O estudo de Princeton sugere que os macacos, como os humanos, podem ter “se auto-domesticado”

ANÚNCIO

Tanto as mudanças físicas quanto as comportamentais parecem vir de certas células da crista neural, presentes antes do nascimento e nos recém-nascidos, que têm uma versatilidade semelhante às células-tronco.

Essas células da crista neural podem se transformar em um punhado de coisas diferentes, especificamente células adrenais – que aumentam a força da resposta de “lutar ou fugir” – bem como características físicas como dentes maiores e orelhas mais rígidas.

ANÚNCIO

close-up do macaco

O professor Asif Ghazanfar liderou uma equipe de cientistas que determinou que mudar o desenvolvimento verbal de um macaco sagui bebê também mudou um marcador físico de domesticidade: um pedaço de pelo branco em sua testa.

Desde a época de Darwin, alguns cientistas especulam que os humanos “se auto-domesticaram” – que escolhemos parceiros menos agressivos e mais prestativos, com o resultado de que mudamos a trajetória de nossa própria evolução.

Asif Ghazanfar
Foto: (reprodução/ internet)

As evidências disso são amplamente circunstanciais”, disse Asif Ghazanfar, professor de psicologia e neurociência.

ANÚNCIO

É realmente uma ideia popular e empolgante, mas que carece de evidências diretas, uma ligação entre o comportamento amigável e outras características de domesticação.

Para ver se a história poderia ser colocada em uma base sólida, Ghazanfar recorreu aos macacos saguis. Como os humanos, os saguis são extremamente sociais e cooperativos, além de terem vários dos marcadores físicos consistentes com a domesticação, incluindo um pedaço de pelo branco na testa que é comum em mamíferos domesticados.

Como é a cooperação em um macaco? Trocas vocais amigáveis, cuidando dos filhos uns dos outros e compartilhando comida, entre outros sinais, disse Ghazanfar.

Pesquisa

A equipe de pesquisa mostrou que o tamanho da mancha de pêlo branco de um sagui estava fortemente relacionado com a frequência com que produzia respostas vocais amigáveis ​​para outro.

Este é o primeiro conjunto de dados a mostrar uma associação entre um comportamento amigável e uma característica de domesticação física em animais individuais.

Para mostrar uma ligação causal entre a mancha branca e o comportamento vocal, os pesquisadores testaram bebês gêmeos de diferentes maneiras. Em sessões muito breves, um dos gêmeos obteve feedback vocal confiável de um pai simulado – um computador programado com chamadas de adultos que respondiam a 100% de suas vocalizações – enquanto o outro gêmeo só ouvia respostas dos pais a 10% de seus sons.

Essas sessões experimentais duraram 40 minutos, em dias alternados, durante a maior parte dos primeiros 60 dias de vida dos macacos. Nas outras 23 horas ou mais de cada dia, os macacos estavam com suas famílias.

Em um trabalho anterior, Ghazanfar e seus colegas mostraram que os bebês que receberam mais feedback aprenderam a falar – ou mais precisamente, desenvolveram seus chamados de adulto – mais rápido do que seus irmãos.

Ao medir também as manchas de pêlo branco nas testas dos macacos em desenvolvimento ao mesmo tempo e por mais três meses, os pesquisadores descobriram que a taxa de desenvolvimento da coloração facial branca também foi acelerada pelo aumento das respostas vocais dos pais. Is

so mostra uma conexão de desenvolvimento entre a coloração do pelo facial e o desenvolvimento vocal – ambos são influenciados pelos pais.

Essa conexão pode ser por meio daquelas células da crista neural que podem se transformar em células de “luta ou fuga” e que também contribuem para partes da laringe, que são necessárias para a produção de vocalizações.

Os cientistas também ligaram a domesticação a mudanças no comportamento vocal em outras espécies. Raposas selecionadas para mansidão alteraram suas vocalizações em resposta à presença de humanos.

Da mesma forma, um tentilhão bengalês domesticado aprende e produz uma canção mais complexa e retém maior plasticidade da canção na idade adulta do que seus primos selvagens.

Mas este é o primeiro estudo que relaciona o grau de uma característica social com o tamanho de um signo físico de domesticação, em qualquer espécie, afirmam os pesquisadores. Suas descobertas são detalhadas em um artigo publicado online na revista Current Biology.

Os co-autores de Ghazanfar incluem Daniel Takahashi, um ex-pesquisador de pós-doutorado que agora é professor de neurociência na Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil; Rebecca Terrett da Classe de 2016; Lauren Kelly, ex-gerente de laboratório de Ghazanfar, que agora trabalha na Rutgers-Robert Wood Johnson Medical School; e dois colaboradores da New York University, James Higham e Sandra Winters.

Se você altera a taxa de desenvolvimento vocal dos saguis, altera a taxa de coloração do pelo”, disse Ghazanfar. “É um conjunto de resultados fascinante e estranho!”

Leia também: Um sem-teto tem uma mudança de vida ao encontrar uma obra de arte rara do ‘Bambi’ da Disney em uma lata de lixo.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Priceton University

ANÚNCIO