Você alucinaria pela ciência?

ANÚNCIO

Estudar alucinações é um negócio complicado e pode ser angustiante para pessoas com doenças como esquizofrenia ou demência.

Os neurocientistas cognitivos dizem que podem contornar isso induzindo alucinações sob demanda em pessoas da população em geral.

ANÚNCIO

Alucinações “podem ser induzidas em quase qualquer pessoa a qualquer momento”, escrevem eles em um artigo de opinião publicado na revista Philosophical Transactions B.

Como as alucinações são uma experiência privada que não pode ser verificada de forma independente, os pesquisadores costumam pedir aos pacientes que façam uma introspecção e descrevam subjetivamente sua experiência.

Isso pode ser tendencioso e problemático, explica Sebastian Rogers, da Universidade de NSW da Austrália: alguém com demência, por exemplo, pode ter problemas para relatar o episódio com precisão.

ANÚNCIO

Eles também tendem a ser complexos e imprevisíveis. Alucinações visuais, por exemplo, podem incluir uma gama de elementos diferentes, como humanos, rostos, animais, paisagens, formas, cores e movimento.

Dificuldades no diagnóstico 

E pode ser difícil dizer quando alguém vai começar ou parar de alucinar, tornando muito difícil estudar no laboratório.

Mas não precisa ser difícil. Embora sua definição ainda esteja sendo debatida, os autores argumentam que alucinar pode ser amplamente definido como ver algo que não está lá, o que poderia incluir formas ou cores simples.

Você alucinaria pela ciência?
Foto: (reprodução/ internet)

Alguns podem chamar isso de ilusão, mas Rogers diz que o rótulo não importa realmente, desde que as experiências induzidas possam fornecer insights sobre alucinações, patológicas ou não.

Ele e os colegas da UNSW, Rebecca Keogh e Joel Pearson, têm experimentado ilusões induzidas por cintilação, conforme mostrado neste vídeo do YouTube (aviso: pode causar convulsão em pessoas com epilepsia fotossensível), fazendo com que as pessoas vejam padrões, pontos, linhas, cores e movimento.

Existem muitos outros métodos, diz Rogers, em que cada um produz resultados diferentes.

Leia Também: Este truque brilhante vai devolver uma garrafa de champanhe à sua glória borbulhante

Nas alucinações induzidas por Ganzfeld, você olharia para uma superfície uniformemente iluminada que preenche todo o campo visual. Isso pode criar uma ilusão de cores e padrões geométricos, cenas de paisagens como uma clareira em uma floresta ou cidade, pessoas ou partes do corpo.

O “efeito cara-estranha-no-espelho” envolve olhar para um espelho com pouca luz, fazendo, sim, aparecerem rostos estranhos que podem incluir deformações do próprio rosto, rostos de outras pessoas ou mesmo de animais como gatos , porcos e leões.

O artigo 

O artigo descreve uma estrutura para cientistas com técnicas úteis de indução ao longo de um espectro contínuo que vai desde a percepção baseada na realidade até alucinações, com ilusões em algum ponto intermediário.

Estes se distinguem pela semelhança entre a estimulação física dos sentidos – a luz que entra no olho – e a experiência ou visão consciente real.

Os autores explicam como os cientistas podem avaliar modelos de laboratório para descobrir como aplicar os resultados a estados patológicos e sugerir novas direções de pesquisa possíveis com alucinações induzidas.

Eles esperam que um estudo mais aprofundado forneça uma compreensão mais profunda e objetiva dos processos cognitivos e neurais subjacentes, bem como como e por que ocorrem em várias doenças, auxiliando assim nos tratamentos.

Também pode oferecer uma visão mais ampla da consciência humana, diz Rogers. “As técnicas de indução de alucinação que sugerimos também podem nos dizer muito sobre como o cérebro e a mente processam as informações sensoriais e como a experiência consciente é criada pelo cérebro.”

Traduzido e editado por equipe: Isto é Interessante 

Fonte: Cosmos Magazine 

ANÚNCIO