A ciência poderia realmente fazer Game of Thrones acontecer? As vezes!

ANÚNCIO

Já se passou cerca de um ano desde que a série de televisão Game of Thrones exibiu seu (decepcionante) final, e estou esperando ansiosamente pelo próximo livro da série As Crônicas de Gelo e Fogo de George R.R. Martin.

Sim, vou admitir:

ANÚNCIO

Ainda estou esperando e, neste ponto, como um fã e cientista de longa data, vou devorar qualquer coisa relacionada ao mundo da fantasia, até e incluindo uma análise da ciência do dragão.

Então, quando me deparei com Fire, Ice and Physics: The Science of Game of Thrones (IndieBound, Amazon) de Rebecca C. Thompson, fiquei imediatamente intrigado. Mas o que levou um físico, como Thompson, a escrever tal livro em primeiro lugar?

“Porque sou um cientista, é por isso.”

Faz sentido. É assim que Thompson começa seu livro de 296 páginas dedicado à ciência em Game Of Thrones – uma leitura técnica, mas agradável.

ANÚNCIO

Ela aborda elementos-chave neste mundo de fantasia, incluindo sazonalidade em Westeros, biologia do dragão e a neurologia de White Walkers.

Novos dragões de Daenerys poderão aparecer no episódio 8x05 de Game of Thrones - Mix de Séries
Foto: (reprodução/ internet)

Thompson diz que, como cientista treinada, ela faz muitas perguntas e não consegue “ligar e desligar” sua necessidade de explicações.

O livro nasceu de um convite que Thompson recebeu para falar sobre “qualquer coisa”, que ela aproveitou como uma oportunidade para explorar a ciência do sangue, sangue e morte em Game Of Thrones.

Como o livro é construido?

Como Thompson aponta, o mundo de Martin é tão atraente porque “está tão perto do nosso, mas fora de alcance”. E eu concordo, no momento em que cheguei ao final do livro, fiquei surpreso que as regras da realidade não precisam ser muito esticadas para o mundo de Game Of Thrones potencialmente existir.

Thompson começa cada capítulo apresentando os conceitos e a terminologia que os leitores precisam saber. Não adiantava ler onde eu me sentia como se estivesse em uma sala de aula ou como se precisasse pesquisar no Google qualquer jargão, como o calor latente da fusão.

Thompson, em seguida, conduz os leitores através da ciência neste mundo de fantasia, tecendo analogias, fatos, alguns trocadilhos e exemplos do mundo real. Ela finalmente junta tudo para perguntar: pode a ciência tornar o que parece fantástico, como dragões ou aço valiriano, possível no mundo real?

A resposta a essa pergunta raramente é um sim e, ocasionalmente, um talvez, se algumas leis da física forem alteradas criativamente.

Um dos exemplos mais convincentes disso é a explicação de Thompson do incêndio florestal usado na “Batalha de Blackwater”. Nesta batalha, Tyrion Lannister envia um navio solitário, vazando fogo selvagem (que é como gasolina verde mágica) em direção ao inimigo na Baía de Blackwater.

Blackwater (Game of Thrones) - Wikipedia
Foto: (reprodução/ internet)

Sob seu comando, o incêndio é aceso com uma única flecha, levando a uma grande explosão verde que dizima a frota inimiga. Mas o incêndio não é real.

Existem equivalentes no mundo real? Aqui, Thompson aponta que, com algumas modificações, um Instant Pot é o equivalente moderno de um sifão bizantiniano: um bico pressurizado usado para projetar o fogo grego.

Esta é uma maneira realista pela qual Tyrion poderia ter plausivelmente executado sua estratégia de batalha para acender o fogo selvagem derramado … se apenas o fogo grego fosse verde, e ligeiramente mais estável, como o fogo selvagem é em Game Of Thrones.

Sim, há um capítulo inteiro dedicado à ciência de uma parede de gelo

O que também se destaca neste livro é a amplitude do conhecimento científico de Thompson e o mundo de Game Of Thrones. Thompson compartilha teorias de fãs, faz referência a detalhes minuciosos da série de livros, aponta onde os cientistas discordam sobre um conceito específico e mantém sua mente aberta às possibilidades.

Não existem absolutos. Por exemplo, ela ainda permite a pequena possibilidade de que pode haver um planeta lá fora, com um eixo caótico, a órbita certa e uma lua que o torna “instável” o suficiente para ter estações estranhas como em Game Of Thrones, onde o inverno está sempre vindo.

Como biólogo, descobri que os capítulos mais próximos da minha especialidade eram mais fáceis de ler, como a genética subjacente na Casa Targaryen e os relacionamentos incestuosos de Lannister.

Mas os capítulos que eram particularmente pesados ​​em física eram mais enfadonhos e exigiam que eu ocasionalmente relesse parágrafos para mantê-los atualizados.

Mesmo com as palavras úteis de Thompson como guia, houve mais do que algumas vezes em que olhei para uma figura, tentando descobrir o que ela estava tentando me dizer. Para ser justo, o livro é literalmente intitulado Fogo, Gelo e Física, então talvez eu devesse esperar isso.

Leia também: Você sabia que carne de vaca é mais nocivo para o meio ambiente do que carros?

E aqui, deve-se dar crédito ao estilo de escrita de Thompson. Mesmo quando me deparei com a mecânica quântica enquanto lia o capítulo “The Battle Of Blackwater” em uma noite de sexta-feira, meu primeiro pensamento foi “oh não” – mas continuei lendo.

Thompson não é o primeiro a olhar para o mundo de Game of Thrones através de lentes científicas. Nos últimos anos, outros pesquisadores analisaram notícias e cobertura de mídia social sobre o programa, criaram simulações baseadas em jogos inspiradas no programa para ensinar relações internacionais e até examinaram a taxa de sobrevivência de personagens importantes.

Curiosidade: a probabilidade de um personagem morrer na primeira hora era de cerca de 14%. Mas a abordagem de Thompson é única.

Então Thompson alcançou seu objetivo ao escrever Fogo, Gelo e Física? Sim, acredito que sim. Saí com uma apreciação maior da riqueza dos detalhes no mundo de fantasia de George R.R. Martin – e a percepção de que há, na verdade, uma “grande quantidade de física” em jogo quando se trata de magia no mundo de Game Of Throne

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Massive Science

ANÚNCIO