As consequências da legalização da maconha no Colorado

ANÚNCIO

Quando os eleitores do Colorado aprovaram a Emenda 64 no dia da eleição de 2012, o estado se juntou a Washington para se tornar um dos primeiros no país a legalizar o uso recreativo e pessoal da cannabis.

Desde então, observadores e ativistas, de ambos os lados do debate, monitoraram de perto os efeitos e consequências da escolha do Colorado e Washington. Os oponentes alegaram ter havido um aumento na criminalidade, nos acidentes de trânsito e em outros problemas.

ANÚNCIO

Para marcar o quinto aniversário da Emenda 64 em novembro de 2017, o Colorado Springs Gazette publicou um editorial destacando o que alegou ser o “conto de advertência embaraçoso” da política: um aumento de desabrigados, uma duplicação de colisões de tráfego fatais envolvendo motoristas intoxicados por maconha , e um aumento nas violações das drogas nas escolas do Colorado.

O artigo foi posteriormente republicado pelo jornal Oklahoman, e recebemos perguntas de leitores sobre a exatidão de suas afirmações.

Sem-teto

Cinco anos de maconha no varejo”, afirma o editorial, “coincidem com cinco anos de uma taxa de crescimento da população sem-teto que está entre as mais altas do país”.

ANÚNCIO

Diretores de abrigos e pessoas que vivem nas ruas nos dizem que os consumidores de substâncias sem-teto migram para colorado com o intuito de ter acesso fácil à maconha.

O elemento estatístico dessa afirmação é um tanto complicado, mas amplamente preciso. De acordo com dados publicados pelo Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano, o número de pessoas sem-teto no Colorado na verdade caiu 34,8% entre janeiro de 2012 (antes da mudança da lei) e janeiro de 2017. Essa é a nona maior redução de sem-teto no país durante esse período.

No entanto, se você medir de janeiro de 2013 (um mês depois que o uso pessoal de cannabis se tornou legal) a janeiro de 2017, houve um aumento de 12,2 por cento, o sexto maior aumento no estado de sem-teto no país, mas isso se deve em grande parte a um Base anormalmente baixa em 2013, causada por um declínio extraordinário de 42 por cento entre 2012 e 2013.

Em média, o número de desabrigados no Colorado caiu 6% a cada ano entre 2012 e 2017, o que dá ao Colorado a 17ª maior taxa média anual de declínio no número de desabrigados durante esses seis anos. No entanto, entre janeiro de 2013 e janeiro de 2017, houve um aumento médio anual de 2,94%, entre os 10 piores registros do país.

De janeiro de 2014 (seis meses antes das vendas de cannabis no varejo se tornarem legais) e janeiro de 2017, houve um aumento de 9,1% na população de rua no Colorado, o sétimo maior aumento no país durante esse período. E o aumento médio anual nesses três anos foi de 2,98%, também entre os 10 maiores aumentos anuais do país.

As estatísticas apresentam um quadro misto, mas geralmente dão suporte à alegação de que o número de sem-teto aumentou no Colorado desde a legalização da cannabis e que esse aumento está entre os mais altos já vistos em todo o país. No entanto, há dúvidas significativas sobre se a legalização da cannabis causou ou contribuiu para esse aumento no número de sem-teto. As estatísticas podem aumentar simultaneamente sem estar vinculadas.

Cathy Alderman, vice-presidente de comunicações da Coalizão para os sem-teto do Colorado, rejeita a noção de uma conexão causal. Falando por telefone, ela nos disse “não há dados reais que mostrem isso”.

Não acreditamos necessariamente que as pessoas estão se mudando para o Colorado, ficando sem teto por causa da maconha legalizada … Sabemos que, entre as pessoas que vivem em situação de rua, o uso da maconha é mais visível porque, ao contrário das pessoas que podem ir ao dispensário, comprar seu produto, leva pra casa e usa, essa gente não tem casa pra levar … mas a gente ainda não ouviu falar que por causa da maconha as pessoas estão ficando sem teto.

Alderman afirma que “com certeza”  houve um aumento no número de desabrigados no estado desde 2012/2013, e que as estatísticas de Habitação e Desenvolvimento Urbano estão subestimadas. No entanto, ela nos contou que as principais causas do aumento incluem:

A falta de opções de habitação a preços acessíveis, o aumento do aluguel… e o fato de que os salários não acompanham o custo de vida e a inflação.

Leia também: O que tem levado o Estados Unidos a importar papel higiênico do México?

Colisões fatais de trânsito

O artigo afirma:

Cinco anos do Big Maconha marcou o dobro do número de motoristas envolvidos em acidentes fatais com resultado positivo para maconha, com base na pesquisa do Denver Post pró-legalização.”

