Artilheiro: um cão pastor australiano que podia ouvir aeronaves inimigas a quilômetros de distância

ANÚNCIO

Os cães sempre fizeram parte da história da guerra, pois o melhor amigo do homem é um amigo, de fato, se ficar com ele em tempos de perigo. Muitos companheiros caninos conquistaram um enorme respeito de suas contrapartes humanas em vários conflitos – alguns até receberam medalhas. Outros ficaram indocumentados em listas de honra, embora isso não signifique que foram esquecidos.

Como tudo começou

Essa é a história de Gunner, um cão Kelpie australiano que ajudou a salvar muitas vidas com seu extraordinário sentido de audição. Gunner foi encontrado escondido e ferido em um refeitório quase destruído depois que a Base Aérea de Darwin foi atacada pelos japoneses em fevereiro de 1942.

ANÚNCIO

A Batalha de Darwin foi o maior ataque ao solo australiano durante a Segunda Guerra Mundial. Um grupo de 242 aviões japoneses bombardeou a pequena cidade na qual uma base e porto aliados estrategicamente importantes estavam localizados.

A Real Força Aérea Japonesa desferiu um golpe violento aos militares australianos em dois ataques separados. Eles destruíram 30 aeronaves, principalmente em solo, e afundaram 11 navios. A cidade de Darwin também sofreu danos significativos com uma série de vítimas civis.

Dentro da fúria e da fúria da batalha, o cão pastor de seis meses estava tentando freneticamente se manter vivo, enquanto o barulho dos bombardeiros japoneses e aviões de ataque ao solo quase o deixava louco.

ANÚNCIO

Quando foi encontrado, após o ataque, ele estava com uma perna quebrada e uma expressão no rosto que descrevia todos os horrores de testemunhar um bombardeio.

O cachorro estava ferido, desesperado e apavorado. Foi levado a um hospital de campanha onde o médico protestou, afirmando que não lhe podia dar qualquer assistência sem ter um nome.

Imediatamente, ele recebeu um nome e um número de série – Gunner, 0000. Foi assim que Gunner ingressou oficialmente na Força Aérea Real Australiana.

O aviador Percy Westcott, que estava entre os aviadores que encontraram e cuidaram do cachorro, tornou-se seu proprietário e treinador. Durante os primeiros meses, Gunner ficou profundamente abalado com o trauma do bombardeio, que o tornou hostil e às vezes agressivo, mas ele logo começou a responder aos cuidados que recebia.

Gunner with his handler Percy Westcott
Foto: (reprodução/ internet)

Gunner fez jus ao seu nome. Demorou apenas algumas semanas para ele demonstrar suas habilidades. Um dia, enquanto o aeroporto de Darwin estava sendo reconstruído, Gunner ficou agitado, pulando, latindo e ganindo.

Logo depois, o som de motores de aeronaves foi ouvido, enquanto uma formação de ataque japonesa mais uma vez inundou o céu acima de Darwin.

Os japoneses mais uma vez surpreenderam os australianos, mas desta vez com menos baixas e danos. Os aviadores de Darwin conectaram os pontos e perceberam um padrão entre a mudança de comportamento de Gunner e o ataque de bombardeio.

Como ele trabalhava

Na próxima vez que os japoneses decidiram atacar Darwin, sua sorte se esgotou. Mais de 20 minutos antes de sua chegada, Gunner já havia soado o alarme. Pela primeira vez, os australianos estavam prontos para repelir o ataque.

Tornou-se aparente que a audição de Gunner era tão boa que ele podia reconhecer aeronaves inimigas se aproximando. Ele ganhou a confiança de todos os homens da base, pois sempre que se dirigia para um abrigo, gemendo e gritando, eles sabiam que um ataque japonês era iminente, embora ainda não estivesse visível no radar.

Ele distinguiu corretamente os sons diferentes das aeronaves aliadas e dos japoneses, sem nunca cometer um único erro. Seu traço era levado muito a sério em tempos de guerra.

O comandante de ala McFarlane até emitiu uma ordem pela qual uma sirene de ataque aéreo portátil deveria ser ativada sempre que Gunner mostrasse seus conhecidos sinais de alerta.

Seu papel foi considerado fundamental na defesa do aeroporto e do porto de Darwin. Gunner era bem aceito e amado entre os homens – ele dormia debaixo da cama de seu zelador, tomava banho com os soldados e assistia a filmes com eles durante o descanso e a recuperação. Ele até acompanhou os pilotos durante as decolagens de treino.

Em 1943, Westcott, que era responsável pelo bem-estar de Gunner, foi transferido para Melbourne. O cão-alarme foi colocado sob a supervisão e cuidados do açougueiro da empresa.

Seu final

Se ele sobreviveu à guerra ainda não está claro, pois, além da lenda que cresceu ao seu redor, a existência de Gunner raramente era mencionada nos documentos militares oficiais da época.

Espera-se que ele tenha vivido o suficiente para ver o fim do maior conflito militar da história da humanidade e que tenha sido cuidado em tempos de paz como o foi na guerra.

Leia também: Lentes de contato de grafeno podem fornecer visão de predador

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: War History Online

ANÚNCIO