O cérebro sabe quando nos sentimos solitários

ANÚNCIO

A solidão não é apenas um sentimento; parece afetar profundamente nossas redes cerebrais. Quando ninguém está por perto, nossa imaginação pode preencher o vazio.

Pesquisadores liderados por Nathan Spreng da Universidade McGill do Canadá descobriram que cérebros solitários têm uma comunicação das redes neurais distinta, criando o um diagnostico de solidão.

ANÚNCIO

Essa assinatura é mais forte nas regiões do cérebro ligadas à lembrança e à imaginação – chamada de rede padrão – e isso sugere que a solidão nos faz relembrar e imaginar tempos felizes ou mais entes queridos, para amenizar o vazio social.

Suas possíveis causas

Estima-se que a solidão afete até 20% dos adultos e está intimamente relacionada à hipertensão, disfunção imunológica e até morte precoce

É também um grande risco em idosos, pois pode levar ao declínio cognitivo e à demência por razões atualmente desconhecidas.

ANÚNCIO
O cérebro sabe quando nos sentimos solitários
Foto: (reprodução/ internet)

Estamos apenas começando a entender o impacto da solidão no cérebro. Expandir nosso conhecimento nesta área nos ajudará a avaliar melhor a urgência de reduzir a solidão na sociedade de hoje ”, diz Danilo Bzdok, coautor de um artigo na Nature Communications.

A equipe usou o aprendizado de máquina para comparar a genética e as varreduras de ressonância magnética do cérebro de 40.000 adultos de meia-idade com auto avaliação da solidão. 

Eles descobriram que a atividade cerebral autoproclamada solitária se concentrava nas regiões cerebrais que se concentravam no futuro planejamento, imaginação, lembrança e pensamento sobre outras pessoas.

As fibras nervosas que transportam sinais para o hipocampo durante esse processamento foram mais bem preservadas em pessoas solitárias.

O cérebro sabe quando nos sentimos solitários
Foto: (reprodução/ internet)

Seus processo de funcionamento

Potencialmente, isso acontece porque as pessoas solitárias precisam confiar nas memórias e na imaginação em vez da interação social para preencher suas necessidades sociais, de modo que a parte imaginativa do cérebro se exercita mais.

Na ausência de experiências sociais desejadas, indivíduos solitários podem ser tendenciosos para pensamentos dirigidos internamente, como relembrar ou imaginar experiências sociais. Sabemos que essas habilidades cognitivas são mediadas pelas regiões cerebrais da rede padrão ”, diz Spreng.

Portanto, esse foco intensificado na autorreflexão e, possivelmente, em experiências sociais imaginadas, naturalmente envolveria as funções baseadas na memória da rede padrão.”

Curiosamente, também havia uma pequena diferença entre homens e mulheres.

Leia Também: Este truque brilhante vai devolver uma garrafa de champanhe à sua glória borbulhante 

Eles descobriram que os homens tinham uma associação mais proeminente entre a estrutura do cérebro e a solidão, então pode haver uma pequena variação entre os sexos.

No entanto, eles também observam que isso pode ser devido ao estigma social contra os homens que relatam solidão e exigem mais pesquisas.

Traduzido e editado por equipe: Isto é Interessante 

Fonte: Cosmos Magazine 

ANÚNCIO