Cientistas revelam o que pode ser o maior pássaro voador de todos os tempos

ANÚNCIO

Imagine um albatroz com uma serra como boca. Defina aquela estranha criatura cerca de 50 milhões de anos atrás e você terá a imagem de um pelagornitídeo, um grupo de pássaros antigos que incluía alguns dos maiores pássaros voadores de todos os tempos.

E agora os paleontólogos descobriram naquele grupo o que pode ser o maior pássaro voador conhecido de todos os tempos, com envergadura de cerca de 6 metros.

ANÚNCIO
Pelagornithid
Foto: (reprodução/ internet)

O novo estudo que documenta os pássaros, publicado hoje na Scientific Reports, é o resultado de uma história de detetive fóssil que vai da Antártica à Califórnia.

Ao comparar um par de fósseis polares com os restos de pássaros relacionados, os paleontólogos foram capazes de identificar a história inicial de enormes voadores que foram alguns dos primeiros pássaros capazes de voar pelos mares.

Durante a década de 1980, diz o paleontólogo Peter Kloess, da Universidade da Califórnia em Berkeley, os cientistas em busca de fósseis da Antártica encontraram alguns ossos delicados de pássaros – uma mandíbula e parte de um pé de um pássaro antigo – na Ilha Seymour.

ANÚNCIO

Ossos

Esses ossos então fizeram uma longa jornada para a Califórnia, mas sua história estava apenas começando.

O maxilar e o osso do pé eram apenas dois de uma enorme coleção mantida na Universidade da Califórnia em Riverside. Em 2003, entretanto, os mais de 10.000 fósseis da coleção Riverside foram transferidos para o Museu de Paleontologia da Universidade da Califórnia no campus de Berkeley, os ossos de pássaros entre eles. E eles se destacaram.

“Mandíbulas com dentes ósseos são raras no registro de vertebrados”, diz o cientista sênior do museu Pat Holroyd. “Quando você vê um, você se lembra dele e o arquiva mentalmente para mais tarde.

A mandíbula do pássaro, que veio de uma formação rochosa estabelecida há mais de 37 milhões de anos, parece mais uma ferramenta de corte de madeira do que um osso.

A mandíbula tem uma série de pontas grandes e pequenas, protuberâncias do bico que se parecem com os dentes. Em um animal vivo, as pontas teriam sido cobertas de queratina e teriam dado ao pássaro um sorriso sinistro de dentes de serra.

Essa característica imediatamente identificou a mandíbula como pertencente a um pelagornitídeo, também conhecido como pássaros com dentes ósseos que possuem um registro fóssil muito longo.

Os pelagornitídeos mais antigos evoluíram há cerca de 56 milhões de anos, e os mais recentes voaram pelos céus há cerca de dois milhões de anos. Seus fósseis são encontrados em todo o mundo.

Quando Kloess visitou o Museu de Paleontologia da Universidade da Califórnia para examinar as coleções, Holroyd apontou para o osso da mandíbula do pássaro. A mandíbula parecia interessante o suficiente por sua raridade, mas havia muito mais na história.

Comecei este projeto de pesquisa pensando que seria um pequeno artigo descritivo sobre um fragmento de mandíbula para aumentar o conhecimento de um grupo bacana de pássaros”, diz Kloess, acrescentando: “Não tinha ideia de que representaria um indivíduo gigante”.

Pesquisar a mandíbula deixou Kloess e seus colegas à procura de ossos de pássaros com dentes ósseos adicionais nas coleções do museu.

Os pesquisadores tiveram sorte. Além da mandíbula, a coleção incluía um osso do pé – tecnicamente chamado de tarsometatasus – de outro pelagnornitídeo antártico. O osso veio de outro indivíduo grande, mas sua real importância estava em sua idade.

Outro pesquisador que estudou anteriormente o osso do pé rotulou-o como pertencente a uma unidade de rocha chamada Formação Submeseta, que tem entre 43 e 35 milhões de anos, mas ao olhar para onde o fóssil foi encontrado, os pesquisadores o atribuíram a uma camada de rocha no Formação La Meseta, com cerca de 50 milhões de anos.

Isso ocorre em uma época chamada Eoceno, quando a vida havia se recuperado da extinção em massa induzida pelo asteróide e estava prosperando novamente. Juntos, o osso do pé e a mandíbula indicam que grandes pássaros com dentes ósseos prosperaram na Antártica por milhões de anos.

Sinais que os dentes nos dão

Paleontologistas encontraram pássaros com dentes ósseos em vários lugares do mundo, da Nova Zelândia à Carolina do Sul.

Os fósseis da Antártica recém-descritos, entretanto, são os mais antigos conhecidos e indicam que essas aves rapidamente se diversificaram em uma gama de tamanhos dentro de seis milhões de anos de sua origem.

Há 50 milhões de anos, havia pássaros com dentes ósseos, do tamanho de um albatroz moderno a gigantes com envergadura duas vezes maior. O próximo contendor fóssil mais próximo é um parente de abutre extinto chamado Argentavis, que tinha uma envergadura entre 5 e 6 metros.

A competição acirrada pode ser um sinal de que esses pássaros estão ultrapassando os limites do vôo.

Estudos anteriores calcularam que o maior dos pássaros com dentes ósseos estava perto do limite de quão grande um pássaro poderia chegar e ainda voar, o que significa que esses pássaros são os competidores mais fortes para os maiores pássaros voadores a voar.

E combinado com os novos dados sobre a idade dos fósseis, Kloess diz, “podemos dizer que os pelagornitídeos gigantes apareceram antes do que se conhecia e que a Antártica viu uma variedade de tamanhos de pelagornitídeos do início ao final do Eoceno.

Pequenos a grandes pássaros com dentes ósseos eram uma parte importante dos antigos ecossistemas antárticos.

Essas asas impressionantes teriam permitido que os pelagornitídeos alcançasse longe, voando longas distâncias com as asas estendidas.

Isso ajuda a explicar por que fósseis de várias espécies de pelagornitídeos foram encontrados em todo o mundo durante seu longo mandato evolutivo. Esses pássaros de vida longa e bem-sucedidos provavelmente usam suas mandíbulas pontiagudas para se alimentar de peixes e lulas capturados logo abaixo da superfície.

No caso das aves descritas no novo estudo, as aves viviam em um ambiente que teria parecido estranho em alguns aspectos e familiar em outros.

O eoceno da Antártica era muito mais quente do que vemos hoje”, diz Kloess, com tapetes de samambaias e coníferas em terras que abrigavam marsupiais pré-históricos e até sapos.

Alguns dos outros pássaros podem ter parecido familiares, no entanto. Antigos parentes de pinguins, albatrozes e falcões foram encontrados nessas rochas, com os pássaros de dentes ósseos aumentando o rebanho.

Naturalmente, a existência dessas aves grandes levanta a questão de saber se pode haver voadores maiores por aí, especialmente porque os fósseis das antigas aves marinhas são muito raros. “É difícil saber se já encontramos os maiores pelagornitídeos”, diz Holroyd.

Leia também: Artilheiro: um cão pastor australiano que podia ouvir aeronaves inimigas a quilômetros de distância

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Smithsonian Magazine

ANÚNCIO