anos, a megafauna e os humanos antigos desapareceram.

ANÚNCIO

“O sudeste da Ásia é frequentemente esquecido nas discussões globais sobre extinções da megafauna”, diz o pesquisador principal Julien Louys, da Griffith University da Austrália, “mas já teve uma comunidade de mamíferos muito mais rica, cheia de gigantes agora extintos.”

Por quase um milhão de anos, a região que se estende desde o atual sul da China até Bornéu foi coberta por pastagens. Muitas espécies de megafauna prosperaram nesta paisagem muito diferente, incluindo hienas gigantes, bovinos semelhantes a búfalos e antílopes e duas espécies de elefantes antigos.

Mas nos últimos 100.000 anos, essas savanas começaram a recuar. No início do Holoceno, 11.700 anos atrás, eles foram substituídos pela densa e exuberante floresta tropical que vemos hoje.

ANÚNCIO

Este novo estudo, resultante de uma colaboração entre o Centro Australiano de Pesquisa para Evolução Humana de Griffith e o Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana (MPISSH) na Alemanha, mostra que a mudança ambiental significativa foi demais para muitas espécies lidar com: como os ambientes de savana desapareceram, assim como a megafauna.

“A modelagem dos principais sistemas climáticos dessa época sugere que foram as mudanças na duração e duração das eras glaciais que levaram ao ressurgimento da floresta tropical, à qual a megafauna estava mal adaptada”, explica Louys.

Espécies de humanos antigos – como o Homo erectus – também foram incapazes de se adaptar ao ambiente mais dinâmico da floresta e logo desapareceram.

“É apenas nossa espécie, Homo sapiens, que parece ter as habilidades necessárias para explorar e prosperar com sucesso em ambientes de floresta tropical”, disse Patrick Roberts do MPISSH.

O estudo analisou a composição química dos dentes de mamíferos contemporâneos e fósseis, olhando especificamente para isótopos estáveis ​​de carbono e oxigênio.

Gramíneas e árvores usam diferentes vias fotossintéticas, resultando em diferentes proporções de isótopos de carbono em seus tecidos”, explica Louys.

Da mesma forma, os isótopos de oxigênio nas plantas variam dependendo da evaporação e precipitação. Quando os mamíferos comem essas plantas, as diferentes proporções isotópicas são preservadas em seus dentes.

Megafauna lutou na floresta tropical
Foto: (reprodução/ internet)

“Ao examinar esses isótopos”, diz Louys, “somos capazes de determinar se eles comiam predominantemente gramíneas ou folhas e como eram as condições ambientais úmidas”.

Este método foi usado extensivamente para estudar o contexto ambiental da evolução humana na África, mas raramente no Sudeste Asiático. Esta nova pesquisa agora criou o maior conjunto de dados de isótopos estáveis ​​para mamíferos fósseis na região.

Louys e Roberts coletaram dados de sítios fósseis que abrangem os últimos 2,6 milhões de anos, depois compararam os resultados com centenas de medições de linha de base de mamíferos modernos do sudeste asiático.

Isso permitiu que examinassem as principais tendências nos ambientes usados ​​pela megafauna e determinassem que as mudanças ambientais foram o principal fator de extinção.

“Isso contrasta com a maioria das hipóteses de extinção da megafauna, que sugerem que os humanos modernos são a principal causa das extinções”, diz Louys.

De acordo com o antropólogo biológico Michael Knapp, que não esteve envolvido na pesquisa, o estudo apresenta um argumento convincente ao combinar várias linhas de evidência, incluindo a distribuição e população de inúmeras espécies de mamíferos.

Reunir vários tipos diferentes de dados é o caminho a seguir para reconstruir ambientes passados ​​e entender como eles influenciaram a migração e a evolução humanas”, diz Knapp, que trabalha na Universidade de Otago, na Nova Zelândia.

Mas, embora essas extinções passadas pareçam ter sido causadas por um ambiente em mudança, e não pelos humanos, não estamos fora de perigo.

Os humanos agora pretendem limpar a mesma floresta tropical que nos permitiu nos tornar o único hominídeo sobrevivente no sudeste da Ásia, colocando em perigo espécies como elefantes, tigres, orangotangos, leopardos e rinocerontes.

“Corremos o risco de perder parte da última megafauna que ainda anda pela Terra”, diz Louys.

O Sudeste Asiático está enfrentando uma crise de biodiversidade, avisa Alice Catherine Hughes, uma cientista conservacionista da Academia Chinesa de Ciências. “A região tem uma proporção maior de mamíferos e pássaros ameaçados do que quase qualquer outra região.”

A perda dramática da floresta – especialmente para a produção de óleo de palma e borracha – significa que muitas espécies têm populações cada vez mais pequenas e fragmentadas e, portanto, mais vulneráveis ​​à caça, exportação ilegal de vida selvagem e, em última instância, à extinção.

“Apesar dos compromissos para melhor conservar a diversidade única da região, não observamos quedas nas taxas de desmatamento”, diz Hughes.

Para impedir isso, ela diz que intervenções dramáticas são necessárias – incluindo melhores certificações para borracha e óleo de palma, avaliações abrangentes de impacto ambiental para novos empreendimentos e esquemas para garantir que árvores nativas sejam plantadas como parte das metas climáticas.

Se nenhuma ação for tomada, corremos o risco de destruir esses ecossistemas para sempre, conforme destacado pelo contexto de longo prazo da pesquisa de Louys e Roberts.

Ironicamente, os humanos agora têm a perigosa capacidade de reverter as vastas mudanças do ecossistema dos últimos 100.000 anos. 

Outro artigo publicado esta semana mostra que a pressão combinada da crise climática e da exploração madeireira está empurrando a Amazônia para um ponto de inflexão – e pode em breve mudar de floresta tropical para pastagens abertas.

Leia Também:Injeções de proteínas nos testículos podem tratar a infertilidade masculina

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Cosmos Magazine 

ANÚNCIO