Uma ejeção solar pode ter causado o naufrágio do Titanic?

foto: (reprodução internet)

Era uma noite sem lua. James Bisset, o segundo oficial do navio a vapor RMS Carpathia, espiou através do frio Atlântico Norte. O mar estava calmo, não havia vento.

Acima dele, a efervescente aurora boreal dançava no céu. E a cerca de 100 quilômetros de distância, um navio muito maior, o RMS Titanic, estava indo para o desastre. Era abril de 1912 e a catástrofe marítima mais conhecida do mundo estava prestes a acontecer.

O naufrágio do Titanic causou a morte de cerca de 1.500 pessoas, um desastre que foi retratado em inúmeros livros, filmes e séries de TV. Os historiadores analisaram o incidente por mais de um século. Mas uma nova teoria surgiu recentemente que pode ajudar a explicar o que aconteceu.

“A maioria das pessoas que escreve sobre o Titanic não sabe que as luzes do norte foram vistas naquela noite”, afirma a pesquisadora meteorológica independente Mila Zinkova.

Zinkova publicou recentemente um artigo na revista Weather no qual ela apresentou uma ideia nova: uma explosão de radiação eletromagnética do sol atingiu a Terra, iluminando o céu com a aurora e interferindo nas bússolas e equipamentos de rádio a bordo do Titanic e navios próximos.

É conhecido que as ejeções solares podem influenciar as agulhas da bússola, causando interferência de rádio.

Zinkova sugere que uma ejeção de partículas carregadas do sol pode ter feito a tripulação fazer ajustes de navegação que levaram o Titanic ao longo de um curso ligeiramente diferente do pretendido, potencialmente enviando-o na direção do iceberg que acabou destruindo o grande transatlântico.

“Mesmo se a bússola se movesse apenas um grau, ela já poderia ter feito a diferença”, diz Zinkova.

Erros da bússola, no entanto, também poderiam ter salvo vidas. O Carpathia, que respondeu ao chamado SOS do Titanic, recebeu a posição errada para o navio que estava afundando – ele foi direcionado para um ponto a 11 quilômetros do local real.

Mas como o Carpathia talvez também tenha sido afetado pela tempestade solar, a tripulação avistou os botes salva-vidas e os sinalizadores de sinalização dos sobreviventes e conseguiu salvar 705 pessoas.

Leia também: 4 exploradores legais que você deveria conhecer

Mas o SOS do Titanic não foi ouvido por todos nas proximidades. Zinkova acha que o clima espacial também pode ser o culpado por isso. Um navio a vapor, SS La Provence, não recebeu mensagens do Titanic, embora tenha ouvido transmissões de outros navios. E o SS Mount Temple recebeu o SOS do Titanic, mas o navio atingido nunca recebeu sua resposta.

O historiador do Titanic Tim Maltin, que diz ter discordado de Zinkova no passado em relação a outros detalhes do naufrágio, diz que nunca tinha ouvido falar de sua hipótese de tempestade solar antes. Ele diz que embora tenha gostado do artigo dela, existem explicações alternativas para os eventos que ela atribui à tempestade solar.

Por um lado, embora o Titanic tenha fornecido uma localização incorreta em seu pedido de socorro, os botes salva-vidas do navio estavam em uma posição diretamente entre o Carpathia e o navio que afundava, o que poderia explicar como o Carpathia encontrou os sobreviventes tão facilmente.

Além disso, os destroços do Titanic estavam localizados ao longo da rota esperada do navio, então não tomou um curso inesperado, diz Maltin.

Mesmo assim, relatos de testemunhas oculares valem a pena ser consideradas para avaliar a teoria da tempestade solar, diz Chris Scott, físico espacial e atmosférico da Universidade de Reading, na Inglaterra.

Além do membro da tripulação James Bisset, pelo menos três sobreviventes do Titanic relataram ter visto a aurora boreal naquela noite.

O fato de tantas pessoas terem visto a aurora me deixa confiante de que estava acontecendo um evento climático espacial”, diz Scott.

E não seria absurdo pensar que a atividade solar afetou as bússolas e rádios das naves. As ejeções do sol foram associadas a outros eventos dramáticos, diz Scott, como a época em 1972, quando dezenas de minas marítimas explodiram de repente na costa do Vietnã, acredita-se que o clima espacial tenha sido a causa.

Maltin concorda que provavelmente houve uma tempestade solar na noite do naufrágio do Titanic.

“Mas acho que não foi um fator significativo”, diz ele.

Scott acrescenta que seria possível testar mais a teoria de Zinkova modelando a ionosfera, a camada de partículas carregadas na atmosfera da Terra que interage com o vento solar , e simulando transmissões de rádio conhecidas enviadas por navios nas noites de 14 e 15 de abril, 1912.

Isso pode ajudar a revelar por que alguns sinais foram transmitidos e outros não. Zinkova aceita que seria muito difícil provar se a atividade solar afetou definitivamente o naufrágio. Em última análise, ela diz, é a tragédia humana do que aconteceu que mais a comove.

De qualquer maneira, Scott argumenta que todos nós podemos nos beneficiar de uma melhor compreensão das perturbações históricas causadas pelo sol.

Em 1859, por exemplo, uma tempestade solar particularmente grande fez com que uma aurora extraordinariamente brilhante fosse visível até o sul de Cuba. O evento Carrington, como é agora conhecido, afetou equipamentos eletrônicos, com operadores de telégrafo testemunhando faíscas voando de suas máquinas.

Scott sugere que uma documentação cuidadosa de eventos meteorológicos espaciais passados pode nos preparar para o próximo acontecimentos, uma vez que isso poderia revelar novas descobertas sobre a frequência dessas ocorrências.

Levar a ameaça a sério pode ser prudente. Em uma época em que somos tão dependentes da tecnologia, um evento Carrington do século 21 pode ser ainda mais desastroso do que o naufrágio do Titanic.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Hakai Magazine