Um paradoxo venenoso: quão mortais são as cobras da Austrália?

ANÚNCIO

A Austrália é conhecida mundialmente por nossas criaturas venenosas e venenosas, desde cobras, aranhas e carrapatos em terra, até águas-vivas letais, arraias e peixes-pedra em suas águas. Até o tímido ornitorrinco pode causar uma dor insuportável se manuseado sem os devidos cuidados.

Ainda assim, enquanto ferimentos e mortes causadas por cobras venenosas e medusas são frequentemente sensacionalistas na mídia e temidas por visitantes internacionais, uma revisão recente descobriu que muito poucos animais australianos “mortais” realmente causam mortes.

ANÚNCIO

Entre 2000 e 2013, ocorreram duas fatalidades por ano por picadas de cobra em toda a Austrália, enquanto a média de picadas de abelha foi de 2,2 e de água-viva de 0,25, ou uma morte a cada quatro anos. Para aranhas – incluindo nossos notórios redbacks e teias de funil de Sydney – a média era zero.

Mesmo assim, as cobras causam medo em muitas pessoas que vivem ou visitam a Austrália. Quando se tem um risco maior de ferimentos ou morte por queimaduras, cavalos, picadas de abelha, afogamentos e acidentes de carro, por que não tememos esses perigos como temos ao ver uma cobra?

Cobras e estatísticas ao longo da história

Um paradoxo venenoso: quão mortais são as cobras da Austrália?
Foto: (reprodução/internet)

Quando os colonos chegaram à Austrália no final do século 18, eles acreditaram que as cobras australianas eram inofensivas. Em 1805, era aceito que as serpentes locais podiam matar humanos, mas dificilmente eram temidas da mesma forma que a cascavel americana ou a cobra indiana.

ANÚNCIO

Até a década de 1820, menos de uma morte humana por picada de cobra foi registrada a cada ano; em 1827, o cirurgião visitante Peter Cunningham observou que:

… Comparativamente, poucas mortes ocorreram por essa causa desde a fundação da colônia.

Observações semelhantes foram feitas na década de 1840. O que os colonos notaram, no entanto, foi o número significativo de mortes entre seus animais “exóticos” importados, de gatos e ovelhas a cavalos e bois de alto valor.

Na década de 1850, experimentos vivos com criaturas domésticas – especialmente galinhas e cães – eram itens padrão para vendedores de antídotos em viagem. Dada a popularidade dessas demonstrações públicas de mordidas de cobra, a partir da década de 1860, médicos e naturalistas também começaram a fazer experiências com animais em cativeiro.

Foi durante esse período que as estatísticas oficiais sobre mortes começaram a ser compiladas nas colônias australianas.

Uma amostra de 1864-74, por exemplo, relatou uma média de quatro mortes por mordidas de cobra por ano em Victoria, ou uma morte por 175.000 colonos.

Em contraste, durante o mesmo período, um em cada 6.000 índios morria de picadas de cobra a cada ano; não é de admirar que, em todo o mundo, as cobras australianas fossem consideradas insignificantes.

A década de 1890 representou um período dramático de divergência, no entanto. Por um lado, estudos estatísticos em 1882-92 sugeriram que, em média, 11 pessoas morriam anualmente de picada de cobra em toda a Austrália.

Leia também: Um sem-teto tem uma mudança de vida ao encontrar uma obra de arte rara do ‘Bambi’ da Disney em uma lata de lixo.

Dados semelhantes compilados em Victoria levaram o médico James Barrett a declarar em 1892 que as cobras representavam “uma das causas de morte mais insignificantes em nosso meio”.

Por outro lado, em 1895, estudos de laboratório padronizados, voltados especialmente para a produção de um antiveneno eficaz, viram um reconhecimento global de que os venenos de cobra australianos estavam entre os mais potentes do mundo.

Em Sydney, o fisiologista Charles Martin afirmou que o veneno da cobra tigre australiana era tão poderoso quanto o da cobra. Em 1902, seu colaborador Frank Tidswell classificou os venenos locais de cobra tigre, cobra marrom e víbora da morte no topo da tabela global de toxicidade.

Ao longo do século seguinte, este paradoxo permaneceu: por que tão poucos australianos morrem de picadas de cobra quando essas serpentes têm os venenos mais potentes do mundo? Por que eles não são mais mortais?

Medo mortal

Um paradoxo venenoso: quão mortais são as cobras da Austrália?
Foto: (reprodução/internet)

A pesquisa científica proporcionou um conhecimento cada vez maior sobre os venenos, o que eles fazem, como funcionam, como nos afetam clinicamente e sua “potência” comparativa com base em estudos com animais.

Em resposta, introduzimos medidas de primeiros socorros, diretrizes, gestão e tratamento clínico eficazes, que na Austrália formam um dos melhores sistemas de cuidados de saúde de emergência do mundo.

Em contraste, os países onde picadas de cobra causam muito mais mortes geralmente enfrentam desafios no acesso a medicamentos essenciais a preços acessíveis, opções de prevenção e educação.

As cobras são uma parte essencial de seus ecossistemas. Eles não “atacam” os humanos, sendo na maioria animais tímidos, mas são defensivos e preferem fugir.

Parece que a potência do veneno não é uma boa medida de letalidade, e pode ser uma combinação de nossa história, comportamento e crença que cria um medo cultural.

Sem subestimar o perigo potencial representado por cobras venenosas, o que oferecemos é uma garantia. Como quase dois séculos de estatísticas e experiência clínica sugerem, a maioria das picadas de cobra na Austrália podem sobreviver, se administradas com rapidez, calma e eficácia.

Na verdade, encontros com humanos muitas vezes são mortais para as próprias cobras – um paradoxo que está ao nosso alcance para mudar.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte:The conversation

ANÚNCIO