A inteligência é importante para periquitos fêmeas na hora de encontrar um parceiro

ANÚNCIO

A sobrevivência do mais apto” não consegue explicar todas as características dos animais.

Pegue os padrões de cores vivas ou o canto dos pássaros, por exemplo. No mínimo, eles deveriam tornar os animais uma presa mais óbvia. No entanto, há outra explicação para cores ostentosas e canto alto. As preferências de acasalamento das fêmeas são um motor essencial da evolução, e um artigo recente revelou a primeira ligação direta (em uma espécie não humana) entre a preferência de acasalamento das fêmeas e a inteligência.

ANÚNCIO

De acordo com a pesquisa, publicada na revista Science, periquitos fêmeas (ou periquitos), pequenos papagaios coloridos nativos da Austrália, preferem passar o tempo com machos que podem resolver quebra-cabeças. Esta evidência de que as aves fêmeas podem avaliar a inteligência masculina ao selecionar parceiros confirma uma importante hipótese que Charles Darwin fez quando propôs pela primeira vez a teoria da evolução.

Produzir bebês e cuidar deles requer muito tempo e energia, especialmente para as fêmeas (pelo menos na maioria das espécies), por isso é do seu interesse encontrar um parceiro que ajude a produzir os melhores descendentes possíveis.

As fêmeas podem usar dicas como canções complexas e cores de penas para ver o quão saudável, inteligente e bem alimentado é um parceiro em potencial, indicando que ele tem mais probabilidade de ter filhos saudáveis, inteligentes e bem alimentados.

ANÚNCIO

Ao longo das gerações, isso levará a animais com penas mais brilhantes e canções melhores, já que os melhores pássaros terão mais descendentes que herdarão seus traços atrativos e continuarão a transmiti-los.

O erro de Darwin

Essa ideia, que Charles Darwin chamou de seleção intersexual ou escolha de parceiro. é um dos principais motores da evolução e pode explicar alguns dos traços mais impressionantes do reino animal, desde penas de pavão a crinas de leões e aranhas dançantes.

O traço mais impressionante em que pode ter desempenhado um papel, entretanto, é na evolução da inteligência. Darwin pensou que isso era muito provável porque parceiros inteligentes poderiam cuidar melhor de seus parceiros e filhos, e porque o cérebro é tão complexo que qualquer problema genético ou de desenvolvimento pode ser aparente na capacidade do cérebro de funcionar.

Uma peça central que estava faltando na ideia de Darwin, no entanto, era a prova de que os animais realmente preferem parceiros mais inteligentes – isto é, até agora.

Essa ideia de que as fêmeas preferem parceiros mais inteligentes parece simples, mas é bastante desafiadora testá-la por uma série de razões. Primeiro, é difícil para nós, humanos, comparar a inteligência de diferentes animais; todas as espécies têm diferentes tipos de tarefas nas quais se destacam, portanto, precisamos de testes especialmente adaptados para cada espécie.

Em segundo lugar, mesmo que possamos dizer que um certo macho é mais inteligente do que outro, é difícil dizer se essa inteligência é o que uma fêmea está baseando em suas decisões de acasalamento.

Como testar a inteligência de um periquito?

O novo estudo, conduzido por pesquisadores da Universidade de Leiden na Holanda e da Academia Chinesa de Ciências, apresentou uma solução engenhosa para ambas as questões; em vez de apenas tentar encontrar pássaros mais espertos ou mais burros, os cientistas treinaram pássaros para resolver uma “caixa quebra-cabeça” para obter comida, uma habilidade que os pássaros poderiam então mostrar às fêmeas.

Primeiro, eles mostraram a um periquito fêmea dois periquitos diferentes do sexo masculino e olharam com quem ela passava mais tempo como uma forma de dizer de quem ela gostava mais.

Então eles pegaram seu macho menos preferido e o treinaram para resolver o quebra-cabeça. Poucos dias depois, a fêmea podia assistir a sua luta masculina favorita e não conseguir resolver o quebra-cabeça enquanto seu homem antes menos preferido o resolvia.

Quando eles testaram sua preferência novamente após a demonstração, ela passou mais tempo com o solucionador de quebra-cabeças. Isso mostra que a solução do quebra-cabeça, especificamente, foi o que a fez mudar de ideia.

Eles também testaram fêmeas em uma versão deste experimento onde ela podia ver seu macho menos preferido comendo sementes sem ter que resolver nenhum quebra-cabeça enquanto seu macho preferido não obtinha nenhuma semente.

Sem o componente de caixa de quebra-cabeça, isso não mudou a mente da fêmea, sugerindo que ela não estava apenas prestando atenção em quem estava comendo, ela estava prestando atenção em como eles obtinham as sementes.

Para ter certeza de que essa preferência era uma preferência de acasalamento e não apenas simpatia ou curiosidade por parte da fêmea, eles também testaram sua preferência com uma dupla de manifestantes; a fêmea do teste não foi influenciada pela resolução de quebra-cabeças nesta situação, sugerindo que ela está especificamente interessada nas habilidades de resolução de quebra-cabeças de parceiros em potencial.

Infelizmente, isso ainda não exclui a possibilidade de que o homem que resolveu o quebra-cabeça não exibiu alguma outra habilidade (como força para levantar a tampa na etapa final) que balançou a mulher, ao invés de inteligência. Dito isso, esta é a melhor evidência até agora de que animais não humanos preferem parceiros mais inteligentes.

Armado com o conhecimento de que periquitos fêmeas preferem companheiros inteligentes, existem mais algumas perguntas-chave para responder a fim de completar nosso entendimento da teoria da escolha do companheiro de Darwin.

Precisamos de evidências de que parceiros mais inteligentes são realmente melhores, e que as fêmeas baseiam as decisões de acasalamento na inteligência dos machos na natureza.

Vários estudos mostraram que diferentes características ligadas à inteligência (como o tamanho do cérebro) podem ser transmitidas geneticamente, o que dá suporte à primeira ideia restante. Mais estudos são necessários em diferentes espécies, tanto em ambientes controlados de laboratório quanto na natureza, para avaliar até que ponto a escolha do parceiro e a inteligência estão ligadas em um contexto mais amplo.

Leia também: Como um peixe elétrico consegue sua carga?

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante

Fonte: Massive science

ANÚNCIO