Precisamos de engenharia genética para afastar a fome global induzida pelas mudanças climáticas

ANÚNCIO

Na semana passada, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) divulgou seu Relatório Especial sobre Mudanças Climáticas e Terras, um documento de autoria de 107 especialistas de 52 países. Ele avisou que “a terra é um recurso crítico”.

A principal conclusão do relatório é que os humanos já usam quase metade das terras do planeta para a produção de alimentos e, à medida que os níveis da população global aumentam, as terras agrícolas ficarão muito escassas.

ANÚNCIO

Isso ocorre porque um dos efeitos da mudança climática será um declínio na produtividade agrícola nos trópicos, o que significa que precisaremos cortar as florestas e converter as terras não utilizadas em terras agrícolas. Esse desmatamento levará a ainda mais emissões de carbono, culminando em um ciclo vicioso de aquecimento crescente.

O relatório é uma previsão assustadora de 1.400 páginas sobre o aumento dos custos dos alimentos e a fome dos pobres do mundo. Na verdade, por trás de todos os números e estimativas de probabilidade, há uma verdade que permeia – que a mudança climática será especialmente dura para os pobres e para as pessoas que vivem nos trópicos.

O IPCC conclui que, à medida que os níveis de dióxido de carbono aumentam e o planeta se aquece, as fazendas em latitudes temperadas (ou seja, os países mais ricos da Europa e da América do Norte) verão de fato um aumento na produção.

ANÚNCIO

O dano real ocorrerá no Sul Global, reduzindo a produção de frutas e vegetais, causando um declínio na quantidade de calorias disponíveis e na qualidade nutricional dos alimentos disponíveis para as populações de maior risco do mundo.

O relatório conclui que o rendimento de alguns vegetais diminuirá em até 30%, e que entre 30 e 60% das terras para produção de feijão e até 40% das regiões de cultivo de banana na África não serão mais viáveis ​​por sua vez do século.

Saí do relatório mais frustrado do que nunca com o ambientalismo público dominante
Como resultado, o relatório afirma que até 183 milhões a mais de pessoas correrão o risco de passar fome devido às mudanças climáticas e o consequente aumento dos preços dos alimentos.

No entanto, em um gráfico particularmente assustador, o relatório também descobre que as soluções de que precisamos para mitigar a mudança climática levarão a um aumento de ~ 20% na fome na África, sudeste da Ásia e Índia. Simplesmente não há um bom resultado aqui para as pessoas que vivem perto do equador – pessoas que somam três bilhões de seres humanos, incluindo a maior parte da minha família.

Atlas da Saúde e do Clima: inundações e secas no Brasil, geradas por  mudanças climáticas, causam doenças | Eco4u
Foto: (reprodução/ internet)

E é por isso que saí do relatório mais frustrado do que nunca com o ambientalismo público dominante e com o que um especialista em política chamou de “o radicalismo vazio do apocalipse climático“.

Como são esses radicais

 

Um exemplo disso é o caso de amor do movimento ambientalista moderno com a agricultura orgânica. A agricultura orgânica nem aparece uma única vez nos capítulos do relatório do IPCC dedicados à segurança alimentar.

Isso porque é uma das piores formas de cultivo se o seu objetivo é conservar a terra. Em 2017, pesquisadores que trabalham no Instituto de Pesquisa de Agricultura Orgânica da Suíça (uma organização parcialmente financiada pela indústria orgânica) descobriram que, se o mundo se convertesse completamente para a agricultura orgânica, precisaríamos de 16 a 81% a mais de terra para alimentar o planeta.

O que pode ajudar a reduzir a pegada global da agricultura?

 

Uma solução que aparece com frequência no relatório do IPCC é o “melhoramento genético” das safras. O relatório destaca que o aumento da produtividade dos alimentos por meio de soluções tecnológicas como “novos cultivares de melhoramento ou biotecnologia” será uma parte importante da adaptação às mudanças climáticas.

Na verdade, o relatório menciona explicitamente as culturas de edição de genoma usando CRISPR-Cas9, a própria ferramenta genética que um tribunal europeu decidiu banir no ano passado e que grandes ONGs ambientais como o Greenpeace e a comunidade de agricultura orgânica se opõem por motivos ideológicos.

