As mulheres-maravilhas de 2.000 anos que inspiraram a história em quadrinhos

ANÚNCIO

O super-herói contemporâneo tem um passado inspirado na mitologia grega, que por sua vez foi inspirada pelas mulheres guerreiras da vida real, escreve Kimiya Shokoohi.

As mulheres-maravilhas de 2.000 anos que inspiraram a história em quadrinhos
Foto: (reprodução/DC Filmes/Warner Bros)

O conceito de verdade é central no filme de Patty Jenkins, Mulher Maravilha1984, o segundo de sua franquia de super-heróis. A busca da verdade nos obriga a fazer perguntas complexas sobre a história e a memória cultural – e se relaciona com a inspiração para a história da própria origem da Mulher Maravilha.

ANÚNCIO

O público contemporâneo pode reconhecer a personagem da Mulher Maravilha – como interpretada por Gal Gadot, ou talvez a atriz americana Lynda Carter, estrela das séries de TV ABC e CBS dos anos 70, ou como a personagem original de quadrinhos, que apareceu pela primeira vez nos EUA em 1941 – mais do que as histórias que inspiraram a personagem. 

Leia também: Margaret Abbott, a primeira mulher americana a ganhar uma medalha de ouro olímpica

As Amazonas da mitologia grega e as mulheres guerreiras da vida real que levaram a esta icônica Mulher Maravilha dos tempos modernos podem, de fato, ter raízes na antiga Pérsia – o Irã dos tempos modernos.

ANÚNCIO

A mitologia por trás do cinema

“Sempre houve histórias de amazonas e mulheres como a Amazônia; algumas vezes elas circularam escondidas sob a superfície e outras vezes, como hoje, elas invadem a cultura popular”, Adrienne Mayor, estudiosa da Universidade de Stanford e autora de The Amazons: Lives and Legends of Warrior Women Across the Ancient World (Vidas e Lendas das Mulheres Guerreiras no Mundo Antigo), conta à BBC Culture

“Não é mais possível negar a realidade por trás dos mitos das Amazonas”, diz Andrienne Mayor.

Enquanto a história de uma raça de mulheres guerreiras apareceu pela primeira vez na mitologia grega, escavações pelo norte e leste da região do Mar Negro revelaram que as mulheres guerreiras como as Amazonas existiam na vida real. Em dezembro de 2019, os túmulos de quatro guerreiras da região sarmaciana do século IV a.C. foram encontrados na aldeia de Devitsa, no que hoje é a Rússia Ocidental. 

As mulheres-maravilhas de 2.000 anos que inspiraram a história em quadrinhos
Foto: (reprodução/internet)

Os sármatas eram um povo de herança iraniana, com homens e mulheres habilidosos na equitação e na batalha. As escavações dentro das fronteiras modernas do Irã revelaram a existência de guerreiros do sexo feminino. No noroeste da cidade iraniana de Tabriz, 109 sepulturas de guerreiros foram desenterradas

A arqueóloga Alireza Hejebri-Nobari confirmou em uma entrevista de 2004 que o DNA encontrado em uma delas pertencia a uma mulher. Os testes de DNA deveriam ter ocorrido em outras sepulturas de guerreiros, 38 das quais ainda estão intactas, mas de acordo com os contatos do prefeito no Irã, a pesquisa de DNA foi interrompida em agosto de 2020 devido à falta de recursos.

As verdadeiras Mulheres Maravilha

No entanto, as mulheres guerreiras da vida real existiam muito além dos Círios e Sarmatianos. 

“Muitas culturas antigas além da Grécia contavam histórias emocionantes de mulheres guerreiras – tais histórias são encontradas na Pérsia, Egito, Roma, Cáucaso, Ásia Central, Mongólia, Índia e China”, explica o prefeito, que também dirige um grupo no Facebook, “Amazons Ancient and Modern“, para colegas estudiosos e entusiastas. 

Leia mais: Como os arqueólogos sabem onde escavar: Arqueologista explica métodos e ferramentas

E a história revela inúmeros exemplos de mulheres guerreiras da vida real, como Cynane, meia-irmã de Alexandre o Grande, que veio de uma tradição de mulheres guerreiras e foi ensinada as mesmas habilidades militares que o jovem Alexandre. Pantea Arteshbod, uma mulher comandante persa durante o reinado de Ciro, o Grande, foi fundamental para manter a lei e a ordem após a conquista neo-babilônica de Ciro. 

A literatura e cultura como influência

Na literatura e cultura antiga e moderna, a figura da mulher guerreira aparece em contos populares e de fadas como a história popular chinesa Mulan, e em poemas épicos como A Fada Queene de Spenser e O Livro dos Reis, escrito pelo poeta persa Ferdowsi. 

E ela aparece regularmente na cultura popular contemporânea em várias formas, incluindo Xena: Princesa Guerreira, Lara Croft e Buffy, a Caçadora de Vampiros. 

Nos EUA, a personagem de quadrinhos de Mulher Maravilha, inspirada no mito da mulher guerreira amazônica, tornou-se a mais icônica super-heroína do século 20 da América – e, sem dúvida, seu maior ícone feminista fictício.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fontes: BBC, PBS, Smithsonian Magazine, NBC News, The New Yorker

ANÚNCIO