Os polvos provam a comida quando a tocam com os braços

ANÚNCIO

Os polvos podem provar sua presa antes de comê-la, usando os braços para “lambê-la”, o que, segundo os pesquisadores, aumenta as evidências de que os oito apêndices dos cefalópodes são análogos às línguas com “mãos” e “cérebros”.

Os braços do polvo são revestidos com ventosas que possuem células que desempenham a função de processamento neural de sinais de toque e paladar.

ANÚNCIO

Isso permite que eles determinem se um animal é bom para comer ou se é tóxico, diz Nicholas Bellono, da Universidade de Harvard. Isso é particularmente útil, pois os polvos tendem a caçar “às cegas”, enfiando os membros em buracos e fendas para encontrar presas escondidas.

Bellono e seus colegas estudaram as células sugadoras de polvos de duas manchas da Califórnia (Octopus bimaculoides) microscopicamente e em um nível molecular, descobrindo que algumas respondem ao toque e outras ao “sabor” de produtos químicos na água, com terminações ramificadas típicas de sensoriais células.

Eles então usaram a eletrofisiologia, que mede a atividade elétrica das células, para testar o quão sensíveis os receptores de sabor e toque dos sugadores eram a diferentes tipos de sabores e odores, respectivamente.

ANÚNCIO

Os cientistas determinaram que os receptores reagem a produtos químicos solúveis em água, como a cloroquina amarga, bem como a produtos químicos que não se dissolvem bem na água, como os emitidos por presas tóxicas, diz Bellono.

Muitos animais marinhos, incluindo polvos, têm órgãos olfativos que provavelmente detectam produtos químicos solúveis em água e possivelmente alguns pouco solúveis.

No entanto, geralmente se pensa que esse “cheiro subaquático” ocorre à distância na água, como o modo como os narizes funcionam à distância no ar. Moléculas pouco solúveis requerem um alcance próximo para detecção, o que é mais fácil por contato direto, semelhante ao funcionamento das línguas.

Na verdade, os polvos possuem um órgão semelhante a uma língua na boca, chamado rádula, que corta e raspa as presas, especialmente os moluscos. No entanto, não parece capaz de sabor. A rádula age “mais como um dente”, diz Bellono.

Até agora, os receptores de sabor / toque “parecem ser específicos para os otários”, diz Bellono.

Leia Também: Veja por que a Apple diz que está deixando iPhones mais lentos

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: New Scientist

ANÚNCIO