Metade dos átomos dentro do seu corpo veio de todo o universo

ANÚNCIO

Metade dos átomos que compõem tudo ao seu redor são intrusos intergalácticos. Grandes galáxias como a nossa Via Láctea acumularam metade de sua matéria de aglomerados de estrelas vizinhas a até um milhão de anos-luz de distância, de acordo com uma nova simulação.

Não percebemos quanto da massa nas galáxias semelhantes à Via Láctea de hoje foi realmente ‘roubada’ dos ventos de outras galáxias”, diz o autor correspondente Claude-André Faucher-Giguère da Northwestern University em Illinois

ANÚNCIO

O roubo ocorre após uma morte. Quando algumas estrelas chegam ao final de sua vida, acabam se tornando supernovas e massivas, lançando gás em alta velocidade para o universo. A matéria nessas ejeções é captada por ventos galácticos, fluxos de partículas carregadas alimentadas pela explosão de supernovas.

Antes, pensava-se que os ventos galácticos não podiam ser a fonte de muita transferência de matéria intergaláctica porque não eram poderosos o suficiente para cruzar as vastas distâncias que separam as galáxias vizinhas. Acontece que eles são mais fortes do que pensávamos.

Presumimos que os ventos estivessem confinados às galáxias de onde vieram – que eles poderiam se reciclar caindo de volta na galáxia que os ejetou, mas não transferindo muita massa de uma galáxia para outra”, diz Faucher-Giguère.

ANÚNCIO

Ao longo da vida de uma galáxia, ela trocará matéria continuamente com seus vizinhos e a jornada entre uma galáxia e outra pode levar de várias centenas de milhões a 2 bilhões de anos, diz ele.

Em todo o universo

Usando modelos 3D da evolução da galáxia, Faucher-Giguère e seu co-autor Daniel Anglés-Alcázar simularam o caminho que a matéria dentro das galáxias teria percorrido pelo universo desde o big bang até hoje. Simulações mais precisas de supernovas revelaram que os ventos galácticos moviam a matéria mais rápido do que se pensava.

Eles descobriram que em galáxias com 100 bilhões de estrelas ou mais, os ventos galácticos realmente transportavam cerca de 50 por cento da matéria presente hoje.

Os ventos galácticos como um modo de transferência foram subestimados”, disse Jessica Werk, da Universidade de Washington em Seattle. “Daniel Anglés-Alcázar usa uma das melhores simulações para fazer uma análise detalhada do rastreamento de partículas e realmente explicou tudo para nós.

Faucher-Giguère e Anglés-Alcázar descobriram que para galáxias maiores como a nossa, esta Corrente do Golfo intergaláctica é o principal contribuinte para seu crescimento, permitindo-lhes arrebatar matéria de suas contrapartes menores.

A transferência intergaláctica de matéria é menos crucial para o crescimento de galáxias menores, que dependem mais dos ventos galácticos locais para manter qualquer matéria que possa ser ejetada de supernovas em seu sistema.

Faucher-Giguère acredita que a Via Láctea recebe sua matéria das pequenas e grandes nuvens de Magalhães próximas, duas galáxias anãs entre 160.000 e 200.000 anos-luz de distância.

Werk diz que rastrear o fluxo de matéria desde a origem do universo até os dias atuais e entender onde estão os átomos que compõem o ar que respiramos e a água que bebemos é um dos principais problemas da astrofísica.

“É um dos santo graal da cosmologia extra-galáctica”, diz ela. “Agora, descobrimos que metade desses átomos vêm de fora de nossa galáxia.”

Leia também: A ciência prova que você realmente soa melhor quando canta no chuveiro

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: New Scientist

ANÚNCIO