Veja por que a proteína de inseto pode ser o próximo Whey

ANÚNCIO

Hoje temos mais opções culinárias e a capacidade de obter mais informações para informar nossas escolhas alimentares do que nunca. A mídia social, em particular, recentemente chamou a atenção para a culinária não ocidental, como comer insetos.

Embora muitas culturas há muito considerem os insetos saborosos, a entomofagia, que comem insetos, só recentemente se popularizou na América do Norte e na Europa.

ANÚNCIO

Beneficios do consumo

Mas comer insetos pode ser uma escolha saudável, tanto para o meio ambiente quanto para os humanos. Comparado grama a grama com a carne bovina convencional, o cultivo de proteína de inseto requer 8 a 14 vezes menos terra, 5 vezes menos água e emite 6 a 13 vezes menos gases do efeito estufa.

Isso ocorre porque os insetos têm uma capacidade incrível de converter sua comida em massa corporal comestível. Por serem de sangue frio, não desperdiçam energia mantendo a temperatura corporal. Uma vez que todo o inseto é consumido, ao contrário dos animais, comer insetos também é mais eficiente. Um relatório da ONU de 2013 sugere que comer insetos pode ser uma maneira crítica de ajudar a atender à demanda quase dobrada de alimentos prevista para o ano 2050.

O estudo sugere que o próprio pó de inseto pode atuar como um prebiótico, o que significa que é alimento para outras bactérias benéficas que crescem no intestino humano saudável.

ANÚNCIO

Mas os insetos também são uma fonte de proteína de alta qualidade, contendo muitos aminoácidos essenciais necessários à nutrição humana. Eles também são uma boa fonte de ácidos graxos, minerais – como ferro, zinco, sódio, potássio, selênio e cobre – e vitaminas, como as vitaminas B.

Finalmente, os insetos contêm fibra alimentar, derivada principalmente da quitina que constitui seu exoesqueleto. (Fibra é algo que a maioria dos outros produtos de origem animal não oferece.)

Estudos realizados

Eles também podem ter benefícios para a saúde além de seu mero conteúdo nutricional. A Dra. Valerie Stull, uma cientista pesquisadora da Universidade de Wisconsin-Madison, publicou recentemente um estudo comparando a microbiota intestinal de pessoas antes e depois de incorporar pó de inseto inteiro em suas dietas.

Os participantes do grupo de teste duplo-cego receberam um café da manhã preparado todos os dias, incluindo um muffin de abóbora e um shake de proteína, com 25 gramas de pó de grilo incorporados. O grupo de controle também recebeu alimentos com uma composição de macro e micronutrientes semelhantes, mas sem o pó de grilo adicionado. Após duas semanas, o Dr. Stull avaliou as mudanças no conteúdo intestinal microbiano dos indivíduos.

Os exploradores ficaram chocados ao ver os povos indígenas em áreas mais tropicais consumindo insetos e imediatamente usaram isso para julgá-los como animais

Comer pó de insetos, mesmo por um curto período de tempo, aumentou a abundância de Bifidobacterium animalis, que é considerado um probiótico útil. Essa bactéria pode melhorar as funções gastrointestinais e proteger contra a diarreia. O estudo sugere que o próprio pó de inseto pode atuar como um prebiótico, o que significa que é alimento para outras bactérias benéficas que crescem no intestino humano saudável.

Mas, como diz o Dr. Stull, “ninguém realmente olhou para os impactos diretos do consumo de insetos na saúde, particularmente como isso pode afetar nosso microbioma intestinal”. Ela acha que comer insetos tem “potencial infinito”, especialmente para pessoas com deficiência de proteínas.

Algumas culturas em todo o mundo já comem insetos regularmente – aproximadamente dois bilhões de pessoas em mais de 130 países. Mas a sociedade ocidental demorou a abraçar a ideia.

Leia também: Sudoeste da Louisiana é obrigado passar por um novo isolamento social, dessa vez por culpa de uma nuvem de mosquitos

Algumas dessas diferenças culinárias podem resultar da geografia, de acordo com a Dra. Julie Lesnik, professora assistente de antropologia na Wayne State University. Ela explica que séculos atrás, quando o mundo era muito mais frio, os insetos não estavam disponíveis o ano todo em grande parte do hemisfério norte.

Portanto, quando os europeus começaram a navegar pelo mundo, eles não pensaram em comer insetos, pois os insetos só estavam presentes quando outros alimentos estragavam ou como ração para animais, não como fonte de sua própria comida. Quando eles chegaram às Américas e encontraram pessoas que consideravam os insetos um alimento comum em sua dieta, os europeus não conseguiam entender.

Os exploradores ficaram chocados ao ver os povos indígenas em áreas mais tropicais consumindo insetos e imediatamente usaram isso para julgá-los como animais”, diz Lesnik.

Se olharmos para a profunda história cultural da Europa, os insetos nunca foram um recurso amplamente utilizado.” Lesnik publicou recentemente um livro, Edible Insects and Human Evolution, onde ela explora o papel dos insetos como parte da dieta dos primeiros humanos.

Mas hoje, a proteína de inseto representa uma indústria em crescimento, inclusive nas refeições gourmet. Em 2015, o potencial comercial nos Estados Unidos foi estimado em US $ 33 milhões de dólares. Joseph Yoon, por exemplo, um chef gourmet que tem uma empresa culinária de insetos, oferece refeições com tema de insetos de cinco pratos e está planejando eventos nos Estados Unidos em 2019. (Para ver uma refeição gourmet feita de insetos, confira este vídeo filmado na reunião semestral da Coalizão Norte-Americana pela Agricultura de Insetos em 2018).

Empresas em toda a América do Norte começaram a criar insetos aprovados pela FDA para atender à crescente demanda. Produtos populares incluem um pó de inseto, semelhante ao usado no estudo do Dr. Stull, barras de proteína, lanches inteiros de insetos e até chips de proteína. (Falando por experiência própria, “Chirps Chips” são saborosos.)

Existem agora muitas empresas no campo e locais para comprá-los estão proliferando. Ainda pode parecer um conceito estranho, mas a culinária de insetos provavelmente chegará em breve aos pratos perto de você.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante

Fonte: Massive Science

ANÚNCIO