Um protesto com hologramas?

ANÚNCIO

Milhares de pessoas marcharam diante de um prédio do parlamento espanhol em Madri em abril de 2015 para protestar contra uma lei que, segundo eles, ameaça as liberdades civis.

Mas nenhum deles estava realmente lá

Os manifestantes estavam participando do que os organizadores descreveram como o primeiro protesto de holograma do mundo.

ANÚNCIO

Eles usaram equipamentos para projetar as formas holográficas dos manifestantes em frente ao Congresso dos Deputados, a câmara baixa do parlamento nacional, por cerca de uma hora na noite de sexta-feira.

Mas a demonstração fantasmagórica foi mais do que apenas um golpe tecnológico. Ele também destacou algumas das restrições na nova Lei de Segurança do Cidadão, que os críticos apelidaram de “Lei da Mordaça“.

Um protesto com hologramas?
Foto: (reprodução/ internet)

“Nosso protesto com hologramas é irônico“, disse o porta-voz Carlos Escano, segundo o jornal espanhol El Mundo. “Com as restrições que estamos sofrendo em nossas liberdades de associação e reunião pacífica, a última opção que nos restará no final será protestar por meio de nossos hologramas”.

ANÚNCIO

A lei transforma ‘um direito em uma ofensa’

Os manifestantes corriam risco de uma série de punições, dependendo das circunstâncias. Eles incluem uma possível multa de 30.000 euros por protestar em frente ao Congresso ou outros prédios do parlamento, de acordo com o texto da lei, que foi publicado em março.

A lei “restringe as liberdades dos cidadãos e criminaliza seu direito de protestar“, dizem os organizadores da demonstração do holograma, “transformando um direito em um crime pelo qual você pode ser perseguido, detido e julgado”.

Para desafiar a legislação aprovada pelo Partido Popular do governo, os ativistas convocaram pessoas de todo o mundo a se voluntariarem para se tornarem um holograma no protesto. Os apoiadores puderam participar nas semanas que antecederam o protesto, permitindo que uma webcam filmasse seu rosto através do site da campanha.

O movimento contra as mudanças na lei, batizado de “Não somos crime”, reúne mais de 100 organizações diferentes.

Leia Também:Injeções de proteínas nos testículos podem tratar a infertilidade masculina

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: CNN

ANÚNCIO