Como o intestino protege o cérebro

ANÚNCIO

O intestino é bem conhecido por ser a primeira linha de defesa contra infecções, mas parece que também protege nosso órgão mais importante – o cérebro.

De acordo com novas pesquisas surpreendentes, os anticorpos que defendem o perímetro do cérebro são normalmente encontrados e treinados por nosso intestino.

ANÚNCIO

Esta descoberta abre uma nova área da neuroimunologia, mostrando que células produtoras de anticorpos educadas no intestino habitam e defendem regiões que circundam o sistema nervoso central”, disse Dorian McGavern do National Institutes of Health, EUA, coautor de um artigo em a revista Nature.

Pesquisa

O trabalho reuniu pesquisadores do NIS e da University of Cambridge, no Reino Unido. Eles descobriram que anticorpos IgA especiais estavam presentes nas meninges externas – membranas que cobrem o cérebro e a medula espinhal – de camundongos e humanos.

Essa descoberta foi completamente inesperada”, diz McGavern. “Antes do nosso estudo, não havia demonstrado que as células IgA residissem na dura-máter – a meninge externa – em condições de estado estacionário.”

ANÚNCIO

Os pesquisadores primeiro encontraram essas células em camundongos e depois confirmaram que a IgA também estava presente em células humanas coletadas das meninges durante a cirurgia.

Eles usaram o sequenciamento de DNA para identificar a origem dessas células IgA e descobriram que, entre milhões de sequências de IgA, elas se pareciam mais com uma IgA intestinal muito específica que ocorria no intestino.

Compreensivelmente, o microbioma intestinal ajuda a IgA intestinal a aprender a se defender contra infecções que podem entrar em nosso estômago e intestino, mas essas duas IgA compartilham uma origem, o que significa que as células IgA cerebrais compartilham o mesmo campo de treinamento.

É realmente notável que em um pedaço tão pequeno de intestino víssemos uma grande sobreposição com as células das meninges”, diz McGavern. “Esses dados fornecem evidências mais convincentes de que o cérebro é protegido por células imunológicas que são educadas no intestino.”

A IgA é geralmente encontrada nas narinas, pulmões e intestinos, pois protege as superfícies mucosas que podem entrar em contato com algo externo ao corpo. No entanto, o cérebro não está tão perto de um orifício quanto as narinas e o estômago, então as bactérias só podem chegar lá através da corrente sanguínea, e é por isso que essa descoberta é uma surpresa.

“Mas, na verdade, faz todo o sentido: mesmo uma pequena brecha na barreira intestinal permitirá que insetos entrem na corrente sanguínea, com consequências devastadoras se forem capazes de se espalhar para o cérebro”, diz Menna Clatworthy, de Cambridge.

Semear as meninges com células produtoras de anticorpos que são selecionadas para reconhecer micróbios intestinais garante a defesa contra os invasores mais prováveis.

Conclusões

A equipe conseguiu confirmar que o microbioma intestinal influenciava a IgA cerebral, testando ratos que não tinham bactérias intestinais. Esses ratos não tinham células que produziam IgA perto do cérebro, potencialmente porque as células de IgA do intestino não conseguiam aprender a reconhecer bactérias intestinais nocivas.

Quando eles removeram o plasma protetor das meninges, os micróbios foram capazes de se espalhar para o cérebro através da corrente sanguínea porque a IgA cerebral não estava presente para capturá-los e destruí-los.

Quando substituíram as bactérias intestinais dos camundongos, a IgA cerebral foi produzida novamente, o que mostra uma correlação muito forte entre o microbioma intestinal e a defesa cerebral.

Eles testaram esse sistema de defesa infectando ratos com um fungo nocivo que é conhecido por ser capturado por IgA, assim como uma bactéria. Os ratos com as células IgA corretas sobreviveram, mas os ratos sem as células foram incapazes de prevenir a infecção.

Ao simplesmente remover as células IgA das meninges e sem afetar nenhuma outra célula do sistema imunológico, esse fungo deixou de ser um patógeno controlado para causar uma infecção cerebral fatal”, diz McGavern. “Isso mostra claramente a importância da resposta imunológica local.

Leia Também: Veja por que a Apple diz que está deixando iPhones mais lentos

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Cosmos

ANÚNCIO