Conheça Hypatia, a antiga matemática que ajudou a preservar os textos seminais

ANÚNCIO

A matemática, astrônoma e filósofa Hipácia é considerada a primeira mulher matemática conhecida e uma das “últimas grandes pensadoras” de Alexandria, a sofisticada cidade do Antigo Egito.

Por que o último? A tensão entre as facções religiosas e seculares que buscavam o controle da cidade aumentou no início dos anos 400, levando ao seu assassinato violento e transformando-a em uma mártir de cientistas, pagãos e ateus.

ANÚNCIO

A morte de Hypatia é muito melhor registrada do que sua vida – os historiadores nem têm certeza de quando ela nasceu (por volta de 350 dC). Mas há muitas evidências de que Hipácia foi uma grande erudita.

Se você quisesse aprender matemática e astronomia em Alexandria, ajudaria se seu pai fosse Theon, o último membro conhecido do museu de Alexandria (não um museu no sentido que usamos a palavra agora, mas mais uma “universidade”).

Theon ensinou Hypatia e procurou sua ajuda com alguns de seus comentários, republicações do trabalho de outra pessoa com notas interpretando e explicando várias partes.

ANÚNCIO

Comentários como esses desempenharam um papel importante na preservação e promoção das obras gregas antigas em uma época em que tais obras eram vistas por muitos como “pagãs” e opostas aos ideais cristãos.

Muitos historiadores acreditam que pelo menos um dos comentários atribuídos a seu pai, o terceiro livro da versão de Theon do Almagesto de Ptolomeu, um texto astronômico usado amplamente até o século 16, foi realmente escrito por Hipácia.

Esse debate sobre a autoria às vezes ofusca obras que são conclusivamente dela, incluindo comentários escritos em seu próprio nome sobre tópicos como geometria, teoria dos números e astronomia.

Leia também: Conheça Grete Hermann, a filósofa da física quântica

Se não fosse por Hypatia, obras como On the Conics of Apllonius, que introduz hipérboles, parábolas e , provavelmente teriam sido esquecidas, porque seus conceitos foram escritos em um jargão denso – Hypatia era hábil em traduzir tópicos matemáticos complexos em termos o público em geral poderia entender.

Infelizmente, esses comentários foram perdidos – a maior parte do que sabemos sobre o trabalho de Hypatia vem de cartas para ela e referências de passagem em relatos históricos.

Algumas pessoas atribuem a ela o desenvolvimento de um dispositivo chamado astrolábio (uma espécie de calculadora astronômica). Embora ela tenha ensinado seus alunos sobre eles, e provavelmente ajudado a projetar versões mais elaboradas, provavelmente foi inventado por outra pessoa.

Hipácia também se tornou uma renomada filósofa neoplatônica, chegando a liderar a Escola Platônica em Alexandria e dando palestras públicas, além de aulas particulares.

A associação de Hypatia com “ciência” e “aprendizado” a levou a ser rotulada de “pagã”, uma coisa perigosa em uma época em que o paganismo era visto por muitos como uma espécie de “rival religioso” que ameaçava afastar as pessoas do cristianismo.

Mas Hypatia ensinou alunos de todas as origens. Pessoas vinham de todo o mundo para ouvi-la falar, e ela tinha grande respeito da sociedade dominada pelos homens.

O historiador Sócrates Scholasticus escreveu sobre ela:

Não raro ela aparecia em público na presença dos magistrados. Nem se sentiu envergonhada por vir a uma assembleia de homens. Pois todos os homens, por sua extraordinária dignidade e virtude, a admiravam ainda mais.

Hypatia era uma grande networker – ela estava “ligada” a muitas figuras poderosas do mundo antigo, incluindo o governador de Alexandria, Orestes. Essa popularidade provavelmente gerou ciúme no arcebispo Cyril, já de mau humor devido a uma rixa com Orestes pelo controle da cidade.

Orestes era cristão, mas não achava que a Igreja Cristã deveria invadir o “governo civil”. Cirilo, por outro lado, queria que a igreja tivesse mais controle sobre os assuntos seculares.

A discussão levou os monges de Cirilo a tentar assassinar Orestes, mas eles só conseguiram colocar Orestes em alerta máximo. Mas eles não precisaram procurar muito por um alvo mais fácil – Hypatia viajava regularmente, dando palestras públicas que defendiam com orgulho pontos de vista “pagãos”.

Ela também era um alvo por outros motivos: como uma conhecida próxima de Orestes, Hipácia provavelmente o aconselhou sobre a rivalidade, e alguns dos seguidores de Cirilo a viram como um obstáculo à resolução de conflitos, até mesmo acusando-a de usar bruxaria para semear a divisão. Em 415 ou 416, uma turba de fanáticos cristãos atacou a carruagem de Hipácia nas ruas de Alexandria, arrastou-a para uma igreja e a matou violentamente e queimou seu corpo.

A morte brutal de Hipácia transformou sua vida em uma “história de mártir” que tem sido usada por cientistas, pagãos e ateus ao longo dos tempos como evidência de discriminação de longa data e os “males” da Igreja Cristã.

Mas outra versão de sua história a ser lembrada é a de uma mulher poderosa considerada líder mundial em filosofia e matemática em uma época em que a maioria das mulheres estava confinada aos deveres domésticos.

A obra foi produzida em parceria com a Sloan Science & Film, uma iniciativa do Museu da Imagem em Movimento que publica guias de filmes de base científica, inclusive para o longa Ágora (2009) de Alejandro Amenábar. O filme é estrelado por Rachel Weisz como Hypatia e Oscar Isaac como seu aluno. Recebeu o Sloan Feature Film Prize no Hamptons International Film Festival por seu retrato realista e atraente da ciência.

Traduzido e editado por equipe Isto é Interessante 

Fonte: Massive Science

ANÚNCIO