Conheça Hertha Ayrton, a matemática que limpou as trincheiras de gás venenoso da 1ª Guerra Mundial

ANÚNCIO

Matemática, inventora e amiga de Marie Curie, Hertha Ayrton foi uma defensora declarada dos direitos das mulheres na ciência e na cabine de votação. Seu leque de Ayrton dissipou a fumaça tóxica das trincheiras da Primeira Guerra Mundial, e sua pesquisa sobre o funcionamento da lâmpada de Londres lhe rendeu a primeira Medalha Hughes concedida a uma mulher.

Embora suas invenções tenham impressionado seus colegas e salvado a vida de soldados, poucos de seus colegas apoiaram seus esforços pela igualdade das mulheres durante sua vida.

ANÚNCIO

Filha de um relojoeiro polonês, Hertha nasceu em 1854 como Phoebe Sarah Marks. Ela tinha um dom natural para mexer, o que lhe valeu o apelido de “Beautiful Genius”.

Quando ela tinha apenas sete anos, seu pai morreu e deixou sua mãe na pobreza com oito filhos pequenos. Ainda assim, sua mãe reconheceu os talentos intelectuais de Hertha e então, quando surgiu a oportunidade de Hertha ir para Londres e morar com sua tia que dirigia uma escola, sua mãe permitiu que ela fosse.

Ela estudou matemática, latim, francês e música até que, aos 16 anos, foi obrigada a trabalhar como governanta residente para enviar dinheiro para sua família em Portsea.

ANÚNCIO

Um esfigmógrafo

Foi nessa época – em uma reunião de sufrágio feminino – que Hertha conheceu Madame Barbara Bodichon, uma proeminente educadora, artista e fundadora do Girton College para mulheres em Cambridge.

Bodichon ajudou Hertha a entrar em Girton para estudar matemática. Foi também nessa época que ela adquiriu o apelido de “Hertha” de um poema de Algernon Swinburne.

Enquanto estudante na faculdade, e com a ajuda de Bodichon, Hertha registrou patentes para várias invenções, incluindo um divisor de linha que poderia ser usado por artistas e designers para dividir as linhas em partes iguais ou aumentar os desenhos, e um esfigmógrafo que poderia registrar a pulso.

Hertha arquivaria 26 patentes diferentes em sua vida, se esforçando para esculpir um registro das realizações das mulheres que outros pudessem seguir.

A sphygmograph, a device for measuring a pulse, attached to a person's wrist
Foto: (reprodução/ internet)

“Mais vidas que um gato”

Depois de terminar a faculdade, Hertha conseguiu um emprego como professora de matemática. Ela também se matriculou em aulas noturnas no Finsbury Technical College e, no ano seguinte, casou-se com seu professor de engenharia elétrica, William Ayrton. Ele se tornaria seu colaborador e um campeão de suas pesquisas científicas.

William admirou os talentos de sua esposa, comentando com um amigo que “você e eu somos pessoas capazes, mas Hertha é um gênio.

Desafiando as convenções da época e para a desaprovação de alguns colegas, William apoiou as pesquisas científicas de sua esposa, até mesmo montando um laboratório para ela no último andar de sua casa.

Embora o casal compartilhasse muitos interesses intelectuais, William teve o cuidado de não colaborar com Hertha em alguns de seus projetos para garantir que ela não perdesse o crédito por seu trabalho.

No entanto, Hertha lutou ao longo de sua vida para receber o reconhecimento por suas próprias conquistas, uma vez afirmando que “erros são notoriamente difíceis de matar, mas um erro que atribui a um homem o que na verdade foi obra de uma mulher tem mais vidas do que um gato”.

O arco elétrico

Em 1893, Hertha assumiu um projeto de William investigando a causa de um irritante ruído sibilante vindo do arco elétrico, que alimentava lâmpadas em Londres na época.

As lâmpadas consistiam em duas hastes de carbono com uma carga correndo entre elas que produzia um arco de luz no espaço entre as hastes. Hertha foi o primeiro a descobrir que esse chiado alto era devido à oxidação dos eletrodos de carbono.

Se você simplesmente envolvesse toda a engenhoca em uma lâmpada para que não ficasse exposta ao ar livre, o chiado cessava.

O trabalho notável de Hertha no arco elétrico ganhou a atenção e admiração de cientistas contemporâneos. Ela foi a primeira mulher convidada a dar um artigo na Instituição de Engenheiros Elétricos em 1899 e tornou-se a primeira mulher eleita como membro dessa instituição.

Ela falou sobre suas descobertas no Congresso Internacional de Mulheres em Londres e no Congresso Elétrico em Paris. Suas aparições convenceram a Associação Britânica para o Avanço da Ciência a incluir mulheres em comitês científicos.

