Habitantes locais usam cordas para se locomover acima de um rio na China

ANÚNCIO

Recentemente, uma história bem curiosa foi publicada na edição da The National Geographic. Escrita pelo viajante Fritz Hoffmann, a experiência fala sobre uma viagem em 2008 para China, quando pôde ver de perto como era a vida dos habitantes daquele lugar, confira o relato abaixo:

Habitantes locais usam cordas para se locomover acima de um rio na China
Foto: (reprodução/Fritz Hoffmann/The National Geographic)

“O Rio Salween, conhecido como o Nu na China, é um dos últimos grandes rios de fluxo livre na Ásia. Há quase duas décadas, a China anunciou que iria represar o rio Nu. Vários grupos étnicos vivem nesta parte do sudoeste da China, que é chamada Três Rios Paralelos para os rios Nu, Jinsha (Yangtze) e Lancang (Mekong) que fluem através dele e foi nomeado Patrimônio Mundial da UNESCO por sua rica biodiversidade”, Hoffmann começa explicando.

ANÚNCIO

“Descobri que havia muito pouco fundo de terra ao longo do Nu. As aldeias se escondiam bem acima das paredes íngremes do desfiladeiro do rio; uma estrada agarrada a um lado. Poucas pontes atravessavam o rio. Vi os habitantes locais cruzarem por tirolesa, cabos de aço grossos presos aos lados, um para cada direção. ”

A vida entre Jinsha e Lacang

“As pessoas levavam uma corda e uma roldana com um laço na cintura ou uma corrente sobre o ombro, prontas para se prenderem aos cabos e atravessar com um fecho de correr”, Fritz continua seu relato.

“Ao fotografar a área, mapeei os locais de todos os cruzamentos de cabos e observei a paisagem e a luz. O desfiladeiro, estreito e profundo, estava muitas vezes em sombras escuras. Estudei pessoas atravessando com o zíper, voando sobre as águas agitadas do Nu (a palavra significa “zangado” em chinês). Eles o faziam sozinhos, em pares, e com animais. Eu vi galinhas, porcos, um bode.”

ANÚNCIO
Habitantes locais usam cordas para se locomover acima de um rio na China
Foto: (reprodução/Dream’s Time)

“Localizei o tirolesa mais próximo de uma cidade e fui para lá no dia do mercado com meu assistente, Chuan Jianhua, e nosso motorista, Zhu Linwen (ambos membros da minoria Lisu). Um fluxo constante de pessoas já estava fazendo a travessia…com uma câmera ao redor do pescoço e um filme no bolso, prendi a roldana no cabo de retorno e aliviei para frente até chegar no meio do rio.”

Andando em cordas

A parte mais emocionante chegou, Hoffmann começa a contar sobre sua experiência com a prática chinesa. Ele conta que levou uma câmera para registrar todo o momento e como sua adrenalina estava a mil:

“As águas pareciam zangadas. Pendurado sobre o Nu, fotografei as pessoas que atravessavam até que aqueles que esperavam para voltar para casa ficaram impacientes comigo. Eu me puxei de volta para a beira da estrada para deixá-los passar, depois me agarrei novamente ao cabo para outra tentativa.”

Leia mais: Homem rouba espada de General Revolucionário de Guerra e devolve após 40 Anos

“Enquanto carregávamos o carro, escaneamos as altas cristas à nossa frente. Um grupo de pessoas estava descendo a trilha íngreme… o caminho se dividiu em duas direções. Sustentei minha respiração enquanto víamos o grupo descer.”

Hoffmann ainda conta que a família estava atravessando o rio levando sua vaca para o outro lado, enquanto pendurados na corda acima.  A história de Hoffmann com certeza é diferente, e anos depois dessa viagem as coisas finalmente mudaram. Os rios não se tornaram represas e as famílias continuam a atravessar suas águas, agora com uma ponte que foi construída para facilitar a vida dos locais.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fontes: The National Geographic, Fritz Hoffmann

ANÚNCIO