Como lagartos frígidos caindo das árvores revelaram a crescente tolerância ao frio dos répteis

ANÚNCIO

Depois da noite mais fria no sul da Flórida em uma década, lagartos estavam caindo das palmeiras, pousando patas para cima. 

Os cientistas que correram para investigar os répteis caídos descobriram agora que, apesar dessas quedas sem graça, algumas dessas criaturas tropicais de sangue frio são na verdade mais resistentes ao frio do que se pensava.

ANÚNCIO

A descoberta lança luz sobre como algumas espécies podem responder a eventos climáticos extremos causados​​por mudanças climáticas causadas pelo homem. 

Embora se espere que a mudança climática inclua um aquecimento global gradual, os cientistas acreditam que eventos extremos, como ondas de calor, ondas de frio, secas e chuvas torrenciais também podem aumentar em número e força com o tempo.

A ideia para o novo estudo nasceu depois que o ecologista evolucionário James Stroud recebeu uma foto de um amigo em Key Biscayne, uma cidade insular ao sul de Miami, de uma iguana de cerca de 60 centímetros de comprimento em uma calçada. Na noite anterior, as temperaturas caíram para pouco menos de 4,4 ° Celsius (40 ° Fahrenheit).

ANÚNCIO

“Quando a temperatura do ar cai abaixo de um limite crítico, os lagartos perdem a capacidade de se mover”, diz Stroud, da Universidade de Washington em St. Louis. Lagartos que dormem nas árvores “podem perder o controle”. Lagartos atordoados no solo são provavelmente presas fáceis para predadores, observa ele.

Como lagartos frígidos caindo das árvores revelaram a crescente tolerância ao frio dos répteis
Foto: (reprodução/ internet)

Percebendo que a onda de frio poderia ser usada para estudar como instâncias futuras de clima extremo podem afetar esses animais na natureza, Stroud e seus colegas correram para coletar espécimes vivos de tantos tipos diferentes de lagartos quanto pudessem na área de Miami.

Os pesquisadores então testaram o quão bem as seis espécies de répteis que eles capturaram toleraram o frio colando termômetros nos animais, colocando-os em um grande refrigerador de gelo e observando o quão frio eles ficavam antes de ficarem atordoados demais para se endireitarem após serem virados de costas.

Stroud e colegas já haviam executado testes semelhantes nessas espécies de lagartos como parte da pesquisa sobre espécies invasoras. Esse trabalho em 2016 sugeriu que os répteis podem não resistir facilmente a estalos de frio como o recente – as tolerâncias ao frio variaram de tão baixo quanto cerca de 7,7 ° C para o anole de crista porto-riquenho(Anolis cristatellus) a cerca de 11,1 ° C para o basilisco marrom ( Basiliscus vittatus).

O novo estudo, no entanto, revelou que os répteis agora podem suportar temperaturas cerca de 1 a 4 graus C mais frias. Estranhamente, os lagartos, em média, podiam suportar o frio até a mesma temperatura mais baixa, cerca de 5,5 ° C, relataram os pesquisadores nas cartas de biologia de outubro. 

Dada a grande variação de tamanho, ecologia e fisiologia entre essas espécies, “este foi um resultado realmente inesperado”, e um para o qual os pesquisadores não têm uma explicação, diz Stroud.

A seleção natural pode estar por trás da mudança, significando que temperaturas anormalmente frias estão matando aqueles indivíduos que não poderiam sobreviver e deixando para trás aqueles que são mais capazes de tolerar o frio. 

Alternativamente, os corpos dos répteis poderiam ter mudado de alguma forma para se aclimatar às temperaturas mais frias. Stroud espera, no futuro, medir a tolerância dos lagartos ao frio imediatamente antes de uma previsão de onda de frio e, em seguida, examinar os mesmos répteis imediatamente depois para procurar sinais de aclimatação.

Os cientistas há muito pensam que as espécies tropicais, que normalmente evoluem em ambientes termicamente estáveis, podem se mostrar especialmente vulneráveis ​​a grandes mudanças de temperatura. 

Este novo estudo revela uma maneira pela qual as espécies podem evoluir rapidamente ou se aclimatar, o que “pode fornecer aos ecossistemas alguma resiliência a eventos climáticos extremos”, diz Alex Pigot, ecologista da University College London que não participou da pesquisa.

Uma questão restante “é se essa resiliência também se aplica a eventos de aquecimento extremo”, acrescenta Pigot. “Evidências anteriores sugeriram que os limites térmicos superiores das espécies podem ser menos flexíveis do que seus limites térmicos inferiores.”

Leia Também:Passarinho bebês ganham resistência quando seus pais as chutam do ninho

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: The Guardian

ANÚNCIO