Conexão social é algo que desejamos

ANÚNCIO

 

Apenas um dia de isolamento social forçado evoca uma resposta neural semelhante à privação de comida, descobriram cientistas dos EUA, comparando-a a um desejo de fome.

ANÚNCIO

“Isso destaca a importância de estar conectado com outras pessoas para os humanos”, diz Livia Tomova, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, autora principal de um artigo publicado na Nature Neuroscience.

Acho importante atentar para essa dimensão social da crise atual”, acrescenta, principalmente para o extremo distanciamento social vivido por pessoas que moram sozinhas ou têm acesso restrito às tecnologias digitais, como as redes sociais.

Está bem estabelecido que a solidão e o isolamento social prolongado têm impactos adversos na saúde física e mental, como Tomova e a equipe observaram em seu artigo.

ANÚNCIO

Para explorar os efeitos do isolamento obrigatório de curto prazo de uma perspectiva neurológica, eles recrutaram 40 voluntários saudáveis ​​e socialmente conectados com idade entre 18 e 40 anos para cada um passar por 10 horas separadas de isolamento social e jejum, preenchendo questionários antes e depois.

Em seguida, os participantes viram fotos de suas atividades sociais favoritas, comida ou flores, enquanto seus cérebros eram escaneados com ressonância magnética funcional (fMRI), visando seu sistema de recompensa de motivação central no mesencéfalo, a substantia nigra.

Após o isolamento social, eles relataram um aumento do desejo social, solidão, desconforto, aversão ao isolamento e diminuição da felicidade e após o jejum notaram um aumento do desejo por comida, fome, desconforto e aversão ao jejum.

O “centro de motivação” do cérebro respondeu de maneira semelhante após o isolamento e após o jejum – após o isolamento para imagens de pessoas (não comida) e após o jejum para imagens de comida (não para fotos sociais) – e estes foram correlacionados com o desejo auto-relatado para contato social ou comida. 

As respostas foram mais semelhantes entre si do que as evocadas por imagens de flores.

“Se um dia sozinho já faz nossos cérebros responderem como se tivéssemos jejuado o dia todo, isso sugere que nossos cérebros são muito sensíveis à experiência de estar só”, diz Tomova.

Estar sozinho nem sempre é uma coisa ruim, é claro, ela observa; pode ser restaurador e melhorar a vida quando propositalmente procurado.

“Pesquisas anteriores mostraram que, quando escolhida intencionalmente, a solidão pode ter efeitos positivos no bem-estar. No entanto, atualmente as pessoas têm pouca escolha sobre se isolar ou não e enquanto algumas pessoas podem não se importar tanto, outras podem sofrer por se sentirem desconectadas de outras pessoas. ”

Leia Também:As algas que inundam o Oceano Atlântico

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Cosmos Magazine

ANÚNCIO