Arqueólogos descobrem fast-food em Pompéia

ANÚNCIO

Para ilustrar este ponto, arqueólogos recentemente escavaram o que poderia ser o mais antigo restaurante de fast food intacto do mundo. Este restaurante de comida de 2000 anos foi encontrado na famosa cidade romana de Pompéia, que foi destruída e enterrada quando o Monte Vesúvio entrou em erupção em 79 DC.

Arqueólogos descobrem fast-food em Pompéia
Foto: (reprodução/REUETRS)

Escavações em 2019 já tinham descoberto partes da estrutura. No entanto, a recuperação do restaurante completo nos dá uma espiada na vida dos cidadãos romanos.

ANÚNCIO

“Além de ser mais uma visão da vida diária em Pompéia, as possibilidades de estudo deste termopólio são excepcionais, pois pela primeira vez uma área deste tipo foi escavada em sua totalidade, e foi possível realizar todas as análises que a tecnologia atual permite”, disse Massimo Osanna, diretor geral interino do Parque Arqueológico de Pompéia, em uma declaração.

Restaurantes fast-food em Pompéia

O termopólio recém escavado foi localizado por uma pequena praça, que também abrigou uma cisterna, uma torre de água e uma fonte. Parece ser uma posição privilegiada para vender alimentos aos transeuntes.

O restaurante em si consistia de uma estrutura de carvalho e um balcão, sobre os quais se encontram vários grandes furos circulares. Os antigos trabalhadores da fast food teriam colocado uma panela ou tigela em cada buraco, e mantido a comida quente com brasas ou com um fogo embaixo deles.

ANÚNCIO
Arqueólogos descobrem fast-food em Pompéia
Foto: (reprodução/internet)

O que há de especial neste balcão, porém, é que sua pintura decorativa foi preservada. No lado mais comprido do balcão há um quadro de uma Nereida – uma ninfa marinha da mitologia grega – cavalgando um cavalo marinho através das ondas.

Mas não é apenas o restaurante em si que os arqueólogos conseguiram desenterrar. Eles também encontraram ossos e outros fragmentos que revelam que tipo de comida o restaurante servia.

Leia também: Pesquisas comprovam que a Lua ‘desapareceu’ brevemente há 1.000 anos atrás

O restaurante não tinha hambúrgueres no cardápio, mas a presença de partes de animais indica que a carne era uma parte regular de seus pratos. Coincidindo com as ilustrações no balcão, tanto ossos de pato como de frango foram encontrados em alguns recipientes do restaurante.

A descoberta dos arqueólogos

Além disso, os arqueólogos descobriram ossos de cabras, porcos e peixes, ao lado de conchas de caramujos terrestres. Parece que os romanos apreciaram a variedade em seus menus.

Em um recipiente de barro – conhecido como dolium – os pesquisadores encontraram restos de feijão de fava. Estes feijões não foram comidos. Os restos de vinho no prato indicam que o feijão havia sido moído e adicionado ao vinho para alterar seu sabor e cor, de acordo com uma receita de um antigo livro de cozinha romano De re Coquinaria.

Leia mais: Mergulhadores que exploram o Titanic tornaram uma nova descoberta “profundamente chocante”?

É provável que os ossos pertençam a vítimas azaradas da erupção do Monte Vesúvio que destruiu a cidade. Uma das pessoas tinha sido um homem velho acima de 50 anos de idade que, no momento de sua morte, estava deitado em uma cama dentro da estrutura. 

Os ossos do outro indivíduo foram encontrados dentro de um dos pratos de dolium. Os arqueólogos suspeitam que alguém os tenha movido, talvez durante uma escavação anterior não registrada.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fontes: ODDEE,  Pompeii Sites

ANÚNCIO