O surgimento da arte como veículo de protesto na Nova Zelândia

ANÚNCIO

A partir da década de 1940, as artes tornaram-se um dispositivo central para a crítica social e o ativismo.

Colonização questionando

Muitos Pākehā neozelandeses foram criados na crença de que as relações raciais do país eram exemplares. O poeta e dramaturgo Allen Curnow questionou isso em sua peça de 1948, O machado – uma tragédia em versos. Referia-se à eclosão da guerra em uma ilha do Pacífico depois que um missionário cristão desembarcou carregando o presente de um machado, uma metáfora da colonização da Nova Zelândia.

ANÚNCIO

As viagens de rúgbi à África do Sul na era do apartheid também levantaram a questão da raça. Quando os jogadores Māori foram banidos da turnê dos All Blacks na África do Sul em 1960, Gerry Merito, do Howard Morrison Quartet, escreveu a música “My old man’s an All Black” para protestar contra a decisão. Vendeu 60.000 cópias.

A partir da década de 1970, os artistas questionaram cada vez mais o registro idealizado de relações raciais da Nova Zelândia.

  • Em 1979, o grupo de teatro Māori Maranga Mai apresentou uma peça de mesmo nome que dramatizou a injustiça da alienação de terras Māori.
  • Em 1988, Dean Hapeta e seu grupo Upper Hutt Posse lançaram ‘E tū’, a primeira música rap da Nova Zelândia. Mapeou os efeitos prejudiciais do colonialismo na sociedade Māori.
  • Em 2000-2001, a City Gallery Wellington sediou uma exposição sobre a pacifista comunidade maori de Parihaka, que foi invadida pela Coroa em 1881. A mostra reuniu 120 anos de arte, poesia e canções sobre Parihaka.

Ode de Baxter

James K. Baxter era conhecido por seus poemas de protesto. Isso incluiu “Uma pequena ode ao apartamento misto”, escrita em 1967 como uma resposta satírica à decisão da Universidade de Otago de proibir estudantes do sexo masculino e feminino de morarem nas mesmas casas. Inclui estas linhas:

ANÚNCIO

Os alunos que vão nivelar
Com seus gatinhos e gatinhos
Nunca vou conseguir um passe em latim;
O esteio moral da nação
É cuidadoso, masturbação privada 1

Feminismo

O movimento feminista procurou dar às mulheres as mesmas oportunidades que os homens. Entre seus principais artistas estava Jacqueline Fahey. Em sua pintura “Christine in the pantry” (1973), ela retratou uma jovem cercada pela desordem da cozinha como uma crítica ao isolamento social da vida suburbana.

NZ artist included in critically-acclaimed feminist art show | The Big Idea
Foto: (reprodção internet)

O trabalho de Robyn Kahukiwa examinou a subserviência das mulheres Māori aos homens. Sua pintura de 1990 ‘Tihe mauri ora’ convocou as mulheres Māori para combater o patriarcado e a colonização. Enquanto isso, peças como Renee’s Wednesday ‘to come’ (1984) e Fiona Samuel’s ‘The wedding party’ (1988) forneceram críticas feministas e insights sobre a vida moderna.

O ambiente

O movimento ambientalista ganhou destaque no início dos anos 1970 após uma iniciativa do governo para barrar o Lago Manapōuri para geração de energia hidrelétrica. A canção de protesto de John Hanlon, de 1973, ‘Damn the dam’ se tornou um hino popular para os oponentes da represa. Em 1980, Ralph Hotere pintou uma série de obras para protestar contra uma proposta de fundição de alumínio no município de Aramoana, em Otago.

Em 2003, os artistas contribuíram para uma mostra intitulada Artists Against Aqua na Forrester Gallery de Ōamaru para protestar contra uma proposta de desenvolver o baixo rio Waitaki para hidroeletricidade e agricultura intensiva.

A instalação de Ken Larraman ‘Oh merda’ compreendia 72 sacos plásticos nos quais torrões de esterco de vaca seco foram selados – uma referência aos danos ambientais causados ​​pela produção intensiva de laticínios. O show foi um dos mais populares de todos os tempos da galeria. A proposta foi rejeitada em 2004.

Pat Hanly era um líder do movimento antinuclear. Sua pintura “O grande incêndio” (1960) retratou o evento destrutivo de 1666 em Londres, mas também foi uma metáfora para a ameaça nuclear. Outra pintura, ‘Outrage’ (1986), era uma condenação do bombardeio de 1986 do navio do Greenpeace Rainbow Warrior em Auckland Harbour por agentes do serviço secreto francês.

Arte temporária

A arte temporária tem sido outra via para o engajamento social artístico. Um exemplo vibrante foi a instalação de 1978 ‘Vago lote de repolhos’ de Barry Thomas. Usando o local de um teatro demolido de Wellington, Thomas plantou 180 mudas de repolho, que formavam a palavra ‘repolho’.

Ele estava protestando contra a falta de um parque central da cidade e desafiou os moradores de Wellington a tornarem o local seu. Sua ligação capturou a imaginação do público e o site se encheu de todos os tipos de objetos.

Durante vários meses, o jardim urbano tornou-se um local de reuniões e eventos. A instalação culminou em um festival de artes de uma semana, The Last Roxy Show, que incluiu leituras de poesia, performance e distribuição de salada de repolho gratuita. Posteriormente, foi construída uma galeria comercial no local.

Leia também: 30 fatos fenomenais sobre Pablo Picasso

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante

Fonte: Te Ara

ANÚNCIO