Você sabia que jacarés comem tubarões?

ANÚNCIO

Os crocodilos não se prendem apenas à água doce e às presas que encontram lá. Esses répteis astutos podem viver facilmente, pelo menos por um tempo, em águas salgadas e encontrar muito para comer – incluindo caranguejos, tartarugas marinhas e até tubarões.

Eles deveriam mudar os livros didáticos”, diz James Nifong, ecologista da Unidade de Pesquisa Cooperativa de Peixes e Vida Selvagem do Kansas na Universidade Estadual do Kansas em Manhattan, que passou anos documentando a dieta dos jacarés estuarinos.

ANÚNCIO

A descoberta mais recente de Nifong, espalhada em todas as notícias no mês passado, é que o crocodilo americano (Alligator mississippiensis) come pelo menos três espécies de tubarão e duas espécies de raias, relatam ele e o biólogo da vida selvagem Russel Lowers no Southeastern Naturalist de setembro.

Lowers capturou uma fêmea de jacaré com uma jovem arraia do Atlântico nas mandíbulas perto de onde ele trabalha no Kennedy Space Center em Cape Canaveral, Flórida. 

E ele e Nifong reuniram vários outros relatos de testemunhas oculares: Um funcionário da US Fish and Wildlife avistou um jacaré consumindo um tubarão-enfermeiro em um manguezal da Flórida em 2003. Um birder fotografou um crocodilo comendo um tubarão cabeça-de-boné em um pântano salgado da Flórida em 2006. 

ANÚNCIO

Os colaboradores de Nifong, um pesquisador de tartarugas marinhas, viram jacarés consumindo tubarões cabeça de boné e limão no final da década de 1990. E Nifong encontrou outro relato de um jacaré comendo um tubarão cabeça-de-boneca em Hilton Head, S.C., depois que seu artigo foi publicado. 

Todos esses lanches exigiam crocodilos para se aventurarem em águas salgadas

Você sabia que jacarés comem tubarões?
Foto: (reprodução/ internet)

Mas o tubarão pode não ser o item mais surpreendente no menu estuarino do jacaré. Nifong passou anos pegando centenas de crocodilos selvagens e bombeando seus estômagos para descobrir o que eles comem, um trabalho que depende “de fita isolante, fita isolante e laços zip”, diz Nifong. E ele descobriu que o menu é bem longo.

Para prender um crocodilo, ele usa um grande anzol sem ponta ou, com animais menores, apenas agarra o animal e o puxa para dentro do barco. Ele recebe uma corda em seu pescoço. 

Em seguida, os pesquisadores fecham a boca com fita adesiva, medem o corpo (desde o peso até o comprimento do dedo do pé) e coletam amostras de sangue ou urina.

Assim que estiver fora do caminho, a equipe amarrará o jacaré a uma prancha com laços de velcro ou corda. Então, é hora de descolar a boca, inserir rapidamente um pedaço de tubo para mantê-lo aberto e prender a boca do crocodilo ao redor do tubo. 

O cachimbo, diz Nifong, está lá “para que eles não possam morder”. E isso é importante, porque a seguir alguém tem que enfiar um tubo na garganta do jacaré e segurá-lo lá para manter a garganta do animal aberta.

Finalmente, “enchemos o estômago com água muito lentamente para não ferir o animal”, diz Nifong. “Então fazemos basicamente a manobra de Heimlich.” Pressionar o abdômen força o jacaré a desistir de seu conteúdo estomacal. Geralmente.

Às vezes é melhor do que outras”, diz ele. “Eles podem simplesmente decidir não deixá-lo sair.” Em seguida, os pesquisadores desfazem cuidadosamente todo o seu trabalho para deixar o jacaré solto.

De volta ao laboratório, Nifong e seus colegas tentaram descobrir o que podiam encontrar no conteúdo do estômago e procuraram mais pistas sobre a dieta dos animais nas amostras de sangue. 

Nifong e seus colegas descobriram que os jacarés estavam comendo uma dieta marinha rica, incluindo pequenos peixes, mamíferos, pássaros, insetos e crustáceos. Eles vão até comer frutas e sementes. 

Você sabia que jacarés comem tubarões?
Foto: (reprodução/ internet)

Os tubarões e raias não apareceram nesses estudos (nem as tartarugas marinhas, que jacarés também foram vistos mastigando). Mas Nifong e Lowers especulam que é porque o tecido desses animais é digerido muito rapidamente. 

Portanto, se um jacaré havia comido um tubarão mais do que alguns dias antes de ser capturado, não havia como saber.

Como os crocodilos não têm glândulas de sal, “eles estão sujeitos às mesmas pressões que eu ou você quando estão na água salgada“, diz Nifong. “Você está perdendo água e aumentando o sal em seu sistema sanguíneo.” 

Isso pode levar ao estresse e até à morte, observa ele. Assim, os jacarés tendem a ir e vir entre a água salgada e a água doce. Eles também podem fechar a garganta com um escudo cartilaginoso e fechar as narinas para impedir a entrada de água salgada. 

E quando eles comem, eles inclinam a cabeça para deixar a água salgada escoar antes de engolir o pescado.

O que os crocodilos comem não é uma descoberta tão importante quanto a descoberta de que eles viajam regularmente entre ambientes de água salgada e água doce, diz Nifong. E, observa ele, “ocorre em uma ampla variedade de habitats em todo o sudeste dos EUA”. 

Isso é importante porque os jacarés estão movendo nutrientes de águas marinhas ricas para águas mais pobres e doces. E podem estar tendo um efeito maior nas teias alimentares estuarinas do que qualquer um havia imaginado.

Por exemplo, um dos itens de presa no menu do jacaré é o caranguejo azul. Os jacarés “assustam o bejesus fora deles”, diz Nifong. E quando os jacarés estão por perto, os caranguejos azuis diminuem sua predação de caramujos, que podem comer mais do capim-cordão que forma a base do ecossistema local. 

“Entender que um jacaré tem um papel nesse tipo de interação,” Nifong aponta, é importante ao planejar esforços de conservação.

Leia Também:Conheça NARWHAL, O Cachorro “Unicórnio”

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte:Science News 

ANÚNCIO