A invasão implacável do sapo-cururu continua

ANÚNCIO

Quando as pessoas dizem que amam todas as criaturas, grandes e pequenas, com certeza não estão pensando no sapo-cururu verrugoso e venenoso que tem causado estragos na Austrália tropical desde sua introdução malfadada.

Fica pior. Os sapos feios (Rhinella marina) estão evoluindo aos trancos e barrancos de acordo com cientistas que observaram mais de perto seus corpos e movimentos.

ANÚNCIO

Uma marca registrada de espécies invasoras bem-sucedidas – uma das maiores ameaças aos ecossistemas e à biodiversidade do mundo – é sua capacidade de se adaptar e se espalhar rapidamente sem os controles e equilíbrios de seu ambiente nativo.

Sapos-cururu não são exceção. Eles foram trazidos de Porto Rico e Havaí para Queensland em meados da década de 1930, apesar dos protestos de cientistas e naturalistas, para comer besouros que danificaram as plantações de cana-de-açúcar e, desde então, se espalharam como um incêndio.

Pesquisadores australianos descobriram agora que aqueles na linha de frente evoluíram para se mover de forma diferente e, assim, fortalecer sua invasão, conforme relatado na revista Proceedings of the Royal Society B.

ANÚNCIO

O estudo mostra “há uma ligação definitiva entre o desempenho locomotor aprimorado e as diferentes formas corporais que vemos na invasão dos sapos-cururus”, diz a coautora Marta Vidal García, da Australian National University.

“Embora possa parecer óbvio, nunca foi realmente provado antes.”

Isso explica por que os sapos-cururus são tão bem-sucedidos como espécie invasora, acrescenta ela, e se dispersam substancialmente mais rápido em menos de 100 anos do que seria esperado em um cenário evolutivo típico.

O autor principal Cameron Hudson, da Universidade de Sydney, e seus colegas usaram vídeos de alta velocidade para medir a distância, altura, velocidade e ângulos de decolagem e aterrissagem de sapos de populações que ficaram em casa ou estão na frente de invasão.

A invasão implacável do sapo-cururu continua
Foto: (reprodução/ internet)

Eles testaram 195 sapos adultos capturados na natureza em quatro frentes de invasão e três populações de 137 indivíduos em cativeiro.

Nos testes de salto e pista, as criaturas foram cutucadas com uma vara romba para encorajá-las a pular. Os que obedeceram tiveram seu tempo e número de lúpulos registrados e características morfológicas medidas.

Os resultados mostraram que sapos que se dispersaram mais tinham ossos dos membros mais longos, pés traseiros maiores e pés dianteiros menores em relação ao comprimento do corpo, e essas mudanças foram correlacionadas com seus movimentos.

 Suas direções também eram mais consistentes, com menos meandros. Aqueles que não tinham viajado eram mais parecidos com seus ancestrais sul-americanos.

“Em suma, as características relevantes para a dispersão mudaram profundamente durante a invasão australiana dos sapos”, escrevem Hudson e colegas.

Seu estudo se soma ao trabalho anterior, mostrando mudanças na fisiologia e direção proposital dos sapos-cururus, maior ousadia e comportamentos de risco.

Ambos os estudos trazem más notícias – seus bebês herdam essas novas adaptações

A invasão implacável do sapo-cururu continua
Foto: (reprodução/ internet)

Movimentos aprimorados dão às espécies várias vantagens. Ao se dispersar mais rapidamente, eles podem capturar presas e escapar de predadores com mais eficiência, acessar novos recursos e escapar da competição.

O novo estudo reforça as teorias de que as espécies invasoras desenvolvem recursos para melhorar sua locomoção.

Acredita-se que os arganazes evoluíram com pés mais longos para nadar com mais eficiência e alcançar as remotas ilhas suecas, por exemplo, enquanto os grilos selvagens invasores na linha de frente da Grã-Bretanha têm asas maiores, o que se acredita ter melhorado sua capacidade de voo.

 Mesmo os pinheiros invasores têm sementes mais leves que podem ajudá-los a viajar mais com o vento.

No que diz respeito aos sapos-cururus, o estudo confirma que eles “evoluíram rapidamente durante a invasão australiana – eles agora se movem de maneira a torná-los melhores na cobertura de longas distâncias”, diz o autor sênior Rick Shine.

“Como resultado, os sapos são capazes de invadir novas áreas em uma velocidade cada vez maior.”

Leia Também:Injeções de proteínas nos testículos podem tratar a infertilidade masculina

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Cosmos

ANÚNCIO