Pesquisas comprovam que a Lua ‘desapareceu’ brevemente há 1.000 anos atrás

ANÚNCIO

Uma famosa transcrição medieval descreveu o companheiro lunar da Terra como “totalmente desaparecido”.

Pesquisas comprovam que a Lua 'desapareceu' brevemente há 1.000 anos atrás
Foto: (reprodução/internet)

Há quase um milênio, a lua “desapareceu” brevemente do céu, provavelmente como resultado de detritos aéreos emitidos por erupções vulcânicas.

ANÚNCIO

Origem

As erupções vulcânicas medievais que ocorreram há quase 1.000 anos provavelmente desencadearam um apagão parcial do céu noturno, escondendo completamente a lua da vista dos habitantes da Terra.

Essas mesmas erupções também resultaram em mudanças climáticas generalizadas por vários anos.

De acordo com um estudo publicado em abril de 2020 na revista Scientific Reports, pesquisadores da Universidade de Genebra analisaram registros de anéis de árvores e amostras de núcleos de gelo.

ANÚNCIO

Depois dessa análise compararam suas descobertas com relatos históricos escritos que datam do século 12. 

Eles descobriram que um relato milenar de um eclipse lunar era o resultado de uma série de erupções vulcânicas que emitiam poeira e cinza para o céu, bloqueando a lua e causando fome generalizada em toda a Europa

A pesquisa milenar

A história começou em abril de 2020, quando o estudo foi publicado originalmente, e recirculou novamente em dezembro de 2020, quando o blog de entretenimento Oddee compartilhou as descobertas em um post.

Pesquisas comprovam que a Lua 'desapareceu' brevemente há 1.000 anos atrás
Foto: (reprodução/internet)

O eclipse lunar de 1110 foi descrito no A Crônica de Peterborough (Peterborough Chronicle em inglês) como tendo bloqueado completamente a lua – um relato histórico que há muito tempo tem deixado cientistas, historiadores e astrônomos perplexos.

Leia mais: Descoberta de ferramentas com dois milhões de anos mostra adaptabilidade humana

“Na quinta noite do mês de maio apareceu a lua brilhando à noite, e depois pouco a pouco sua luz diminuiu, de modo que, assim que a noite chegou, estava tão completamente apagada, que nem a luz, nem orbitava, nem nada disso foi visto. 

“E assim, ela continuou quase até o dia, e depois apareceu cheia e brilhante”, leu o texto.

O escritor observou que era um céu noturno claro, o que sugeria que o desaparecimento da lua não poderia ser explicado por uma cobertura de nuvens. 

O mistério do desaparecimento da lua

Durante muito tempo acreditou-se que este evento se devia a um eclipse lunar, mas antes da pesquisa moderna, a lua eclipsada não estava diretamente ligada à presença de aerossóis vulcânicos que poderiam tê-la bloqueado.

O manuscrito original dos “Anais de Saint Evroult”, que foi usado no século XII para determinar as datas anuais pode ser fundamental. 

Notas históricas acrescentadas nas margens descreveram uma grande fome de três anos que começou na França em 1109, que pode ter sido o resultado – pelo menos parcialmente – de distúrbios climáticos de uma erupção vulcânica.

Desvendando a ciência

Para explorar mais a veracidade destes relatos históricos, os pesquisadores analisaram a composição química das amostras do núcleo de gelo da Groenlândia e da Antártida. 

Estas camadas de gelo com longos núcleos desempenham um papel fundamental na compreensão da história de nosso planeta. 

Pesquisas comprovam que a Lua 'desapareceu' brevemente há 1.000 anos atrás
Foto: (reprodução/internet)

Os eventos climáticos são registrados em camadas de anéis de gelo em forma de árvores.

À medida que as camadas de gelo e neve se acumulam ao longo de milhares de anos, o mesmo acontece com as partículas particuladas e os produtos químicos dissolvidos. 

Leia também: O que nossas nuvens podem nos dizer sobre Vênus

Descobertos nessas camadas travadas foram picos em aerossóis de sulfato, tanto antes como depois do ano 1110, indicando que uma série de erupções vulcânicas provavelmente emitiam aerossóis na estratosfera.

Estes dados foram então comparados aos registros de anéis de árvores do mesmo período. 

O que sabemos dos resultados

À medida que os núcleos de gelo se fecham em eventos climáticos, os anéis de árvores crescem em resposta às mudanças climáticas para registrar a história do planeta. 

Através desta análise, os pesquisadores determinaram que o planeta sofreu mais precipitação e maior cobertura de nuvens – ambos podem ter sido o resultado do aumento da matéria vulcânica na estratosfera.

Mas a teoria vulcânica não é necessariamente nova. Foi há muito teorizado que os eventos vulcânicos em ambos os pólos resultaram na deposição de sulfato. 

O que dizem os pesquisadores

No entanto, os pesquisadores concluem agora que um agrupamento de erupções potencialmente “esquecidas” contribuiu para os eventos climáticos descritos nos documentos históricos.

“Aqui, mostramos que uma observação medieval única de um eclipse lunar ‘escuro’ total atesta um véu de poeira sobre a Europa em maio de 1110 d.C, corroborando as cronologias revistas do núcleo de gelo”, escreveram os autores. 

Pesquisas comprovam que a Lua 'desapareceu' brevemente há 1.000 anos atrás
Foto: (reprodução/AP)

“Além disso, a avaliação cuidadosa dos registros do núcleo de gelo aponta para a ocorrência de várias erupções vulcânicas estreitamente espaçadas entre 1108 e 1110 d.C.”, eles complementam.

É importante notar que as fontes das erupções vulcânicas permanecem desconhecidas, e mais pesquisas podem ajudar a caracterizar onde no mundo esses eventos ocorreram. 

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fontes: Snopes, ODDEE, Scientific Reports

ANÚNCIO