Ardi e seus descobridores agitam a evolução dos hominídeos em ‘Fossil Men’

ANÚNCIO

Ela é o hominídeo fóssil mais controverso, que desafia as convenções e parece mais estranho já encontrado. 

Apropriadamente, o grupo que descobriu esta fêmea adulta de 4,4 milhões de anos, apelidada de Ardi, inclui os caçadores de fósseis e analistas de ossos mais controversos e que desafiam as convenções (e alguns diriam os mais estranhos) que já lutaram com o quebra-cabeça de como os humanos e nossos ancestrais evoluíram.

ANÚNCIO

Em Fossil Men, o jornalista Kermit Pattison conta histórias intrigantes dos cientistas Ardi e como eles desafiaram as visões populares da evolução dos hominídeos. 

Muitos incidentes no livro mostram a coragem e a determinação necessárias para encontrar e escavar Ardi na remota área de Awash na Etiópia, onde grupos nômades locais estão propensos a atirar em estranhos. Pattison também examina como o esqueleto de Ardi a torna um achado único.

No centro desse espetáculo ancestral está o líder da equipe Tim White, um paleoantropólogo da Universidade da Califórnia, em Berkeley. Um exigente e intenso capataz em campo, White tem uma reputação arduamente conquistada como um dos maiores caçadores de fósseis de todos os tempos. 

ANÚNCIO

Pattison descreve White como tendo olhos notavelmente aguçados para avaliar ossos fósseis e um talento especial para derrubadas brutais e sarcásticas de argumentos evolucionários (e cientistas) que ele considera deficientes. 

Em uma revisão publicada do livro de um eminente antropólogo alegando que a evolução dos hominídeos incluía muitas espécies, White o chamou de um provedor de “pontificação paleoantropológica politicamente correta” que não atingiu o nível de ficção, como O clã do urso das cavernas. 

Não surpreendentemente, White acumulou inimigos científicos desde o início dos anos 1970, quando trabalhou com membros da família Leakey, caçadora de fósseis, na África. Ele leva sua infâmia profissional na esportiva.

Depois de ajudar a estudar e classificar o famoso esqueleto parcial de Lucy após sua descoberta em 1974, a amizade de White com o descobridor de Lucy, Donald Johanson, acabou, assim como seu relacionamento com os Leakeys. 

White então assumiu uma posição em Berkeley em 1977, onde juntou forças com o arqueólogo J. Desmond Clark para caçar fósseis de hominídeos no Médio Awash. Lá, os restos mortais mais velhos do que Lucy, de 3,2 milhões de anos, provavelmente estavam esperando

Clark recrutou Berhane Asfaw da Etiópia para o programa de pós-graduação em antropologia de Berkeley, o primeiro de uma série de etíopes que a equipe de Ardi treinou como paleoantropólogos. Asfaw juntou-se às expedições fósseis lideradas por White e dirigiu um museu etíope que agora abriga Ardi.

Pattison relata um momento crucial no campo quando a equipe encontrou um homem chamado Gadi, um guerreiro corcunda, armado e armado, de uma tribo local chamada Afar. 

White fez amizade com Gadi, que se tornou uma força de segurança de um homem só para os pesquisadores. Em 1993, foi Gadi quem percebeu um dente no chão que foi o primeiro de 10 dentes que a equipe encontrou do mesmo indivíduo hominídeo. Essas pistas levaram à identificação de uma nova espécie, Ardipithecus ramidus.

Desenterrando 

Os primeiros pedaços do esqueleto parcial de Ardi – incluindo grande parte do crânio, mãos, membros e pélvis – foram encontrados no ano seguinte, cerca de 100 quilômetros ao sul de onde Lucy havia sido desenterrada. 

Pattison usa anedotas de campo, colhidas em entrevistas e no tesouro de vídeos e fotos de White em anos de trabalho de campo, para descrever os perigos e rigores dos três anos que levou para escavar os restos de Ardi. 

Pattison também ilumina como a insistência da equipe de White na preservação meticulosa dos fósseis frágeis e comparações exaustivas com outras espécies para reconstruir o plano corporal de Ardi ao longo dos próximos 15 anos colidiu com o desejo de muitos paleoantropólogos de obter acesso rápido a Ardi para seus próprios estudos.

O fluxo literário diminui à medida que Pattison investiga os meandros das partes do esqueleto de Ardi. 

Mas os leitores pacientes são recompensados ​​com a visão de uma criatura um tanto simiesca, um tanto parecida com um macaco, um tanto como humana que, argumentam seus descobridores, destrói a visão influente de que os primeiros hominídeos se pareciam muito com os chimpanzés tendo evoluído de um ancestral que anda com os nós dos dedos.

Para qualquer pessoa interessada na caça de fósseis, ciência evolucionária e um esqueleto de hominídeo como nenhum outro, este livro oferece.

Leia Também:Passarinho bebês ganham resistência quando seus pais as chutam do ninho

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Science News

ANÚNCIO