As células solares têm sucesso no espaço

ANÚNCIO

Para testar se algo funcionará no espaço, não há opção melhor do que enviar para o espaço.

Isso é o que pesquisadores alemães fizeram com seu novo design para perovskita e células solares orgânicas, e os resultados foram encorajadores.

ANÚNCIO

As células de película fina – conhecidas como Organic and Hybrid Solar Cells in Space (OHSCIS) – não se incomodaram com as condições extremas, produzindo energia tanto da luz solar direta quanto da luz refletiva da superfície da Terra, eles escrevem em um artigo na revista Joule .

E isso, eles sugerem, estabelece a base para futuras aplicações próximas à Terra, bem como para missões potenciais no espaço profundo.

O foguete foi um grande passo”, diz o primeiro autor Lennart Reb, da Universidade Técnica de Munique. “Ir para o foguete foi realmente como entrar em um mundo diferente.”

ANÚNCIO

Célula solar

O foguete em questão foi lançado do norte da Suécia no ano passado, atingindo uma altitude de 240 quilômetros. As células solares são um híbrido de perovskita e solar orgânica – ambas consideradas tecnologias emergentes. 

Localizadas na carga útil do foguete, as células resistiram às forças estrondosas e ao calor na decolagem, em seguida, a forte luz ultravioleta e o ultra-alto vácuo no espaço. E eles não apenas operaram com eficiência, mas mostraram que podem funcionar com pouca luz. 

A equipe descobriu uma produção de energia alimentada pela luz difusa fraca refletida da superfície da Terra.

“Esta é uma boa dica e confirma que a tecnologia pode ir para o que é chamado de missões espaciais profundas … longe do Sol, onde as células solares padrão não funcionariam”, diz o colega de Reb e autor sênior do artigo, Peter Müller- Buschbaum.

As células solares têm sucesso no espaço
Foto: (reprodução/ internet)

O objetivo principal é reduzir o peso do equipamento que um foguete carrega. Os painéis solares de silício inorgânico usados ​​atualmente em missões espaciais e satélites são eficientes, mas também pesados ​​e rígidos. Em comparação, perovskita híbrida e células solares orgânicas são leves e flexíveis.

“O que conta nesse negócio não é a eficiência, mas a energia elétrica produzida por peso, que se chama potência específica”, diz Müller-Buschbaum. “O novo tipo de células solares atingiu valores entre sete e 14 miliwatts por centímetro quadrado durante o voo do foguete.”

Transferido para folhas ultrafinas, um quilograma de células solares cobriria mais de 200 metros quadrados e produziria energia elétrica suficiente para até 300 lâmpadas padrão de 100 watts, acrescenta Reb. “Isso é 10 vezes mais do que a tecnologia atual está oferecendo.”

Os pesquisadores observam, no entanto, que o foguete passou apenas sete minutos no espaço e que testes mais longos são necessários para avaliar a estabilidade e o potencial das células a longo prazo.

Leia Também:As algas que inundam o Oceano Atlântico

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Cosmos Magazine

ANÚNCIO