Cientistas revivem árvores antigas com sementes de 2.000 anos

As tamareiras mais notáveis ​​do mundo poderiam não existir se Sarah Sallon não tivesse ficado doente enquanto trabalhava como médica na Índia em 1986. Os antibióticos não ajudaram. O que se curou aqui, ela pensa, foram alguns remédios tradicionais à base de ervas.

Foi simplesmente incrível. Foi tão incrível”, diz ela. “E então fiquei muito interessado. Nada como um médico curar seu problema para fazê-los se interessar por alguma coisa.

Quando ela voltou para casa em Israel, para seu trabalho no Centro Médico Hadassah em Jerusalém, ela foi procurar plantas medicinais lá. E ela encontrou muitos deles. Mas ela também ouviu falar de antigas plantas medicinais que haviam desaparecido.

Eles são apenas fantasmas históricos“, diz ela. “Como as famosas plantações de tâmaras ao longo do Mar Morto, 2.000 anos atrás – descritas por Plínio; descritas por Josefo, o historiador do primeiro século. Elas não estão mais lá. Elas simplesmente desapareceram!

Sallon percebeu, porém, que as sementes dessas árvores ainda existiam. Eles foram recuperados de sítios arqueológicos. Então ela foi aos arqueólogos e propôs plantar algumas daquelas sementes, para ver se elas cresceriam novamente. Não foi bem no início. “Eles pensaram que eu estava louco!” ela diz. “Eles não achavam que isso fosse sequer concebível.”

Cientistas revivem árvores antigas com sementes de 2.000 anos
Foto: (reprodução/ internet)

Mas ela continuou pressionando e, finalmente, convenceu alguns deles a fornecer algumas sementes para tentar fazer isso.

Mais de uma década atrás, ela e Elaine Solowey, pesquisadora do Instituto Arava de Estudos Ambientais, plantaram algumas dessas sementes de palmeiras antigas.Seis semanas depois, apareceram pequenos brotos verdes!” ela diz.

Uma árvore cresceu. Eles o chamaram de Matusalém. Mas Matusalém tinha um problema.

Árvores de data são um pouco incomuns. Eles são machos ou fêmeas; cada árvore produz pólen ou flores férteis. Mas é preciso ambos para produzir frutos. Então Matusalém sozinho não conseguiu recriar aquelas datas antigas.

Mas então Sallon encontrou outro arqueólogo que havia recuperado todo um tesouro de sementes de tâmaras de Qumran, onde os textos antigos conhecidos como pergaminhos do Mar Morto foram descobertos.

Esta semana, na revista Science Advances, Sallon e seus colegas anunciaram que haviam cultivado outras seis árvores a partir de algumas dessas sementes antigas. Dois deles são mulheres. “Pode-se dizer que encontramos uma esposa para Matusalém”, diz ela, rindo.

As árvores femininas ainda não floresceram, mas Sallon espera que isso aconteça este ano. Se um deles o fizer, os pesquisadores tirarão o pólen de Matusalém, fertilizarão aquelas flores e esperarão que os frutos se formem: tâmaras exatamente como as que as pessoas na Bíblia comiam.

Quando Sallon fala sobre essa possibilidade, sua voz se enche de admiração e expectativa. De acordo com escritores antigos, ela diz, essas tâmaras “eram conhecidas por sua doçura maravilhosa, seu tamanho muito grande e sua capacidade de serem armazenadas por um longo tempo, de modo que foram exportadas para todo o Império Romano“.

Agora eles podem viver novamente, o que Sallon considera como um sinal de esperança para o mundo. Ela escreveu um livro infantil sobre isso, contando a história do ponto de vista da data, e espera publicá-lo em breve.

Leia Também: Veja por que a Apple diz que está deixando iPhones mais lentos

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: NPR