Um novo tipo de livro sobre mudança climática traz emoções para a mesa

ANÚNCIO

No início de setembro, enquanto tomava sol em uma praia da Carolina do Norte que quase certamente estará debaixo d’água em 40 anos, em meio a uma turbulenta temporada de furacões pontuada por incêndios florestais violentos, me peguei lendo All We Can Save.

All We Can Save é um livro incomum sobre mudanças climáticas. Editado por Ayana Elizabeth Johnson e Katharine K. Wilkinson, consiste em 60 ensaios e poemas, muitos dos quais não foram escritos por cientistas. Todos os ensaios são de mulheres, de uma ampla gama de diferentes países, origens raciais e étnicas, idades e profissões.

ANÚNCIO

O tema central do livro torna-se imediatamente claro: enfrentar a crise climática requer uma ação inclusiva, coletiva e radical.

E, onde parece que a maioria dos livros sobre mudança climática assume um de dois tons “tudo está condenado” ou “DEVEMOS TER ESPERANÇA!”, All We Can Save traz todas as emoções para a mesa. Dor, medo, confiança e entusiasmo sobre nosso futuro coletivo são todos igualmente bem-vindos e válidos.

Não é fofo. O livro centra o racismo e a justiça ambiental para deixar claro que não podemos lidar com as mudanças climáticas com sucesso sem cada pessoa e tipo de conhecimento.

ANÚNCIO

Outros exemplos que tratam da mesma temática

No livro “Profecia Indígena e Mãe Terra” da advogada e ativista Sherri Mitchell, Mitchell discute como alinhar o conhecimento indígena com as formas de pensar ocidentais, que não é como a ciência ocidental tradicionalmente acontecia, e como as visões do mundo indígena enfatizam a harmonia com a Terra.

natureza #indigena #indio #mato #mata #verde #planta #meioambiente #preservacao #fotografia #arlivre #canon #canont6 #lightroom | Paiva, Natureza, Meio ambiente
Foto: (reprodução/ Internet)

Na mesma linha, o ensaio da repórter climática Kendra Pierre-Louis, “Wakanda não tem subúrbios”, desafia os leitores a repensar nossas construções sociais, ou seja, a ideia de que os humanos têm uma compulsão inata para destruir o planeta.

Pierre-Louis leva o leitor a uma jornada por dezenas de histórias da cultura pop (Avatar, Waterworld, The Hunger Games e muitos mais) que alimentam essa crença. Ela argumenta que a visão mais esperançosa para a civilização na mídia popular é Wakanda do Pantera Negra.

“Os wakandenses optaram por contar uma história sobre si mesmos … que era possível melhorar a qualidade de suas vidas sem degradar o meio ambiente do qual dependem – e então o fizeram”, escreve ela.

Eu mesmo sou culpado de ter a visão pessimista de que os humanos sempre destroem a natureza. O ensaio de Pierre-Louis, entre outros, me fez questionar minha opinião.

O fato de tantos dos escritores deste grupo, que sabem muito sobre o que a humanidade já realizou e o que resta a ser enfrentado, ainda têm esperança de que possamos superar a crise climática foi encorajador para mim. Ainda não estou totalmente convencido de que isso seja possível, mas espero estar errado.

Ambos os ensaios incorporam a tese central do livro: que não podemos superar os desafios das mudanças climáticas sem mudanças estruturais reais. A maneira como os ensaios tradicionais de formato longo são pontuados com poesia de formato livre, em que as palavras estão espalhadas pelas páginas, sutilmente mostra esse ponto. Os ensaístas dizem isso sem rodeios.

Por exemplo, em seu ensaio “Um Guia de Campo para a Transformação”, Leah Cardamore Stokes reflete sobre seus próprios esforços para lidar com as mudanças climáticas em escalas cada vez maiores.

Ela começou como uma criança fazendo seus amigos reciclar suas caixas de leite da merenda escolar, convenceu sua mercearia local a parar de vender robalo chileno quando adolescente e, finalmente, fez uma campanha para conseguir que os conjuntos residenciais em sua universidade cortassem o uso de energia .

Agora professor assistente de ciência política que estuda política energética e ambiental, Stokes escreve: “Ninguém pode escolher unilateralmente viver em uma economia de baixo carbono”. A mudança climática é um desafio institucional e político que será resolvido se pudermos mudar esses sistemas para melhor.