Esta afirmação parece ter sido tirada de um relatório de agosto de 2017 do Denver Post, que dizia:

O número de motoristas envolvidos em acidentes fatais no Colorado com teste positivo para maconha aumentou drasticamente a cada ano desde 2013, mais do que dobrando naquele tempo, mostram os dados federais e estaduais.

O artigo apontava para estatísticas da National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA) que mostram que o número de motoristas em acidentes fatais com teste positivo para maconha aumentou 145 por cento entre 2013 e 2016.

Da mesma forma, a porcentagem de motoristas envolvidos em acidentes fatais que testaram o positivo para a maconha cresceu de 10% em 2013 para 20% em 2016, disse o artigo.

No entanto, o relatório do Denver Post destaca uma importante isenção de responsabilidade. O THC (o principal componente da cannabis) pode permanecer na corrente sanguínea de uma pessoa por semanas após o uso, o que significa que um teste positivo não significa que um motorista estava debilitado no momento de um acidente fatal ou que o uso de cannabis causou a colisão.

Em geral, o uso de maconha aumentou significativamente no Colorado desde sua legalização. De acordo com números da Pesquisa Nacional sobre Uso de Drogas e Saúde, os adultos no estado que consumiram maconha no mês anterior à pesquisa passaram de 12,86% da população adulta em 2012/13 para 16,62% em 2015/16.

Isso é um aumento de 29 por cento, em comparação com o aumento de 100 por cento na porcentagem de motoristas em acidentes fatais com teste positivo para cannabis (de 10 a 20 por cento.) Isso sugere que o aumento geral no consumo de cannabis no Colorado pode ser responsável por parte desse aumento no teste positivo de maconha – mas continua sendo uma sugestão, sem testes mais eficazes para intoxicação por maconha.

Aumento de violações de drogas em escolas

O op-ed diz:

Cinco anos de maconha comercial foram cinco anos de mais maconha nas escolas do que os professores e administradores jamais temeram.

Como prova disso, o Gazette aponta para o que chama de relatório do “final de 2016” da afiliada das Montanhas Rochosas da PBS. Esse relatório refere-se vagamente aos “últimos quatro anos” como um período em que “o número de violações das drogas relatadas pelas escolas K-12 do Colorado [sic] aumentou 45 por cento”.

De acordo com o Gazette, a investigação da PBS também descobriu “um aumento de 71% nas violações de drogas no ensino médio desde a legalização”.

Este resumo do relatório da Rocky Mountain PBS é extremamente enganoso. Embora a versão online do relatório tenha sido atualizada em outubro de 2016, ele foi publicado originalmente em fevereiro de 2012. Os “quatro anos” em questão foram de 2007-08 a 2010-11.

Em outras palavras, o aumento nas violações de drogas nas escolas e suspensões relacionadas às drogas que o Gazette atribuiu à legalização da cannabis recreativa aconteceu 18 meses antes da cannabis recreativa ser legalizada. A maconha medicinal é legal no Colorado desde 2000.

Além do mais, o relatório da PBS de 2012 estipulou que o aumento de 71 por cento nas violações das drogas no ensino médio foi específico para a cidade de Denver, um detalhe que o editorial do Gazette deixou de fora.

E como o relatório de 2012 apontou, o aumento de 45 por cento nas violações das drogas nas escolas K-12 não era específico da maconha, embora os autores do relatório acrescentassem que “entrevistas com funcionários de escolas e distritos, profissionais de saúde e estudantes em todo o Colorado retratam a maconha como a causa esmagadora do aumento.

As autoridades do Colorado só começaram a separar os incidentes relacionados à maconha dos incidentes envolvendo outras drogas em 2015-16. Naquele ano, houve 3.704 violações da maconha e 2.047 violações envolvendo outras drogas.

O editorial do Gazette também afirmou falsamente que os adolescentes do Colorado tinham a maior taxa de uso de cannabis no país:

A Pesquisa Nacional sobre Uso de Drogas e Saúde descobriu que o Colorado ocupa o primeiro lugar no país no uso de maconha entre os adolescentes, com pontuação bem acima da média nacional.”

Em 2015-16, cerca de 9,08 por cento dos jovens de 12 a 17 anos no Colorado disseram que haviam usado maconha no mês anterior à realização da pesquisa. Essa é a sétima maior (não a mais alta) taxa de uso mensal do país. Quando se trata de usar maconha no ano anterior à pesquisa, os adolescentes do Colorado têm a sexta maior taxa do país, com 16,21 por cento dizendo que já haviam se envolvido nos 12 meses anteriores.

Curiosamente, a taxa de uso por adolescentes caiu no Colorado desde 2012-2013, quando o uso recreativo foi legalizado no estado. Então, 11,16 por cento dos jovens de 12 a 17 anos disseram ter experimentado maconha naquele mês e 18,76 por cento naquele ano.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante

Fonte: Snopes

ANÚNCIO