Construindo memória nos primeiros anos

ANÚNCIO

A memória é uma de nossas habilidades cognitivas mais fundamentais e importantes, mas como ela se forma não está totalmente claro.

Agora, um novo estudo preencheu algumas lacunas, destacando a complexa interação bidirecional entre o cérebro e o comportamento. 

ANÚNCIO

As primeiras mudanças em nossa capacidade de lembrar eventos passados ​​impactam o cérebro, isso mostra, e o cérebro por sua vez influencia o desenvolvimento da memória.

Construindo memória nos primeiros anos
Foto: (reprodução/ internet)

“A maioria dos adultos não consegue se lembrar de eventos dos primeiros anos de suas vidas”, diz Tracy Riggins, da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, autora sênior de um artigo no Journal of Neuroscience.

“O que acontece durante a nossa infância que ajuda a estabilizar as memórias para que sejam mais capazes de resistir ao teste do tempo? Nosso cérebro amadurece e nossa capacidade de lembrar melhora? Ou nossa memória melhora, o que muda nosso cérebro?

ANÚNCIO

A maior parte das pesquisas sobre o desenvolvimento típico do hipocampo – um elemento-chave no processamento da memória do cérebro – veio de estudos transversais e post-mortems de primatas não humanos.

Inicio da pesquisa

Riggins e colegas fotografaram os cérebros de 200 crianças saudáveis ​​de quatro a oito anos (memórias de longo prazo começam a aparecer por volta dos quatro) e traçaram o desenvolvimento de crianças de quatro e seis anos ao longo de três anos para desvendar isso.

Paralelamente, eles testaram o que é conhecido como memória de origem, um aspecto da memória episódica que mostra um desenvolvimento considerável durante a infância e está relacionado ao crescimento do hipocampo.

Construindo memória nos primeiros anos
Foto: (reprodução/ internet)

As memórias episódicas têm detalhes, como quando e onde os eventos ocorreram”, explica Riggins, e “é conhecido por mostrar um desenvolvimento prolongado ao longo da infância. Isso pode estar relacionado ao motivo pelo qual, como adultos, somos incapazes de lembrar eventos de nossa primeira infância. ”

As memórias de origem referem-se especificamente à capacidade de lembrar detalhes contextuais. Para testar isso, as crianças aprenderam 12 fatos que não sabiam, por meio de um vídeo, por uma mulher adulta chamada Abby ou um boneco masculino chamado Henry.

Eles receberam seis fatos de cada fonte – como “Um grupo de rinocerontes é chamado de acidente”, “Um grupo de cangurus é chamado de multidão” ou “Um grupo de cabras é chamado de tribo” – e, em seguida, solicitados a lembrar os fatos já que seriam testados uma semana depois. 

Mas eles não foram informados de que seriam testados na fonte da informação.

Em sua segunda visita, as crianças receberam 22 perguntas triviais para responder – algumas comumente conhecidas, como “Qual é a cor do céu”, e outras mais obscuras, como “Como é chamada a parte colorida do seu olho?”

Construindo memória nos primeiros anos
Foto: (reprodução/ internet)

Consequências

Se correto, eles foram questionados se eles aprenderam as respostas de Abby, Henry ou outra pessoa. 

O desenvolvimento do seu cérebro foi monitorado em cada visita usando imagens de ressonância magnética funcional (fMRI). Análises controladas para pontuações de inteligência.

Além de destacar a interação bidirecional entre o desenvolvimento neural e as mudanças de memória, os resultados mostraram que o tempo e a localização do cérebro são importantes.

As primeiras mudanças na capacidade de memória tiveram mais impacto no cérebro do que as mudanças posteriores, e nem todas as regiões do cérebro mostraram os mesmos efeitos. 

Leia Também: Este truque brilhante vai devolver uma garrafa de champanhe à sua glória borbulhante

Além disso, algumas regiões foram mais influenciadas por mudanças iniciais na memória, enquanto outras regiões foram mais preditivas de mudanças de memória posteriores, explica Riggins.

Juntos, esses resultados destacam as relações intrincadas e recíprocas entre o cérebro e o comportamento ao longo do desenvolvimento.”

Também houve diferenças substanciais entre as habilidades de recordação e o desenvolvimento do cérebro em crianças da mesma idade.

“Por exemplo, algumas crianças de quatro anos têm memórias muito boas e conexões cerebrais fortes”, diz Riggins, “enquanto outras crianças de quatro anos têm capacidades de memória mais fracas e conexões cerebrais mais fracas”.

A equipe está explorando as possíveis razões para essas diferenças, como a qualidade do sono.

Traduzido e editado por equipe: Isto é Interessante 

Fonte: Cosmos Magazine 

ANÚNCIO