A migração de andorinhas leva as aves ao caminho dos furacões

ANÚNCIO

A temporada de furacões começou oficialmente no Atlântico Norte, e não são apenas as comunidades costeiras que precisam se preocupar. Uma população de gaivotas fuliginosas na ponta sudoeste da Flórida também pode querer se preocupar. 

Dependendo de quando e onde ocorrerem as tempestades, as andorinhas-do-mar podem passar por um período difícil. Sua rota migratória se sobrepõe ao caminho geral dos furacões que viajam das águas da África até os Estados Unidos, descobriu um novo estudo.

ANÚNCIO

Sooty andorinhas podem ser encontradas em todo o mundo. Mas os que nidificam no Parque Nacional Dry Tortugas, a oeste de Key West, estão entre os mais conhecidos. As aves foram objeto de um estudo de longo prazo iniciado em 1959 e de outros estudos que remontam ao início do século XX. 

Esses estudos revelaram muito sobre o crescimento e o comportamento das aves, mas não muito sobre a migração das andorinhas-do-mar.

A migração de andorinhas leva as aves ao caminho dos furacões
Foto: (reprodução/ internet)

Em 2011, Stuart Pimm, ecologista da Duke University, e colegas conectaram geo-localizadores a 25 andorinhas-do-mar fuliginosas. Um geolocalização é “um dispositivo extremamente estúpido”, diz Pimm. 

ANÚNCIO

Ele simplesmente registra a intensidade do brilho a cada 12 minutos. A partir dessas informações, os pesquisadores podem determinar o nascer e o pôr do sol de um dia para o outro – e, portanto, aproximar a localização dos pássaros. 

Mas eles precisam recuperar os dispositivos para obter os dados. Isso significava encontrar aqueles 25 pássaros em uma população de 80.000.

Os pesquisadores conseguiram encontrar dois

Mas esses dois pássaros tinham alguns dados notáveis. Os geolocalização registraram que as aves experimentaram um dia de 12 horas em dezembro, compensado por cinco horas da Flórida. Isso significava que eles estavam voando em algum lugar ao redor do equador e se dirigiam à África.

Mas talvez esses dois pássaros fossem discrepantes. Então, em 2014, o grupo de Pimm recebeu uma tecnologia mais sofisticada que poderia transmitir a localização de um pássaro. 

A nova tecnologia também era muito mais cara, de modo que os cientistas conseguiram rastrear apenas cinco pássaros. Mas os pesquisadores também não tiveram que esperar um ano para obter os dados – ou pesquisar as aves entre uma população de milhares.

Eu levantava todos os dias e verificava onde os pássaros estavam”, lembra Pimm.

Pelo menos algumas das andorinhas voavam para o sul pelo Caribe, sudeste ao longo da costa da América do Sul e depois para o meio do Atlântico, onde passaram o inverno, informou a equipe em 10 de maio em PeerJ.

A migração de andorinhas leva as aves ao caminho dos furacões
Foto: (reprodução/ internet)

É um caminho que leva os pássaros direto até o beco do furacão pelo caminho mais longo, observa Pimm.

Os pesquisadores então aproveitaram todas essas décadas de anilhas de pássaros. Eles compararam relatórios históricos de 1960 a 1980 de andorinhas-do-mar naufragadas (ou seja, mortas) com fuligem com tempestades tropicais e furacões. 

Em alguns anos, os pássaros estavam bem, mas, diz Pimm, “em alguns anos eles são absolutamente abatidos”. Se uma tempestade cair no lugar errado e na hora errada, os pássaros estão sem sorte. Mesmo que consigam sobreviver a ventos fortes e chuvas fortes, podem ser levados para longe. 

O furacão Camille, por exemplo, levou uma pobre andorinha-do-mar fuliginosa aos Grandes Lagos em 1969.

Em alguns anos, os furacões podem destruir uma pequena parte da população de andorinhas-do-mar fuliginosas, mas não parece ser suficiente para causar grandes declínios. Pimm se preocupa, porém, com o que pode acontecer no futuro. 

Ainda não está claro como a mudança climática pode mudar a gravidade ou a frequência dos furacões – e assim afetar as andorinhas do mar – mas é algo para ficar de olho, diz Pimm.

Leia Também:Conheça NARWHAL, O Cachorro “Unicórnio”

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Science News

ANÚNCIO