Saliva é exatamente o que precisávamos para criar uma nova vacina contra a malária

ANÚNCIO

A malária é uma das principais causas de morte de crianças menores de 5 anos. Atualmente, há uma vacina disponível em três países africanos, a vacina RTS, S, e é, sem dúvida, um grande passo em frente.

Mas, ainda é apenas parcialmente eficaz: em um grande ensaio clínico, a vacina evitou apenas cerca de 30% dos casos de malária grave. A luta contra a malária está longe de terminar.

ANÚNCIO

Os pesquisadores têm trabalhado em vacinas contra a malária desde 1940, com sucesso limitado. Essas vacinas convencionais anteriores tentavam ajudar o sistema imunológico humano a reconhecer os parasitas que causam a malária (chamados de Plasmodium), mas isso se revelou uma tarefa extremamente difícil.

This thin film blood smear photomicrograph depicts an immature, Plasmodium malariae schizont, which contains three chromatin masses, a light cytoplasm, and a dark pigment.
Foto: (reprodução/ internet)

Mudando constantemente, ele foge habilmente do sistema imunológico de seu hospedeiro.

Embora tenha havido problemas com financiamento limitado, grande parte dessa dificuldade em criar uma vacina eficaz veio da incrível complexidade do parasita Plasmodium.

ANÚNCIO

Seu genoma é composto por 23 milhões de pares de bases. Embora isso seja 130 vezes menos pares de bases do que um humano, é 115 vezes mais pares de bases do que, digamos, o vírus da varíola.

O Plasmodium tem um ciclo de vida complexo – progredindo através de vários tecidos em duas espécies hospedeiras diferentes e passando por dez mudanças morfológicas ao longo de sua vida. Mudando constantemente, ele foge habilmente do sistema imunológico de seu hospedeiro.

Mas agora os pesquisadores de Yale estão abordando o problema de um ângulo diferente. A grande maioria das infecções por malária ocorre quando uma pessoa é picada por um mosquito que transmite o parasita Plasmodium, mas e se não fosse mais necessário para o sistema imunológico reconhecer o próprio parasita? E se apenas precisássemos reconhecer o mosquito?

Os pesquisadores de Yale criaram uma vacina contra a saliva do mosquito que carrega o parasita para o corpo humano.

Mais especificamente, a vacina manda informações para o sistema imunológico reconhecer uma proteína na saliva do mosquito chamada AgTRIO.

Para isso ser possível, eles criaram uma vacina contendo a própria proteína AgTRIO e um adjuvante (uma substância projetada para aumentar a resposta imunológica).

Os camundongos que receberam a vacina AgTRIO, terminaram o experimento com significativamente menos parasitas no sangue em comparação aos que receberam uma vacina inativa.

Infelizmente, não forneceu proteção completa – alguns dos ratos imunizados ainda tinham parasitas.

Portanto, os pesquisadores se perguntaram o que aconteceria se essa estratégia parcialmente eficaz fosse combinada com outra estratégia parcialmente eficaz, como a vacina RTS, S mais convencional. RTS, S ensina o corpo a reconhecer uma proteína Plasmodium chamada proteína circunsporozoíta ou CSP.

Por mais estranho que pareça, a saliva parece realmente ter um grande papel na forma como os insetos sugadores de sangue transmitem infecções aos humanos (ou outros animais) dos quais se alimentam.

Quando os pesquisadores deram vacinas contra AgTRIO e CSP em ratos, eles ficaram quase completamente livres de parasitas – um resultado muito mais forte do que qualquer vacina administrada sozinha.

Assim, os pesquisadores acreditam que uma vacina AgTRIO pode ser capaz de agir sinergicamente com a vacina RTS, S – uma combinação que poderia fornecer proteção muito mais eficaz contra a malária.

A crowd gathers around Crown Fountain in Chicago's Millenium Park, where a fountain appears to "spit" water on visitors.
Foto: (reprodução/ internet)

Mas como isso funciona? Por que a imunização contra a saliva ajuda a proteger contra um parasita? Por mais estranho que pareça, a saliva parece realmente ter um grande papel na forma como os insetos sugadores de sangue transmitem infecções aos humanos (ou outros animais) dos quais se alimentam.

Por exemplo, a saliva do carrapato pode aumentar a infecciosidade da bactéria que causa a doença de Lyme, alterando as respostas do sistema imunológico do hospedeiro.

Portanto, é possível (embora ainda controverso) que o Plasmodium esteja recebendo um impulso da saliva do mosquito. Curiosamente, os pesquisadores ainda não sabem o que o AgTRIO faz – então eles não têm certeza de como a vacina contra ele ajuda a proteger contra o Plasmodium.

Eles sabem que a vacina AgTRIO fez com que os parasitas se movessem mais lentamente através da pele do hospedeiro, o que talvez impedisse sua capacidade de causar uma infecção generalizada.

A imunização contra a saliva também tem outras vantagens. A vacina contra malária atualmente aprovada protege apenas contra a infecção por uma espécie – Plasmodium falciparum.

Leia também: Escapar pela bunda de um predador é uma estratégia comum para presas

Existem mais de cem espécies de Plasmodium e pelo menos cinco delas causam doenças em humanos. Como o quinto – Plasmodium knowlesi – foi descoberto apenas para infectar humanos em 2004, é possível que haja mais espécies nos infectando do que ainda não descobrimos.

No entanto, uma vez que todas as espécies de Plasmodium são acompanhadas por mosquitos e sua saliva, uma vacina contra cuspe poderia fornecer proteção muito mais ampla.

É possível que até mesmo forneça proteção contra outras doenças (como o vírus O’nyong nyong, que infecta pessoas na África Oriental) que são transportadas pelos mosquitos Anopheles, embora isso ainda não tenha sido provado.

Ainda há muito trabalho a ser feito antes que a vacina AgTRIO esteja pronta para ser testada em humanos, mas este estudo é potencialmente um passo importante no desenvolvimento de uma vacina contra a malária mais eficaz que poderia salvar centenas de milhares de vidas. E com o aumento da malária resistente a medicamentos, as vacinas são mais necessárias do que nunca.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Massive Science

ANÚNCIO