Lentes de contato de grafeno podem fornecer visão de predador

No clássico filme de terror de ficção científica de 1987 “Predator”, um personagem fictício interpretado por Arnold Schwarzenegger é caçado nas selvas da América Central por uma criatura alienígena tecnologicamente avançada que tem uma vantagem injusta: pode ver no infravermelho térmico.

Lentes de contato de grafeno podem fornecer visão de predador
Foto: (reprodução/ internet)

Agora, a tecnologia desenvolvida na Universidade de Michigan pode equilibrar as probabilidades, de acordo com Phys.org. Os pesquisadores estão desenvolvendo uma lente de contato feita de grafeno que pode detectar todo o espectro infravermelho – além da luz visível e ultravioleta.

Os usuários que usam essas lentes de contato teriam uma visão de alta tecnologia, capaz de ver o mundo de maneira muito semelhante à do predador no filme.

A chave para essas lentes de contato ultrafrias está no grafeno de que são feitas. O grafeno é extremamente fino, com a espessura de um único átomo, o que o torna ideal para uso como lente de contato.

As Problemáticas

Mas essa espessura também significa que o grafeno absorve apenas 2,3% da luz que o atinge, o que o torna problemático como sensor porque a luz não pode produzir um sinal elétrico.

O desafio para a geração atual de detectores baseados em grafeno é que sua sensibilidade é geralmente muito baixa“, disse Zhaohui Zhong, um dos pesquisadores que desenvolveu a tecnologia.

É cem a mil vezes menor do que um dispositivo comercial exigiria.

Zhong e seus colegas foram capazes de superar esse problema observando como as cargas elétricas induzidas pela luz no grafeno afetam uma corrente próxima. Isso permitiu que amplificassem o sinal.

Nosso trabalho foi pioneiro em uma nova maneira de detectar a luz“, disse Zhong.

Prevemos que as pessoas poderão adotar esse mesmo mecanismo em outras plataformas de materiais e dispositivos.

Os pesquisadores construíram seu dispositivo colocando uma camada de barreira isolante entre duas folhas de grafeno. Conforme a luz atinge a camada superior, ela libera elétrons, criando “buracos com carga positiva”.

Os elétrons então deslizam por esses buracos (graças a um truque da mecânica quântica), criando um campo elétrico que afeta o fluxo de corrente que atravessa a camada inferior. O brilho da luz que atinge o grafeno pode então ser deduzido medindo a mudança na corrente na camada inferior.

Todo o dispositivo é do tamanho de uma unha mindinho e pode ser facilmente reduzido ainda mais, se necessário.

Se o integrarmos com lentes de contato ou outros aparelhos eletrônicos vestíveis, ele expandirá sua visão“, disse Zhong. “Ele fornece a você outra maneira de interagir com seu ambiente.

O uso mais imediato para tal dispositivo seria para soldados em uma zona de combate. Assim como nos filmes “Predator”, a visão infravermelha térmica permite que os usuários vejam com mais clareza em uma paisagem escura, enevoada ou fortemente camuflada.

Os médicos também podem usar as lentes para monitorar o fluxo sanguíneo no corpo dos pacientes.

É claro que as lentes provavelmente aumentariam as preocupações com a privacidade se fossem vendidas para consumidores comuns.

Mas imagine o quanto mais do mundo você poderia ver se tivesse a opção de ativar o infravermelho térmico ou a visão UV. O que você faria com essa habilidade?

Leia também: Um sem-teto tem uma mudança de vida ao encontrar uma obra de arte rara do ‘Bambi’ da Disney em uma lata de lixo.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Treehugger