Os pesquisadores da UBC encontraram uma maneira de converter qualquer tipo de sangue para o O universal

Pesquisadores da University of British Columbia descobriram uma técnica que poderia tornar todo o sangue doado compatível com todos os pacientes, independentemente do tipo de sangue do doador ou receptor.

O bioquímico da UBC Stephen Withers anunciou que ele e sua equipe encontraram uma maneira de converter diferentes tipos de sangue em O-negativo universalmente útil. A pesquisa foi apresentada na reunião desta semana da American Chemical Society.

A esperança é que um dia isso possa ajudar a aliviar a escassez crônica de sangue O-negativo. No início deste mês, o Serviço Canadense de Sangue fez sua chamada regular de fim de verão para doadores de sangue em todo o país.

Com muitos doadores viajando de férias, esta é uma das épocas do ano em que o sangue pode ser escasso.

Encontrando a ferramenta para converter tipos sanguíneos

Os pesquisadores da UBC encontraram uma maneira de converter qualquer tipo de sangue para o O universal
Foto: (reprodução/ internet)

O sangue humano vem em quatro tipos: A, B, AB e O. O que os distingue são as minúsculas moléculas de açúcar na superfície das células vermelhas do sangue.

Os sangues A, B e AB têm moléculas de açúcar distintas que são reconhecidas pelo sistema imunológico, portanto, se um paciente receber sangue de um tipo incompatível, pode ocorrer uma reação imunológica perigosa contra as células do sangue.

O sangue O-negativo, entretanto, não tem essas moléculas de açúcar e, portanto, é essencialmente invisível para o sistema imunológico, razão pela qual é universalmente compatível com todos os receptores.

A chave para tornar o sangue A, B e AB universalmente compatível é encontrar tesouras moleculares que possam cortar com eficiência as moléculas de açúcar. Os pesquisadores têm procurado essas ferramentas desde o início dos anos 1980, com sucesso limitado.

O grupo de Withers começou a procurar uma enzima – um tipo de proteína que tem como alvo moléculas específicas e as corta.

Eles suspeitaram que havia uma fonte natural para a enzima de que precisavam na forma de bactéria que poderia produzi-la, mas o truque era identificar a bactéria.

Inicialmente, eles procuraram criaturas sugadoras de sangue em busca de ideias.

No laboratório, discutimos várias idéias sobre onde poderia haver bactérias que degradariam o sangue“, disse Withers à rádio CBC Quirks & Quarks. “Pode-se pensar em coisas como intestino de sanguessuga ou intestino de mosquito, mas provavelmente são um pouco difíceis de acessar.

Descobriu-se que havia uma fonte mais facilmente disponível: bactérias do intestino humano. Nossa parede intestinal é revestida por estruturas de açúcar chamadas mucinas, que em sua superfície possuem as mesmas moléculas de açúcar encontradas em diferentes tipos de glóbulos vermelhos.

De acordo com Withers, “era bem provável que as bactérias intestinais tivessem desenvolvido a capacidade de separar alguns desses açúcares para obter energia para si mesmas. Portanto, o microbioma intestinal humano parecia um bom lugar para procurar.

Uma descoberta revolucionária

Os pesquisadores da UBC encontraram uma maneira de converter qualquer tipo de sangue para o O universal
Foto: (reprodução/ internet)

Withers extraiu 20.000 amostras de DNA diferentes de bactérias intestinais retiradas de fezes humanas e descobriu várias delas que poderiam produzir as enzimas para fazer o trabalho. Destes, ele notou uma nova classe de enzimas que era particularmente boa em quebrar os açúcares.

Ele pode se separar cerca de 30 vezes mais rapidamente do melhor candidato anterior que foi publicado há algum tempo, quando fizemos uma comparação lado a lado dos dois.

Este alto nível de eficiência significa que menos enzima é necessária no processo de conversão do sangue. Isso significa custos de produção mais baixos, mas, mais importante, significa que menos enzima precisa ser filtrada do sangue convertido posteriormente – uma etapa necessária antes da transfusão.

Este trabalho é muito promissor“, escreveu Dana Devine, cientista-chefe do Canadian Blood Services, em um e-mail para Quirks & Quarks.

O tipo de sangue doado provavelmente nunca será exatamente igual à demanda por grupos sanguíneos específicos, mas esta nova tecnologia oferece uma oportunidade para criar uma ‘solução alternativa’ para a demanda desproporcional de sangue O, transformando o estoque excedente de outros grupos sanguíneos em grupo O.

Withers atribui seu sucesso neste projeto a novas técnicas em metagenômica que não estavam disponíveis para seus predecessores.

Essas ferramentas deram a ele uma maneira de cultivar o DNA de bactérias intestinais em massa e examinar o microbioma intestinal em grande escala, observando milhares de candidatos ao mesmo tempo, o que lhe permitiu lançar a rede para encontrar as melhores bactérias para o trabalho.

Pode levar algum tempo, entretanto, antes que essa técnica de conversão de sangue saia do laboratório. Extensos testes de segurança ainda são necessários antes que o sangue convertido possa ser aprovado para uso em transfusões.

Leia também: Um sem-teto tem uma mudança de vida ao encontrar uma obra de arte rara do ‘Bambi’ da Disney em uma lata de lixo.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: CBC CA