Mulher de Detroit quase é embalsamada enquanto ainda estava viva

ANÚNCIO

Os paramédicos foram chamados à casa de Timesha Beauchamp porque ela não estava respondendo. Eles passaram meia hora tentando reanimá-la sob a consulta de um médico do pronto-socorro.

Foi aquele médico que declarou Beauchamp, “falecido com base nas informações médicas fornecidas“. Nenhuma palavra sobre o que era aquela informação médica, mas parecia que estava simplesmente errada. Incorreta. Não está certo.

ANÚNCIO

Os olhos dela estavam abertos

Sabemos disso porque quando Beauchamp chegou à casa funerária James H. Cole, mais de uma hora depois, em um saco de cadáver, ela ainda estava viva. Seus olhos estavam fixos quando a equipe abriu o zíper do saco para cadáveres em um cenário de pesadelo duplo, provavelmente dando a eles o susto de uma vida.

Eles teriam drenado o sangue dela para ser muito, muito franco sobre isso”, disse Geoffrey Fieger, contratado pela família Beauchamp para cuidar da bagunça.

Há uma longa história de pessoas em pânico que se preocupam em ser enterradas vivas. Os “caixões de segurança” eram populares nos séculos 18 e 19, antes do embalsamamento.

ANÚNCIO

Eles tinham mecanismos para ajudar as pessoas enterradas prematuramente a permanecer vivas. Dispositivos de segurança permitiam que a pessoa viva, mas sepultada, sinalizasse para a superfície que estava consciente. Um modelo apresentava um periscópio de dupla finalidade. Primeiro, ele deixou o ar entrar no caixão. E o ocupante poderia ligá-lo para informar um infeliz transeunte que algo estava acontecendo no subsolo.

Philomele Jonetre “morreu” na França do século 19 de cólera. Os coveiros tinham acabado de encher seu túmulo quando ouviram um som fraco de batidas vindo do chão. Mostrando alguma iniciativa real, eles desfizeram todo o seu trabalho árduo e cavaram a nova cova. Com certeza, Jonetre teve batimentos cardíacos e ferimentos nas mãos por bater no interior do caixão. Ela faleceu no dia seguinte, ou de cólera ou do estresse de ser enterrada viva.

Todos se sentem terríveis

Timesha Beauchamp se encontra em estado crítico no Detroit Medical Center. Há uma investigação em andamento para determinar se o acidente foi devido à negligência dos paramédicos ou possivelmente à rara Síndrome de Lázaro. A síndrome recebeu o nome da história bíblica de Lázaro, que Jesus trouxe de volta à vida. Em pacientes com Síndrome de Lázaro, há um atraso no retorno da circulação da RCP.

Isso é uma coisa terrível e trágica”, disse o chefe dos bombeiros Johnny Menifee, “nos sentimos muito mal por isso. Como eu disse, a cidade inteira se sente muito mal com isso.

Leiam também: Uma banana é vendida por cerca de R$ 630.000,00

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Oddee

ANÚNCIO