Olhando para realidades

Juntos, os ensaios fornecem um roteiro para essa mudança. O livro está organizado em oito seções que definem o caminho: devemos enraizar, defender, reestruturar, remodelar, persistir, sentir e nutrir, até que finalmente nos levantemos.

Havia uma frase em quase todos os ensaios que era tão convincente que eu precisava escrevê-la para digerir mais tarde. Veja “Heaven or High Water”, da escritora e editora Sarah Miller.

Miller decidiu entender como o mercado imobiliário de luxo de Miami está lidando com a ameaça do aumento do nível do mar ao se passar por um rico comprador de casa em reuniões com corretores imobiliários de Miami.

Ao longo do caminho, ela ilustra brilhantemente as maneiras pelas quais os humanos se enganam ao pensar que ficaremos bem em face da mudança climática – apesar da ampla evidência em contrário.

Em 2100, Miami poderia estar a quase dois metros de profundidade e a cidade já experimenta inundações regulares em dias de sol (quando a água sobe pelo solo), mas ainda é considerada um dos lugares mais lucrativos para o investimento imobiliário.

Não está claro se os corretores imobiliários com os quais Miller fala estão mentindo abertamente quando dizem que o problema das enchentes em Miami está sob controle, se eles foram enganados pelas autoridades municipais ou se apenas entenderam mal a ciência por trás das mudanças climáticas.

A resposta é provavelmente uma combinação das três. Mas a interpretação de Miller de suas interações com eles destaca a imensa dissonância cognitiva que todos nós enfrentamos a cada dia.

O problema bate na nossa porta

Fazemos coisas corriqueiras, como comprar casas e sair de férias, sabendo que em poucas décadas aqueles lugares onde estamos comprando casas e passando férias poderiam muito bem não existir mais. Mas não podemos nos concentrar nessa grande realidade assustadora – é muito mais fácil viver nossas vidas diárias em êxtase míope.

Todos nós fazemos isso. É impossível ser uma pessoa que entende a ciência das mudanças climáticas sem se afogar na ansiedade sobre o futuro. O ensaio de Amy Westervelt chamado, “Maternidade em uma idade de extinção”, enfoca a dor e o poder que ela sente como mãe e jornalista da mudança climática.

E o poema da artista Naima Penniman “Being Human” pergunta: “Eu me pergunto se o sol debate o amanhecer / algumas manhãs / não quer se levantar / sair da cama.”

Um novo tipo de livro sobre mudança climática traz emoções para a mesa
Foto: (reprodução/ Internet)

Eu me peguei querendo perguntar a essas mulheres se e como a pandemia COVID-19 mudou suas visões sobre como a crise climática irá prosseguir. Os paralelos entre esses desastres me surpreenderam muitas vezes nos últimos meses.

Todos parecem pensar que os humanos (ou apenas eles próprios) são especiais e magicamente protegidos das regras da natureza ou das regras de uma pandemia.

Mas não somos: se você não usar máscara e continuar festejando com seus amigos, vai pegar o vírus. COVID-19 deveria ter sido um desastre relativamente “fácil” de lidar – em um episódio recente do podcast “On the Bubble”, Ed Yong chamou-o de um problema planetário inicial e disse que a mudança climática é o próximo grande problema.

Se não reduzirmos nossa dependência de combustíveis fósseis e corrigirmos os erros em nossos sistemas econômicos globais, a mudança climática vai reorganizar toda a forma como vivemos o mundo. Se você ligar as notícias, verá que já começou.

É fácil e tentador manter a cabeça na areia sobre essas coisas. Mas as mulheres corajosas que escreveram ensaios neste livro ergueram a cabeça e estão olhando para nossas possibilidades futuras com clareza.

Elas veem as promessas que o mundo mantém e defendem um novo sistema que integre o conhecimento indígena, a justiça racial e a consciência ambiental para criar economias e sociedades que funcionem para todos nós.

Elas estão transformando seus talentos em ferramentas de construção para construir esse novo sistema, comemorando as vitórias ao longo do caminho. E o mais importante, eles estão dissipando o mito de que o mundo já está perdido, trabalhando juntos em direção a um objetivo coletivo: salvar tudo o que pudermos

Leia também: Você sabia que carne de vaca é mais nocivo para o meio ambiente do que carros?

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Massive Science

ANÚNCIO