Os cientistas encontraram um fóssil de bilhões de anos que se acredita ser um ancestral das primeiras plantas da Terra

ANÚNCIO

Um grupo de paleontólogos afirma que as minúsculas sardas que encontraram em uma rocha podem ser a chave para a compreensão das origens da vida vegetal na Terra.

As sardas, dizem os pesquisadores da Virginia Tech, são na verdade microfósseis de algas marinhas com bilhões de anos.

ANÚNCIO

De acordo com o estudo publicado na segunda-feira, E o recorde atual de plantas verdes multicelulares foi atrasado em quase 200 milhões de anos. Anteriormente, a alga verde fossilizada mais antiga conhecida tinha 800 milhões de anos.

Os fósseis são tão minúsculos – cerca de 2 milímetros de comprimento ou do tamanho de uma pulga – que mal são visíveis sem um microscópio. Mas, apesar de seu tamanho minúsculo, os pesquisadores disseram que as microplantas podem ter contribuído para a evolução das plantas terrestres que surgiram quase 550 milhões de anos depois.

A alga verde, uma forma de alga conhecida como Proterocladus antiquus, foi descoberta pelo pesquisador de pós-doutorado Qing Tang.

ANÚNCIO

Tang encontrou os fósseis em uma rocha perto da cidade de Dailan, no norte da China, usando mapas que mostram aos pesquisadores onde no mundo eles podem encontrar rochas de milhões a bilhões de anos.

Assim que as rochas foram encontradas, elas foram analisadas sob um microscópio laboratório de paleontologia da Virginia Tech.

Para a surpresa de Tang, o que parecia apenas “pequenas sardas cinza-amarronzadas em rochas de argila” acabou sendo a alga marinha multicelular verde mais antiga já descoberta.

Fiquei muito animado quando encontrei o primeiro espécime do fóssil de alga marinha“, disse Tang à CNN. “Eu imediatamente mostrei para meu supervisor, o professor Shuhai Xiao, da Virginia Tech, e ambos concordamos que isso é algo realmente importante.

Um tesouro que vale a pena comemorar

Shuhai Xiao, um paleobiólogo e um dos pesquisadores que lideraram o estudo, disse à CNN que a descoberta merece uma comemoração.

Esta é uma grande descoberta“, disse Xiao. “Algas como essas produzem oxigênio, um elemento crítico na atmosfera que permite a nós e aos animais sobrevivermos. Elas também são plantas importantes para manter a habitabilidade do nosso planeta.”

De acordo com Tang, as algas marinhas eram verdes quando vivas, mas ficaram enterradas em temperaturas tão altas por quase 1 bilhão de anos que perderam a cor.

An artist's reconstruction of the seafloor a billion years ago.
Foto: (reprodução/ internet)

Quando as algas marinhas morreram, foram “cozidas” sob os sedimentos e seus restos orgânicos impressos na rocha encontrada na terra seca que já foi o oceano

“Esses novos fósseis sugerem que as algas verdes eram jogadores importantes no oceano muito antes de seus descendentes de plantas terrestres se mudarem e assumirem o controle da terra firme“, disse Xiao no comunicado à imprensa.

Toda a biosfera é amplamente dependente de plantas e algas para alimentação e oxigênio, mas as plantas terrestres não evoluíram até cerca de 450 milhões de anos atrás.”

Esses fósseis estão relacionados aos ancestrais das primeiras plantas terrestres e árvores que se desenvolveram há 450 milhões de anos.

A hipótese atual, segundo Xiao, é que as plantas terrestres, como árvores, grama e arbustos, evoluíram de algas verdes, uma planta aquática.

Ao longo de milhões de anos, as plantas saíram da água e se adaptaram à terra firme.
Sem essas plantas fotossintéticas, a Terra enfrentaria um desequilíbrio ecológico se não fosse por sua capacidade de produzir carbono orgânico e oxigênio, além de fornecer alimento e abrigo para animais.

Então, da próxima vez que você comer, pondere por um momento sobre a minúscula alga marinha que pode ter tornado tudo isso possível, centenas de milhões de anos atrás.

Leia também: Um sem-teto tem uma mudança de vida ao encontrar uma obra de arte rara do ‘Bambi’ da Disney em uma lata de lixo.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: CNN

ANÚNCIO