Viajar no Japão com deficiência visual

ANÚNCIO

Por Cristina Hartmann

Minhas duas semanas e meia no Japão como alguém com deficiência visual e auditiva me deixaram pasmo – no bom sentido. Meu tempo em Tóquio, a megalópole para acabar com todas as megalópoles, e Sapporo, a maior cidade da ilha de Hokkaido no norte do Japão, me mostrou como diferentes países lidam com pessoas com deficiência visual.

ANÚNCIO

O Japão foi a última parada da minha viagem ao redor do mundo de 4 meses. Dos 15 países que visitei, o Japão tinha a infraestrutura mais acessível de qualquer país em que já estive, incluindo o meu, os Estados Unidos.

O recurso de acessibilidade mais notável para os deficientes visuais são as faixas amarelas táteis que servem como linhas de orientação em quase todos os principais locais públicos, como estações de metrô, calçadas em Tóquio e alguns shoppings internos.

 Eles servem a um propósito duplo. Primeiro, ele permite que você e outras pessoas fiquem do lado esquerdo enquanto se movem em espaços lotados e movimentados. (No Japão, você fica à esquerda, não à direita.)

ANÚNCIO

Em segundo lugar, essas linhas levam você a lugares importantes, como quiosques de passagens e saídas. Eles são mais úteis se você realmente sabe para onde está indo, ao contrário da maioria dos turistas. Faixas de saliências táteis também precedem muitas das escadas e escadas rolantes, o que é bom porque há muitas, especialmente em uma grande estação de metrô de Tóquio.

Eu achei esses recursos incrivelmente úteis e não pude deixar de me perguntar por que meu próprio país quase nunca os implementa. Eles são fáceis de instalar, não são obstrutivos e úteis para todos, não apenas para os deficientes visuais.

Viajar no Japão com deficiência visual
Foto: (reprodução/ internet)
 

Isso não significa, no entanto, que os recursos de acessibilidade compensem o quão confusas as cidades japonesas mais antigas, como Tóquio, podem ser. Nem as estradas nem a estação de metrô seguem um sistema de grade, portanto, ser um turista confuso nessas cidades é um dado adquirido.

Estações de metrô

 As labirínticas estações de metrô de Tóquio são difíceis para qualquer estrangeiro navegar devido à falta de sinalização em inglês e às múltiplas saídas e entradas. A hora do rush é particularmente difícil, pois o espaço se torna um bem precioso. 

Mesmo que os japoneses sejam geralmente educados e abram espaço para você, às vezes não há espaço para ser feito. Não há barreiras de segurança entre as pistas e as plataformas, portanto, os deficientes visuais devem ter cautela redobrada na hora do rush.

 Esses lugares podem ser desorientadores e totalmente confusos, apesar das faixas táteis. (Nota para os visitantes: você pode pedir ajuda em qualquer estação, mas eles podem não necessariamente falar muito inglês.)

Viajar no Japão com deficiência visual
Foto: (reprodução/ internet)
 

Achei Sapporo mais calma e fácil de navegar, pois é uma das únicas cidades japonesas com sistema de grade. O sistema de metrô de lá é mais novo e mais espaçoso do que o de Tóquio, tornando-o um passeio mais acessível e suave. Fui lá durante o inverno, então neve e gelo eram inevitáveis, embora me tenham dito que Hokkaido é adorável durante os verões.

Outros pequenos recursos de acessibilidade úteis para deficientes visuais surgiram durante minha visita. Um deles era braille em latas de cerveja. O braille geralmente diz simplesmente “álcool”, mas às vezes soletra o nome do fabricante. Infelizmente, isso foi pouco útil para mim, já que não conheço braille japonês.

Outro problema que encontrei (ou melhor, minha bengala branca encontrou) foi o genkan, a área de entrada que marca a transição entre o exterior e o interior – em outras palavras, onde você tira os sapatos para entrar. 

Um dos principais motivos para esse costume é evitar que os sapatos para uso externo sujem o interior. Minha bengala branca está realmente muito suja – já que sua ponta está sempre no chão – mas eu também precisava dela para navegar em um ambiente desconhecido. Acabei tendo que fazer uma das duas opções. 

Se houvesse lenços umedecidos, eu esfregaria a ponta o melhor que pudesse. Se lenços umedecidos não estivessem disponíveis, eu navegaria pelos espaços internos por conta própria, o que era relativamente fácil, já que as casas japonesas geralmente são escassamente mobiliadas e simplesmente dispostas Terei que me lembrar de trazer meus próprios lenços da próxima vez!

Visitar o Japão me deixou cara a cara com uma nova cultura e pessoas maravilhosas. Os poucos recursos de acessibilidade embutidos nas ruas do Japão tornaram o que já era uma experiência maravilhosa ainda melhor.

Leia Também:Injeções de proteínas nos testículos podem tratar a infertilidade masculina

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Acessible Japan

ANÚNCIO