O vison eliminado ressuscita dos mortos para o horror da Dinamarca

Visons mortos estão se levantando de seus túmulos na Dinamarca depois que um abate apressado por temores de uma mutação do corona vírus fez com que milhares fossem abatidos e enterrados em fossas rasas – de onde algumas estão emergindo.

Conforme os corpos se decompõem, gases podem se formar”, disse Thomas Kristensen, porta-voz da polícia nacional, à emissora estadual DR. “Isso faz com que a coisa toda se expanda um pouco. Desta forma, nos piores casos, o vison é empurrado para fora do chão.

A polícia na Jutlândia Ocidental, onde vários milhares de visons foram enterrados em uma vala comum em um campo de treinamento militar, tentou conter o fenômeno macabro colocando terra extra em cima dos cadáveres, que estão em uma trincheira de 1 metro de profundidade.

“Este é um processo natural”, disse Kristensen. “Infelizmente, um metro de solo não é apenas um metro de solo – depende do tipo de solo. O problema é que o solo arenoso da Jutlândia Ocidental é muito leve. Então, tivemos que colocar mais solo no topo. ”

Para aumentar a preocupação popular, a mídia local informou que os animais também podem ter sido enterrados muito perto de lagos e reservas de água subterrâneas, gerando temores de possível contaminação do solo e do abastecimento de água potável.

“Parece que ninguém realmente sabe as consequências disso”, disse Susan Münster, do conselho dinamarquês da água, ao Jyllands Posten. “Devo confessar que acho isso preocupante.” Pelo menos dois prefeitos locais exigiram que o vison fosse desenterrado e incinerado, disse Münster.

Um político local, Leif Brogger, disse ao jornal: “As autoridades estão brincando com nosso meio ambiente e usando-o como depósito de lixo”.

Fotos e vídeos dos corpos emergentes agitaram as mídias sociais na Dinamarca, com um usuário do Twitter chamando 2020 de “o ano do vison assassino mutante zumbi” e outro chamando a população para “correr … Os visons estão vindo atrás de você”.

Consequências futuras

An aerial view shows thousands of killed mink being buried in a field outside the western town of Holstebro.
Foto: (reprodução/ internet)

O Ministério do Meio Ambiente dinamarquês disse que o fenômeno era um “problema temporário ligado ao processo de decomposição”, acrescentando que a área seria monitorada 24 horas por dia até que uma cerca fosse colocada “para evitar problemas potenciais para animais e humanos”.

Kristensen disse que há apenas um pequeno risco para os humanos devido aos corpos em decomposição, que são desinfetados e cobertos com cal antes de serem enterrados, porque o vírus foi transmitido principalmente por visons vivos que o exalaram no ar.

Era possível, no entanto, que “pequenas quantidades de bactérias ainda possam ficar presas em seus pelos”, disse ele, acrescentando que “nunca é saudável chegar perto de animais mortos, portanto, é claro que isso é algo para ficar longe” .

A Dinamarca, o maior exportador mundial de pele de vison, anunciou no início de novembro que abateria os mais de 15 milhões de visons do país depois de descobrir uma versão mutante do vírus que poderia ter prejudicado a eficácia de vacinas futuras.

Duas semanas depois, e em meio a uma crise política sobre a legalidade de seu decreto, o governo concluiu que a ameaça às vacinas humanas havia “muito provavelmente sido extinta” na ausência de quaisquer outros casos da versão mutada.

Os agricultores de visons do país já abateram mais de 10 milhões de visons, de acordo com a última contagem.

O vison eliminado ressuscita dos mortos para o horror da Dinamarca

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: The Guardian