A história não contada sobre a evacuação de Dunkirk

ANÚNCIO

O filme de guerra épico de Christopher Nolan, Dunkirk, catapultou a história das evacuações de Dunkirk para a consciência coletiva com seu lançamento e aclamação da crítica.

Como qualquer pessoa que já viu o filme sabe, a rápida varredura do Exército Alemão pela Europa culminou na derrota humilhante das forças britânicas e francesas combinadas.

ANÚNCIO

Os membros restantes da Força Expedicionária Britânica ficaram presos em Dunkirk e precisam desesperadamente de resgate.

Churchill havia planejado e esperado apenas 30.000 soldados para retornar à costa britânica.

No entanto, para sua surpresa e felicidade, os esforços empenhados na evacuação juntamente com a Marinha Real e dos navios civis britânicos ajudaram a salvar quase 350.000 soldados aliados.

ANÚNCIO

Esta é a história amplamente considerada quando as pessoas falam das Evacuações de Dunkirk.

Mas uma história que raramente é contada é a do Cerco de Lille, uma batalha ocorrendo em conjunto com as evacuações que viram cerca de 40.000 soldados franceses conterem onda após onda de soldados de elite da Wehrmacht.

Sem os esforços desses bravos soldados franceses, a estimativa sombria de Churchill poderia ter se tornado realidade.

A Guerra de Mentira e a Linha Maginot

Após a declaração de guerra dos Aliados contra a Alemanha e a invasão da Polônia, houve um período conhecido como A Guerra de Mentira.

Durante esse tempo, os Aliados não fizeram muita coisa que desse a Hitler o tempo de que precisava para preparar sua invasão terrestre da França.

Ao longo da fronteira da França com a Alemanha estava a Linha Maginot. Uma linha de fortificações que foi criada para deter uma invasão alemã, a Linha Maginot era, para todos os efeitos e propósitos, impenetrável.

No entanto, a Linha Maginot só foi até a fronteira com a Bélgica, não passou por ela.

Além do mais, os franceses deixaram as Ardenas, uma área cheia de densas florestas e colinas, desprotegidas.

Os líderes franceses e britânicos acreditavam que Ardenas era uma área naturalmente impenetrável. Essa não era uma opinião compartilhada pelo alto comando alemão, no entanto.

Hitler lançou suas tropas na Bélgica, esquivando-se da Linha Maginot, e os Aliados correram em ritmo vertiginoso para encontrá-lo.

No entanto, os alemães tinham um truque na manga: Blitzkrieg.

Guerra Relâmpago

No início de maio de 1940, 50 divisões Whermacht se moveram pelas Ardenas e atrás das linhas aliadas.

Com a velocidade da luz, eles cercaram e prenderam as forças aliadas, cantando o último bolsão de resistência em Dunquerque.

Em 28 de maio, mais de 400.000 soldados aliados estavam presos em Dunkirk, esperando por uma evacuação que talvez nunca ocorresse, enquanto as forças do Eixo fechavam a rede.

Enquanto os Aliados continuavam a inundar as praias de Dunquerque, o IV e o V Corpo francês travaram uma feroz batalha rua a rua com os alemães para manter os soldados presos nas praias em segurança.

Leia também: Você sabia que existe um grupo independente de defesa de mulheres na Índia?

O cerco de Lille

O IV Corpo de exército francês sob o comando do general Aymes e o V Corpo sob o comando do general Altmayer bloqueavam todas as rotas para Dunkirk.

Lutando contra 4 divisões de infantaria e 3 divisões blindadas, os 40.000 soldados franceses foram superados pelos 160.000 soldados alemães altamente treinados que se chocaram contra eles.

Enquanto as evacuações de Dunkirk estavam em andamento, as tropas alemãs constantemente sondavam e pressionavam as linhas francesas.

O Exército francês lutou de casa em casa em uma forte retirada pelos subúrbios de Lille, ainda ocupados por muitos civis franceses.

Ao longo de 4 dias inteiros de combate, os Aliados evacuaram quase todos os seus homens em Dunquerque enquanto o exército francês permaneceu forte.

À meia-noite de 31 de maio, após o último navio de evacuação ter deixado a costa francesa e com a comida e a munição acabando, os comandantes das tropas francesas negociaram a rendição com o comandante alemão General Kurt Waeger.

Uma rendição honrosa

No sábado, 1º de junho, 35.000 soldados franceses e algumas tropas britânicas restantes se renderam aos alemães em La Grand Place.

O general Waeger, mais do que impressionado com a tenacidade dos soldados franceses, concedeu-lhes as honras da guerra e a guarnição francesa desfilou pela Grand Place enquanto as tropas alemãs ficavam em posição de sentido, saudando seus inimigos derrotados.

Por esta honra, o general Waeger foi severamente repreendido pelo alto comando alemão.

Uma contribuição galante e esplêndida

Churchill mais tarde passou a descrever o Cerco de Lille como uma “esplêndida contribuição” ao esforço de guerra Aliado, devido à maneira como atrasou o avanço alemão por quatro dias inteiros, permitindo que a Força Expedicionária Britânica escapasse de Dunquerque.

Desviando cerca de sete divisões alemãs por quatro dias inteiros, os esforços do Exército francês no Cerco de Lille, sem dúvida, ajudaram os britânicos em sua próxima campanha, além de fornecer um gigantesco impulso moral para as forças britânicas.

Os franceses recebem má reputação por se renderem, mas o Cerco de Lille mostra que a rendição pode vir com uma grande honra.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: The Facts Site

ANÚNCIO