Olhando para perovskita sob uma nova luz

ANÚNCIO

Os pesquisadores australianos podem ter superado um obstáculo significativo na busca global para desenvolver células solares de perovskita de próxima geração.

Uma observação casual e um acompanhamento rápido permitiram que uma equipe do ARC Center of Excellence in Exciton Science resolvesse um problema de estabilidade fundamental causado quando o material é exposto à luz solar.

ANÚNCIO

Sua descoberta, relatada em um artigo na revista Nature Materials, significa que o material pode permanecer estável sem a necessidade de alterar a composição ideal.

Há uma verdadeira agitação em torno das perovskitas porque sua estrutura cristalina distinta pode ser facilmente sintetizada a partir de um número diversificado de elementos

Os cientistas projetaram cristais de perovskita com uma gama de propriedades intrigantes, úteis em tecnologias como máquinas de ultrassom, sensores, lasers e chips de memória.

ANÚNCIO

As células solares feitas de cristais de perovskita de haleto metálico são particularmente promissoras. Eles são 500 vezes mais finos do que as células que usam silício – o material no qual a tecnologia solar depende desde 1950 – o que significa que os custos de produção podem ser mantidos baixos.

Eles também são mais flexíveis e mais eficientes. Na mera década em que os cientistas têm trabalhado neles, sua eficiência de conversão disparou para cerca de 25%. Em comparação, demorou 40 anos para as células à base de silício atingirem uma eficiência semelhante.

Mas nem tudo é um mar de rosas. “Os diferentes haletos tendem a se separar espacialmente quando o sol incide sobre esses materiais, o que obviamente reduz sua utilidade”, explica Asaph Widmer-Cooper, cientista de materiais da Universidade de Sydney e coautor do novo artigo.

Esta interrupção da composição cuidadosamente arranjada interfere na absorção do material de certos comprimentos de onda e afeta sua eficiência e condução do portador de carga. Este é um problema crítico para um material que estará constantemente exposto à luz solar.

Olhando para perovskita sob uma nova luz

A solução? Em seu artigo, os pesquisadores descrevem como a luz de alta intensidade pode realmente desfazer a interrupção causada pela luz de baixa intensidade. O efeito foi acidentalmente observado durante a realização de uma medição não relacionada, mas a equipe percebeu rapidamente que havia encontrado algo importante.

A modelagem computacional liderada por Stefano Bernardi, da University of Sydney, ajudou a iluminar o significado dessa observação surpresa.

O que descobrimos é que conforme você aumenta a intensidade da excitação, as deformações locais na rede iônica – que foram a causa original da segregação – começam a se fundir”, explica ele.

Isso faz com que as deformações locais que interrompem a composição do cristal desapareçam

“Em um dia normal de sol, a intensidade é tão baixa que essas deformações ainda são localizadas”, diz Bernardi. “Mas se você encontrar uma maneira de aumentar a excitação acima de um certo limite, por exemplo, usando um concentrador solar, a segregação desaparece.”

Outros grupos de pesquisa tentaram resolver este problema ajustando a composição das perovskitas de haleto metálico ou alterando as dimensões do material. A chave do novo trabalho é que a composição não precisa mudar.

“O que mostramos é que você pode realmente usar o material no estado em que deseja, para uma célula solar”, diz o coautor Chris Hall, da Universidade de Melbourne. “Tudo que você precisa fazer é focar mais luz nele.”

Esta pesquisa resolveu um problema crítico enfrentado pela pesquisa solar baseada na perovskita, mas o verdadeiro teste estará em sua aplicação prática.

Windmer-Cooper acrescenta: “Ainda há muito trabalho a ser feito, não apenas para testar nossas ideias para estabilizar perovskitas de haleto misto em células solares, mas também para aumentar o processo de impressão.”

Este, diz ele, é um problema que o ARC Centre of Excellence in Exciton Science está trabalhando com o CSIRO da Austrália.

ANÚNCIO