O último relatório também oferece alguma esperança ao apresentar 40

 

meios diferentes de prevenir o uso excessivo da terra devido às mudanças climáticas, incluindo o melhoramento genético de plantações

É essa fixação na pureza ideológica por partes do movimento ambientalista que discordo, e que é incompatível com as recomendações do IPCC. Depois de descrever o terrível estado do uso global da terra, o último relatório também oferece alguma esperança ao apresentar 40 meios diferentes de prevenir o uso excessivo da terra devido às mudanças climáticas, oito dos quais poderiam fornecer a maioria dos benefícios.

Medidas práticas

Algumas delas incluem medidas como a manutenção da

 saúde do solo, comuns em fazendas orgânicas. No entanto, outros como o manejo de pastagens para gado (que podem realmente sequestrar carbono) e o melhoramento genético de plantações são anátema para o ambientalismo cotidiano e vão contra o dogma orgânico.

Para ser justo, alguns ambientalistas dizem que se opõem à engenharia genética como parte de uma aversão geral a empresas como a Monsanto. Acho esse argumento hipócrita.

Quando o IPCC identifica a edição do genoma como uma forma de se adaptar às mudanças climáticas, criando culturas tolerantes ao calor e à seca, nenhum pesquisador agrícola realmente espera que esse desafio seja enfrentado pela Monsanto ou DuPont ou qualquer uma das grandes empresas multinacionais de sementes.

Por um lado, essas empresas simplesmente não têm grandes interesses de mercado nos países e tipos de safras que serão mais afetados pelas mudanças climáticas. Esse argumento também coloca o mundo desenvolvido e suas indústrias no centro da política de mudança climática, desviando a atenção da urgência com que o Sul Global precisa de novas safras resistentes ao clima.

A agricultura e as mudanças climáticas globais | Rehagro
Foto: (reprodução/ internet)

Em vez disso, cientistas como eu querem que safras preparadas para as mudanças climáticas sejam desenvolvidas e distribuídas gratuitamente por organizações transnacionais com financiamento público como a rede CGIAR, o grupo por trás da Revolução Verde que já teve um impacto maior na segurança alimentar no trópicos do que todas as grandes empresas privadas de sementes juntas.

E devido à facilidade de uso de novas ferramentas genéticas, já estamos vendo essa inovação na engenharia de safras acontecendo em laboratórios com financiamento público em todo o mundo: desde plantas de mandioca fazendo melhor amido, banana e berinjela resistentes a uma doença mortal, até arroz enriquecido com vitaminas e micronutrientes.

A visão que cientistas como eu têm para uma agricultura inteligente para o clima inclui culturas editadas por genoma com financiamento público, desenvolvidas por nossos colegas em países locais, usando variedades de culturas locais e compatíveis com formas de agricultura de baixo consumo de produtos químicos.

Leia também: Você sabia que carne de vaca é mais nocivo para o meio ambiente do que carros?

Essa é uma visão que eu acho que merece o apoio do movimento ambientalista e da comunidade da agricultura orgânica e, como aponta o IPCC, é necessária se quisermos nos adaptar às mudanças climáticas.

Uma vertente comum que permeia o relatório do IPCC é a importância do compromisso e da implantação de uma combinação de diversas soluções para enfrentar o problema da mudança climática e da terra. No Capítulo 1, o relatório afirma categoricamente: “nenhuma dessas opções de resposta são mutuamente exclusivas” e realmente não precisam ser.

A menos que o movimento ambientalista mude de curso, ele simplesmente terá ajudado a escrever o elogio para milhões de humanos que vivem nos trópicos

De acordo com o IPCC, precisamos combinar a biotecnologia com o manejo do solo, para administrar melhor as pastagens e, ao mesmo tempo, reduzir o consumo de carne vermelha, e tributar as emissões de gases de efeito estufa, mas também evitar que aumentem os custos dos alimentos.

Em vez disso, os ativistas prescrevem soluções infantilmente quixotescas, como se voltar inteiramente para o veganismo ou comprar apenas produtos orgânicos, o que transforma o discurso do clima em uma batalha constante, colocando os criadores de gado contra a Impossible Foods ou os cientistas vegetais contra os agricultores orgânicos.

Este último relatório do IPCC parece um obituário antecipado para milhões de humanos que vivem nos trópicos. Acredito que, a menos que o movimento ambientalista mude de rumo, ele simplesmente terá ajudado a escrever o elogio.

Leia também: Você sabia que carne de vaca é mais nocivo para o meio ambiente do que carros?

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Massive Science

ANÚNCIO