Conheça Hertha Ayrton, a matemática que limpou as trincheiras de gás venenoso da 1ª Guerra Mundial
Foto: (reprodução/ internet)

Mas mesmo com todo esse sucesso, ela ainda enfrentou barreiras. Em 1901, seu artigo sobre o arco elétrico foi apresentado à Royal Society por um homem que a substituiu, já que as mulheres não podiam entrar.

Em 1902, seu nome foi apresentado para admissão na Royal Society, mas foi rejeitado por uma maioria de votos porque, simplesmente, eles eram “da opinião de que as mulheres casadas não são elegíveis como companheiras da Royal Society“.

 

Esta decisão manteve-se mesmo depois de, em 1906, Hertha se tornar a primeira mulher – e apenas a segunda mulher até à data – a receber a Medalha Hughes por investigação notável na área da energia.

Uma amizade forjada na rejeição

 

A recusa de admissão em uma prestigiosa sociedade científica colocou Hertha em boa companhia. Durante o mesmo período,embora ela já tivesse ganhado um Prêmio Nobel de Física e estivesse prestes a ganhar um Prêmio Nobel de Química, Marie Curie foi negada a admissão na Academie des Sciences.

Leia também: Conheça Antonia Maury, renegada da astronomia que mudou a forma como classificamos as estrelas

Quando Curie foi nomeado para membro da Academie in Nature, Hertha escreveu uma carta aos membros em nome de Marie Curie solicitando “igualdade de tratamento do trabalho intelectual, independentemente do sexo dos trabalhadores“.

Ligadas pela rejeição e por serem físicas que também eram viúvas de físicos (William Ayrton morreu em 1908), as duas mulheres formaram uma amizade rápida e passaram os verões com seus filhos na costa de Hampshire. Hertha supostamente conseguiu que Marie Curie se juntasse ao movimento sufragista feminino e assinasse

 

 

a petição internacional para libertar as sufragistas britânicas presas e em greve de fome em 1912.

Fazendo ondas

Essas viagens à costa de Hampshire inspiraram o próximo grande projeto de Hertha, em movimentos ondulantes na areia e na água.

Ela se interessou pela dinâmica das aparências onduladas da areia na praia. Seu artigo de 1910 sobre o assunto, “The Origin and Growth of Ripple-Mark”, foi publicado pela Royal Society, embora eles ainda não a aceitassem como membro.

O artigo, embora creditado a ela, está listado como tendo sido “Comunicado pelo falecido Prof. W. E. Ayrton.” Mesmo após a morte, os homens receberam crédito pelo trabalho das mulheres.

Conheça Hertha Ayrton, a matemática que limpou as trincheiras de gás venenoso da 1ª Guerra Mundial
Foto: (reprodução/ internet)

Hertha posteriormente desenvolveu essa linha de trabalho em sua invenção do ventilador Ayrton, que usava os princípios do movimento das ondas para expelir gás venenoso de trincheiras de guerra.

O uso de cloro, fosgênio e gás mostarda como armas estava se tornando comum na guerra durante os primeiros dias da Primeira Guerra Mundial.

O leque de Hertha foi dispensado a princípio, mas, depois de se provar útil, o esforço de guerra finalmente fabricou 104.000 leques do Ayrton e os distribuiu para os homens que lutavam nas trincheiras. Hertha passou o resto de seus dias construindo sobre essa teoria das ondas para conceber estratégias de limpeza de gases nocivos de minas e esgotos.

A luta pelas mulheres

Ao mesmo tempo em que a casa de Hertha servia como um laboratório ativo, era também “um centro para esforços sufragistas“.

Ela se juntou à União Social e Política Feminina em 1906 e participou de marchas e manifestações com sua filha, Barbara. Ela foi atacada por um policial enquanto marchava para Downing Street com a sufragista Emmeline Pankhurst.

Em 1913, Hertha acolheu mulheres que haviam feito greve de fome na prisão e cuidou delas para que recuperassem a saúde.

Em 1914, Hertha dobrou seu apoio ao movimento sufragista. Ela doou parte de uma herança da mentora Barbara Bodichon, 100 libras, o equivalente a £ 11.625 em 2019, para formar o United Suffragists, que incluía homens e mulheres.

Hertha se tornou a vice-presidente e sua filha, Bárbara, a secretária da organização.

O apoio de Hertha às mulheres não se limitou ao movimento sufragista. Além de apoiar os esforços científicos de sua amiga, Marie Curie, Hertha também era uma voz franca pelos direitos das mulheres na ciência.

De acordo com seu obituário de 1923, “Era sua opinião que as mulheres eram naturalmente inventivas e originais, e que essas qualidades, somadas à capacidade de trabalho paciente que é universalmente permitido ser delas, especialmente as equipava para o trabalho científico.” Ela lutou por esse princípio todos os dias de sua vida.

E, como também notou seu obituário, “ela era uma boa mulher, apesar de ser marcada pela inspiração científica“.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Massive Science

ANÚNCIO