O enigma das linhas de Nazca do Peru, geoglifos gigantes gravados na areia do deserto

ANÚNCIO

Se você caminhar pelo deserto de Nazca, no sul do Peru, não há muito para ver. A paisagem é tão árida que quase nada cresce; até mesmo o vento raramente se move. Mas se você pudesse se lançar no ar e se virar para admirar a vista, um espetáculo curioso apareceria.

No chão do deserto abaixo, uma coleção de linhas tênues entrava em foco durante a subida, traçando às vezes caminhos sinuosos, às vezes retos na paisagem.

ANÚNCIO

As formas distintas se tornariam claras: uma aranha, um macaco, uma árvore e uma figura gigante semelhante a um alienígena.

Essas são as Linhas de Nazca, uma coleção de centenas de gravuras esmaecidas, também chamadas de geoglifos, criadas há quase dois mil anos por habitantes indígenas do que hoje é o Peru. O ambiente seco e o ar excepcionalmente parado preservaram as marcações para os arqueólogos modernos decifrarem – e adivinharem seu propósito.

Linhas no deserto

Nazca Lines spider - Shutterstock
Foto: (reprodução/ internet)

As figuras variam em tamanho, de pouco mais de três metros a centenas de metros de largura. Algumas linhas se estendem por milhas.

ANÚNCIO

As marcações formam uma coleção curiosa: algumas são linhas retas simples, enquanto outras revelam desenhos elaborados.

Alguns parecem labirintos, sugerindo que podem ter sido percorridos como parte de rituais. Outros são considerados simplesmente trilhas que as pessoas usaram para cruzar o solo do deserto.

Acredita-se que os geoglifos tenham sido feitos pela civilização Nasca, que habitou a região por cerca de 800 anos, começando em 200 a.C. (Os termos “Nasca” e “Nazca” costumam ser usados ​​alternadamente, mas o primeiro se refere ao período e à cultura, enquanto o último descreve localizações geográficas.)

Cientistas datam as linhas entre cerca de 200 a.C. e 600 d.C., com base na datação por radiocarbono de cerâmica encontrada nas proximidades, estimativas de envelhecimento da rocha e outras medidas.

Dos muitos mistérios das linhas, sua sobrevivência é talvez o mais simples. Chove tão pouco no deserto de Nazca, menos de uma polegada por ano em média, e o ar está tão parado, que há pouco para lavar as linhas.

Sua construção também é facilmente explicada. As linhas foram feitas raspando o solo avermelhado do deserto para revelar uma camada um pouco mais profunda que tem uma aparência mais cinza.

Nenhuma das linhas está gravada muito profundamente no solo – não mais do que 30 ou 60 centímetros. Eles variam de cerca de trinta a mais de três metros de largura.

Em 1982, uma pequena equipe conseguiu reproduzir um dos desenhos maiores, o condor, usando madeira e cordas para marcar as medidas tiradas de um desenho em pequena escala.

Essas ferramentas e métodos simples estariam disponíveis para o Nasca na época, e a reprodução facilmente encerrou a teoria de que “alienígenas antigos” estavam de alguma forma envolvidos na criação das linhas.

Para que serviam as linhas de Nazca?

Nazca Lines bird - Shutterstock
Foto: (reprodução/ internet)

O propósito das linhas, entretanto, foi mais difícil de explicar. Os arqueólogos sugeriram uma série de teorias, incluindo que os geoglifos tinham significado religioso ou cultural, estavam de alguma forma envolvidos com a água ou talvez estivessem relacionados a observações astronômicas.

Ainda não há consenso sobre o significado das linhas, embora pareça provável que elas possam ter servido a mais de uma função.

As linhas apresentam algumas semelhanças superficiais com canais de irrigação, sugerindo que podem ter sido usados ​​para transportar água. Na verdade, embora a região seja seca, ocasionalmente ocorre inundações repentinas. As linhas poderiam ter sido usadas para canalizar essa água?

Parece improvável porque, como alguns pesquisadores apontam, as linhas são muito rasas. Um canal de irrigação com apenas 30 centímetros de profundidade não seria muito útil.

Pode haver uma relação mais cerimonial com a água, no entanto, como sugeriram outros arqueólogos. Os geoglifos podem estabelecer a base para cerimônias ou observâncias destinadas a aplacar divindades e trazer chuvas para o deserto, eles pensam.

Esses ritos podem ter envolvido a interação real com as linhas. Os arqueólogos Clive Ruggles e Nicholas Saunders, estudando um desenho semelhante a um labirinto recém-descoberto, sugerem que o Nasca seguiria o caminho da linha, talvez como parte de cerimônias ou ritos de iniciação.

Mapeando o céu

shutterstock 1085499257
Foto: (reprodução/ internet)

Uma das primeiras explicações acadêmicas para as linhas afirma que elas servem como uma espécie de calendário astronômico baseado em solo. Quando Paul Kosok, um historiador da Universidade de Long Island, conduzia estudos das linhas no início dos anos 1940, ele afirma ter estado no final de uma linha logo após o solstício de inverno.

Olhando para cima, ele percebeu a linha apontada diretamente para o sol poente, marcando sua posição no dia mais curto do ano. Um estudo posterior o convenceu de que as linhas marcavam pontos-chave no horizonte onde corpos celestes apareceriam ou desapareceriam em datas importantes.

Outros postularam que os desenhos de animais podem ser constelações. Como explica o obituário do New York Times da protegida de Kosok, Maria Reiche, tanto Reiche quanto a colaboradora Phyllis Pitluga acreditavam em algumas das linhas retratadas padrões no céu. Essa teoria, entretanto, foi contestada por outros estudiosos.

Com toda a probabilidade, as diferentes linhas e desenhos podem ter diferentes significados e propósitos. Alguns podem realmente ter apontado para eventos astronômicos, enquanto outros podem ter tido usos puramente rituais.

Outros ainda podem ter tido um propósito mais prosaico. Como Ruggles e Saunders, que encontraram o labirinto em 2012, observam, algumas das linhas podem simplesmente ter sido caminhos pedonais no deserto. Essas linhas bem gastas serpenteiam pelas colinas e outras obstruções, em contraste com as linhas perfeitamente retas encontradas em outros desenhos.

E ainda hoje, novos desenhos estão sendo descobertos no deserto. Uma equipe japonesa anunciou em 2019 a descoberta de 143 novas figuras no deserto de Nazca e arredores. Eles incluem pássaros, macacos, cobras e raposas – um tão fraco que exigiu a ajuda de um algoritmo de IA para ser descoberto.

A busca por novos geoglifos continua, assim como as especulações sobre o que as linhas significam para seus criadores. A cada nova descoberta, provavelmente teremos mais e mais informações. Embora se será suficiente adivinhar o significado do geoglifo com certeza, nunca saberemos.

Leia também: Cientistas revelam o que pode ser o maior pássaro voador de todos os tempos

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Smithsonian Magazine

ANÚNCIO