As consequências do desastre nuclear de Chernobyl no Reino Unido

ANÚNCIO

Entre os dias 25 e 26 de abril de 1986, o reator número 4 da Usina Nuclear de Chernobyl entrou em colapso: o resultado tragicamente irônico de um teste de segurança simulando uma queda de energia.

Localizado na agora abandonada cidade ucraniana de Pripyat, o condenado reator expeliu uma enorme nuvem de detritos radioativos e fumaça na atmosfera.

ANÚNCIO

Este seria o pior desastre nuclear da humanidade (até agora) e teve um efeito profundo na paisagem circundante. No entanto, também afetou o resto do mundo.

Estima-se que a explosão liberou cerca de quatrocentas vezes mais material radioativo na atmosfera do que os bombardeios de Hiroshima e Nagasaki juntos.

Apesar de estar a mais de 1.600 milhas de distância, o Reino Unido sentiu os efeitos da nuvem radioativa de Chernobyl.

ANÚNCIO

Leia também: A história não contada sobre a evacuação de Dunkirk

Ovelhas “Marcar e Soltar”

Os efeitos disso foram sentidos mais severamente no País de Gales, na Escócia e em alguns condados do norte da Inglaterra, como Cumbria, que sofreram fortes chuvas quando a nuvem radioativa passou sobre eles.

Devido a esta chuva radioativa, houve contaminação moderada das pastagens para ovelhas nessas áreas, e como tal as ovelhas criadas  estavam em risco de contaminação radioativa.

A British Food Standards Agency (FSA) impôs restrições a 9.800 fazendas no Reino Unido, a maioria delas localizadas no País de Gales e em Cumbria.

Devido às partículas radioativas ficarem presas na turfa das terras altas nessas áreas, as ovelhas que pastavam nelas tiveram que ser monitoradas por seus criadores.

Antes de serem retiradas do terreno elevado para venda, as ovelhas tiveram que ser testadas quanto aos níveis de Césio-137 pela FSA.

Os fazendeiros receberam £ 1,30 a mais por animal da FSA para compensar o tempo extra de verificação, algo conhecido como restrições de “Marca e Liberação”.

As restrições finais “Marca e Libertação” acabaram de ser levantadas nas últimas 8 fazendas de ovelhas em Cumbria e nas últimas 327 fazendas de ovelhas galesas em 2012, pondo fim à incerteza de cordeiros galeses e cumbrianos contaminados.

Loch Ness

Um local onde o efeito das chuvas radioativas de Chernobyl ainda está muito presente hoje é o famoso Loch Ness na Escócia.

Mais popularmente conhecido por ser o lar do antigo mito urbano sobre o monstro de Loch Ness, ou Nessie, este Loch escocês guarda uma lembrança permanente do desastre de Chernobyl.

Um estudo sobre os efeitos poluentes da chuva ácida infligida ao Loch Ness ao longo dos anos viu um núcleo de sedimento retirado em 170 metros de água e analisado por uma equipe de cientistas da University College London como parte do “Projeto ROSETTA”.

Parte da análise realizada no sedimento incluiu testes para isótopos radioativos que se revelaram positivos.

Esses isótopos radioativos foram analisados ​​e considerados correlativos com aqueles liberados pela precipitação do desastre de Chernobyl, provando que seus efeitos ainda estão presentes hoje.

Embora o Reino Unido felizmente não tenha sofrido nenhum perigo imediato e sério com o desastre de Chernobyl, o fato de sentir os efeitos de tão longe mostra o quão longe foi a explosão.

Mais ainda, ele realmente coloca em perspectiva como nosso pequeno mundo realmente está interligado, e o quanto o que fazemos afeta a atmosfera para todos nós.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: The Facts Site

ANÚNCIO